Linguagem[+]

domingo, 4 de novembro de 2018

A ARTE LITERÁRIA

Símbolo da Academia Catarinense de Letras (boton)


Na azáfama do corpo e não da alma, tive o “dia das almas” - “dia de finados” ou “dia dos fiéis defuntos”, para descansar o corpo e exercitar a alma na busca do belo, e o procurei na arte literária fazendo jus à condição de novel acadêmico eleito e empossado na cadeira 16 da Academia Catarinense de Letras. Assim contribuiria com a literatura, dando de mim à arte referida, no desempenho da missão acadêmica, pressuposto do Sodalício. No “dia de todos os santos”, pensei em Cruz e Sousa, santo poeta; poeta máximo do nosso Estado de Santa Catarina, um simbolista que se ombreou com Baudelaire, parisiense contemporâneo dele, o nosso Cisne Negro, codinome de Cruz e Souza, por ser um homem negro. Novembro é mês de seu aniversário e tenho que compor algo para homenageá-lo ou à memória desse acadêmico imortal que se perenizou com a sua grandiosa obra; porém como meu corpo ainda não deu descanso à alma para tanto, por enquanto, ficarei apenas com a literatura – a arte do verbo que se faz em luz.


A ARTE LITERÁRIA

Deus deu ao humano ser certo talento
Para a alma tornar o belo em arte
Feita a expressão divina que reparte
Com a razão humana esse elemento

Formando uma corrente cujo elo
Divino faz-se em humana criatura
Ou criatura em divindade pura,
Qual ente que dá à luz ao que é belo.

Chama-se verbo, esse invisível ente
Que faz de uma grafia, de repente,
Ser luz a transformar a face escura

De algo amorfo por sol resplandecente.
O verbo é recomposto finalmente
E forma a arte da literatura.
Academia Catarinense de Letras


16 comentários:

  1. A arte de bem escrever é a arte da alma!!!

    ResponderExcluir
  2. Que linda homenagem, eu de volta de umas férias e aqui lendo essa preciosidade!
    Bem escolhido soneto, a alma fala, sempre há que se ouvi-la, amei!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  3. Muy bello y luminoso!
    Gracias por tu visita.
    Saludos cordiales.

    ResponderExcluir
  4. Chapelada para tão belo poema, Laerte!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  5. Bello poema....un gusto leerte.....saludos a la distancia

    ResponderExcluir
  6. "Chama-se verbo, esse invisível ente!
    Que faz de uma grafia, de repente,
    A luz, a alumiar a face escura" Belíssimo!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Um belíssimo poema Laerte.
    Adorei.
    Abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  8. Escrever é libertar a alma! Aplausos ao texto e ao poema!
    =)
    Bjinhos e noite quentinha
    Por aqui com, Beleza rompendo o céu

    ResponderExcluir
  9. Bonita e inspiradora homenagem.
    Abraco

    ResponderExcluir
  10. Beautiful poem! Have a lovely day :-)

    ResponderExcluir
  11. Que beleza portentosa o seu soneto, Laerte.
    “Para fazer da pedra bruta, arte,”
    É mais que simplesmente polir a pedra bruta, mas sim transformá-la em arte.
    “Um ente, em arte para dar luz ao belo.”
    Jamais esquecerei...
    Um forte abraço e muito obrigado por nos entregar essa maravilha.

    ResponderExcluir
  12. Laerte, que linda forma de você homenagear o "cantor poeta" Cruz e Sousa!
    O poema é magnífico! "É arte d'alma e luz - literatura!"
    Tudo dito!
    Beijo e fique bem, meu amigo.

    ResponderExcluir
  13. Palavras absolutamente sublimes, Laerte, de uma inspiração profunda!
    Parabéns, por tão brilhante homenagem! Que sirvam todos os verbos do mundo, para promover entre os homens, o entendimento...
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderExcluir