Linguagem[+]

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

FESTA DE SÃO SEBASTIÃO EM ARMAÇÃO DE ITAPOCORÓY



WEB

IMAGENS OBTIDAS NO BLOG ANOTAÇÕES DE CADERNOS DE MARIA DO CARMO
POSTADAS EM 15/01/2015:







Na nossa pequena praia de colonização portuguesa, Armação do Itapocoróy, há santos às devoções diversas. Entre os mais importantes se destacam São Pedro, patrono dos pescadores e São João Batista, padroeiro do lugar. Santo, também muito recorrido às graças era São Gonçalo do Amarante, santo português tocador de viola que as más-línguas diziam que ele tomava umas e outras para celebrar a vida.
Entre santos tantos, os festejos de São Sebastião dar-se-ão em janeiro e tem muita evidência dado ao ritual, principalmente relativo a seu mastro sincrético de outra religião, com uma enorme procissão católica. É interessante a celebração, por obedecer a ritos tradicionais, muitos dos quais se perderam no tempo. Inclusive o refrão do cântico principal "Minero Dô; Minero Dô!..” semelhante ao ritmo da congada africana que coroava o rei do Congo ou do moçambique, bailado guerreiro africano, não se sabendo ao certo a tradução literal que para aproximar religiões pelo sincretismo veio à festa do santo.
A procissão do mastro, como outras festividades religiosas, têm seus festeiros – devotos responsáveis principais pelo evento àquele ano. O festeiro ou promesseiro de 2020 a São Sebastião seria meu nobre Amigo Carlos Malburg, arquiteto carioca, que veio a falecer no transcurso deste ano de 2019 e seus familiares se responsabilizaram pela organização dos preparativos. Carlos era devoto de São Sebastião, Padroeiro da cidade do Rio de Janeiro, sua terra natal, também admirador da tradição do mastro trazida pelos portugueses e que se mantém viva em Armação.
       Muitos milagres são atribuídos a esse santo aos mais diversos tipos de enfermidade humana. É também tido como protetor dos animais, produzindo curas em rebanhos com algum tipo de doenças.
Para homenagear e contar história compus um pequeno poema narrativo em décimas do cancioneiro ibero-português:


  
SÃO SEBASTIÃO

Que bom que o falo pagão,
Marco da fertilidade,
Serviu como identidade
A que São Sebastião
Fosse símbolo cristão,
Devido ser amarrado
A um tronco e transpassado
Por flechadas de arqueiros,
Para dar seus derradeiros
Suspiros de infiel soldado.

Ele, soldado romano,
Foi um pagão convertido
E não fazia sentido
Ao imperador soberano
Ver seu herói noutro plano
Que não fosse planos seus,
Porém, os planos de Deus
Eram outros e o soldado
Depois de preso e flechado
Ainda pregou aos ateus.

Porque foi tido por morto,
Com o corpo todo ferido
Sem exalar um gemido
Mas, por um caminho torto
Conduziram-no ao conforto
De um lar. E o santo soldado
Com o seu corpo mutilado,
Por obra divina e plano,
Fez o sagrado e o  humano
Suplantarem àquele estado.

Curado, saiu pregando
E convertendo pagãos
Para os preceitos cristãos
Ensinados desde quando
Cristo pregou e a Seu mando,
Dizia o doutrinador.
Estava ali dando o Amor
Trazido por Deus Menino.
E ia levando esse ensino
De Jesus Nosso Senhor.

O imperador, ao saber
De Sebastião estar vivo,
Sentenciou incisivo  
Do alto de seu poder,
Que matassem aquele ser
Nefasto ao imperador.
E com cão farejador
Atrás da sua pegada,
Ele foi morto à paulada,
Enquanto pregava o amor.

Na Praia da Armação,
Os devotos fazem a festa
Com um tronco da floresta,
Um mastro, por tradição
Em honra a São Sebastião,
Sob um grande festival,
Expressão tradicional
De festejos a esse santo,
Com versos livres de canto
Ao tambor, tal ao ritual.

Para imitar o soldado,

Os homens põem um casquete 
Como um elmo que remete 
A estar uniformizado. 
Com mais um saiote atado 
Sobre a calça o faz conforme
Peça do antigo uniforme 
Que o soldado romano 
Usava. E sem ser profano, 
Faz-se à semelhança enorme.

Do rito, o mais importante
É o enfeite do pau,
Colocado em um jirau,
Tendo flores, o bastante,
Que as mulheres, com barbante
Atam-nas ao mastro e vão
Enfeitando com uma porção
De ramagens e de flores
Cantando versos de amores
Para São Sebastião.

E pedem fecundo o amor,
Rogam luzes a dar à luz,
Com batuque que as conduz
À alegria; e ao sabor
Da consertada, um licor
Feito à base de aguardente
E gengibre. O povo crente
Com vontade que sobeja
 Conduzem até a igreja,
O mastro aos ombros da gente.

Assim, com o mastro enfeitado,
 É feita a grande puxada
Ao longo da extensa estrada
Em que o tronco é levado 
Ao lugar determinado,
Sob aplausos e cantigas.
Rapazes e raparigas
Oferecem consertada,
Broa, bolacha, cocada,
Conforme às festas antigas.

E ao MINEIRO DÔ, cantando
Chegam à igreja, no local
Para um novo ritual.
Tange o sino em toque brando
Com a cantoria, até quando
O mastro ter sido erguido
Com corda, bambu, gemido,
Grito, palma, aplauso, até
O mastro ficar de pé,
Dando ao rito outro sentido.

Vem reza, vem brincadeira,
Abraço, conversa, canto,
Salva de palmas ao santo
Até hastearem a bandeira
Que lá no mastro altaneira
Leva São Sebastião
Mostrando ao povo cristão
Para que de longe veja
Que haverá festa de Igreja
Na Paróquia de Armação.

Dias depois logo vem
A missa e ao fim, um leilão
De pães de massa que são
Representações que têm
A ver com milagre a alguém.
Há pés, como pés curados,
Braços, corações... são dados
Que apontam ao órgão, à graça.
E os pães levados à praça
Da igreja são arrematados.

NOTA DE RODAPÉ: VIVA O CENTENÁRIO DA ACADEMIA CATARINENSE DE LETRAS - ACL2020


sábado, 7 de dezembro de 2019

NATAL É TEMPO DE LUZ



O adulto é o menino que ele foi até aos sete anos de idade. À época do Natal essa constatação me aflora à alma e inunda o meu espírito da luz dessa verdade. Verdade transposta ao ser como uma tempestade de sentimentos que oscilam em uma vibração senoidal  de paz, culpa, regozijo festivo, luz do real, sonho, saudade, solidão, comemorações fraternais e até certa angústia por não poder restabelecer minha infantilidade. Isso porque me assedia um certo sentimento de culpa em ter traído aquele antigo menino; ao deixá-lo abandonado ao tempo e eu, percorrido sozinho, um caminho anacrônico ou atemporal que conduzia à maturidade, pequei. Dá vontade de lançar a ele um salva-vidas atado a uma corda, para resgatá-lo da imprecisão do que sonho; mas um raio de luz, na tal tempestade cérebro-sentimental, me confunde e ele estiola no meu pensar a me levar ao devaneio, perdoa-me. Retorno à realidade com o sentimento do amor carente – aquele amor que do espírito emana para amar e a razão do ser quer recebê-lo por carência afetiva, própria do adulto – a eterna criança.
Mas, qual o mundo do menino que leva este adulto à “brain storm” (chuva de ideias – tempestade cerebral)? Seria o mundo do ritual natalino à época da sua infância, como, principalmente, o mundo dos ternos de reis – tradição portuguesa; e o da confecção dos ninhos com barba de velho e flores, onde o Bom Velhinho depositava os presentes de Natal às crianças. E a tradição dos ninhos perdeu-se no tempo entre toda a gente – ninguém mais usa esse rito que revive tanto em mim e me revive a alegria que o Natal traz à alma. Minha esposa fez-me uma réplica ao nosso filho Arthur quando criança, para um agrado a mim e uma lição aos dois meninos – filho e pai.
Posto foto do que seria um Ninho do Natal – receptáculo dos presentes natalinos às crianças; e um pequeno poema natalino.
Obs: em época de um Natal passado postei matéria semelhante e mais explicativa.


NATAL

Eu sou a criança, aquela
Que fui quando era menino,
Tendo tangente o divino
Na alma augusta e singela.

Em minha mente, a procela
 Cerebral, tira-me o tino,
Porém, o antigo ensino
Do que é Natal se revela.

E assim eu sinto o Natal
Do infante sentimental,
 Dentro da alma, unicamente,

Como o mais transcendental
Fenômeno espiritual
Que diviniza alma e mente.

 Confecção do ninho natalino com barba de velho e flores da época



Colocação do ninho em frente a lareira da casinha de praia,
à espera dos presentes de Natal