Linguagem[+]

quarta-feira, 5 de maio de 2021

DIA DO EXPEDICIONÁRIO


Nilson Vasco Gondin
livro LIBERDADE ESCRITA COM SANGUE


Símbolo da FEB


Símbolo da Força Aérea Brasileira
com a imagem do Cruzeiro do Sul.
Pua é a ponta da verruma e a expressão
 "Senta a pua!" significava algo como ex-
   expressões atuais: "manda ver!" ou 
    "manda bala!"


    Cinco de maio, dia que celebramos a memória do grande herói brasileiro, o expedicionário que ajudou a conquistar a “liberdade aos países livres” ao preço de seu sangue e das lágrimas de seus familiares. Como olvidá-lo? Não queremos repetir o que é da História desta amada Nação. O expedicionário é um herói consagrado e conhecido pelos adultos que têm o dever de transmitir conhecimentos cívicos às crianças e aos adolescentes. Importante nos lembrar desse valoroso homem e de seus feitos ao serviço da Pátria.
    Alguém disse que o brasileiro só iria à guerra no dia em que a cobra fumasse. Símbolo, depois empregado pela Força Expedicionária Brasileira (FEB) – uma cobra fumante. Em meio aos horrores enfrentados na luta, no inverno, ao chegar à cordilheira dos Apeninos, ante as batalhas severas em que mal conseguia dormir, nosso soldado teve de improvisar.
    No frio de 20ºC negativos, forrava os pés com jornais velhos sob as meias ao coturno, excelentes isolantes térmicos, o que fez os soldados americanos imitá-lo. O jovem obrigava-se a comer o que lhe fosse oferecido, e por isso, colocaram-lhe o apelido de Avestruz – símbolo desenhado nos tanques de guerra e nos narizes dos aviões caças – um avestruz atirando para todos os lados. (O bullying não funciona para os fortes). Há relatos de que os pilotos brasileiros foram os mais audazes em combate. Exemplo: Durante a tomada do Monte Castelo, davam rasantes extremos, radicais e perigosíssimos, conseguindo com precisão, disparar as bombas no colo do inimigo.
    O principal objetivo do pracinha brasileiro era vencer a luta e voltar para a sua casa sob a luz da atmosfera brasileira. E ele conseguiu quando da tomada do Monte Castelo, último bastião dos nazistas em que nas duas tentativas, as Forças Norte-americanas foram rechaçadas com muitas perdas de vidas. O infante brasileiro chegou lá aos limites de suas forças, mas cantando os seus sambas improvisados. Depois fez amizades com italianos e até hoje é homenageado na Itália por ter sido o liberatori, ao contrário da sua Pátria que logo ao pisar em solo brasileiro, a FEB já estava extinta.
    Posto aqui foto do herói condecorado por atos de bravura, Nilson Vasco Gondin, de família de origem Viking que imigrou aos Açores e de lá para o Brasil. Nilson, nascido em Florianópolis, foi meu chefe quando assumi como engenheiro fiscal da Caixa Econômica Federal. Tive a honra de conhecer muito da história da Segunda Guerra a partir dos relatos de Nilson e de outros expedicionários com quem convivi, como é o caso do Sr. Milton Fonseca e Emanoel Assis, irmão de um tio meu. O que me fez escrever o romance UM SOL DADO À LIBERDADE, narrando fatos históricos e pormenores vivenciados no teatro de guerra quando da participação desses catarinenses até hoje festejados em Nosso Estado.
    Os pracinhas saíram da Itália aos aplausos do povo, principalmente às enfermeiras brasileiras que tiveram um papel extraordinário na guerra pelo excepcional atendimento. Despediram-se daquele maravilhoso povo cantando a Canção do Expedicionário.

internet


A TOMADA DO MONTE CASTELO


Meu Brasil, cinco de maio 

É Dia do Expedicionário,

Merecedor de um sacrário  

De luz, pois igual Sampaio, 

Demonstrou não ser lacaio 

E deu sua vida à Guerra 

Para defender a terra 

Desta Nação brasileira,

Tendo por sua bandeira,  

O que a brasileira encerra.

 

Os pracinhas brasileiros 

Mostraram brio, destemor, 

Moral, paz interior 

E altivos, sobranceiros,

Provaram aos estrangeiros

Serem vocacionados 

À guerra; como os soldados 

Mais combativos no front 

E com a tomada de um Monte 

Eles foram consagrados. 

 

Famoso o Monte Castelo, 

Covil sacro do inimigo 

Representando um perigo

Pelo local  –  "il capello”

Que o diabo, por flagelo,

Usava para assombrar 

Todo e qualquer militar 

Que ousasse às subidas,  

Porém com perdas de vidas 

O Brasil pode o assaltar. 

 

O P-47 (Thunderbolt) era 

Famoso avião de caça 

Que o brasileiro, com raça, 

Usou a “nova pantera” 

Fazendo o que não se espera 

De um piloto aprendiz 

Que desenhou no nariz 

Do avião um avestruz, 

Para poder fazer jus 

Ao que a herói não condiz.

 

De ações quase suicidas,

Em seus radicais rasantes,

Ele arrasou tudo, antes 

Dos infantes, às subidas 

Em progressões protegidas 

Por fogo da artilharia 

Que à retaguarda cobria, 

Chegassem para dar cabo 

Ao tal chapéu do diabo  

Invencível, se dizia.

 

Estribilho:

E foi à desforra, ao fim 

Do fogo inimigo atuar 

E a ter que ceder lugar 

Ao intrépido clarim 

E a nossa bandeira, assim

Ser hasteada no alto 

Do Monte, ao último assalto

Que à guerra pôs um fim!




40 comentários:

  1. Olá!

    Infelizmente é sempre só com o sangue que se conseguem os grandes feitos, pela liberdade.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Fabulosa AULA de história brasileira. Grato pela partilha. Fui ouvir a Canção do Expedicionário. Gostei de ver as imagens das meninas, dos barcos, enfim da história do Brasil. Gostei logicamente da música que de certa forma já conhecia.
    Acredito que o seu livro UM SOL DADO À LIBERDADE, seja fascinante de ler. Deixo-lhe os meus parabéns.
    .
    Abraço poético
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  3. Interessante leitura bem esclarecedora.Moso lindo da data marcar! abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto aqui nos apresenta, amigo Laerte.
    Um retrato bem demonstrativo da história do Brasil.

    Abraço amigo!

    ResponderExcluir
  5. Fantástica publicação!! :)
    .
    O pouso da ousadia...
    .
    Beijos
    Uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  6. Olá, amigo Laerte!

    Que texto tão patriota e a canção, que estive escutando, agora, também. Eles cantam mto bem, afinados e de forma garbosa. Até parece k estão cantando em Português de Portugal, visto que eu entendi tudo o que eles cantaram.

    Para se defender nossa Pátria, arriscamos e damos a vida, sempre assim foi, embora o conceito de Pátria agora esteja fraquinho.

    Dia 05 desse mês, dia em que se comemora, celebra a memória do Expedicionário, que ajudou a conquistar a Liberdade.
    O expedicionário, penso que seja Nilson Vasco Gondin, que muito lutou pelo seu país ficando na História.

    Os homens mais velhos vibram com esse feito e com a canção e você é um dele, ou seja, é uma joia que já tem meio século.

    Parabéns aos seu post tão completo e heroico.

    Grata pelo seu comentário no meu blogue, que adorei.

    Abraços e muita saúde.

    ResponderExcluir
  7. Decirte que me gusto mucho la narración y la canción. Nos dices que pronto se olvidaron de este grupo de personas, aquí nos pasa mas o menos lo mismo con el destacamento de soldados que resistió casi un año en una pequeña iglesia de la localidad filipina de Baler como ultimo reducto español en las Filipinas. Cuando por fin comprendieron que ya no hera territorio español y depusieron las armas el joven ejercito filipino les rindió honores cuando salieron de la iglesia. Esta gesta se recuerda casi mas allí que en España. Este grupo de soldados se los conoce como "los últimos de Filipinas".

    Saludos.

    ResponderExcluir
  8. Uauu"" Uma narrativa fascinante sobre a História do meu Brasil. Patriotas sempre me emocionaram, e nos dias atuais, eles estão escassos. Parabéns pela minúcia do relato, denotando o teu conhecimento sobre esse período . Adorei.
    Beijo doce .

    ResponderExcluir
  9. Que palavras tão preciosas de se ler!
    Li cada linha com muito carinho!
    Um abracinho, Sol!
    Megy Maia🌺😊🌺

    ResponderExcluir
  10. Estamos mesmo sempre a aprender.
    Abraço, bfds

    ResponderExcluir
  11. É sempre bom falar da história e homenagear o que foi feito e que marcou diferença!
    Gostei da leitura e do vídeo, a música e as imagens lembram os filmes antigos!

    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  12. aprendemos até morrer ja dizia a minha avo bjs tudo de bom com muita saude bom fim de semana

    ResponderExcluir
  13. É sempre bom lembrar os momentos de gloria e de derrota também, que um dia os homens consigam evitar as guerras e suas mortes inevitáveis, o sentido da vida não deve ser morrer, jamais.
    Lembro de na escola primária ter um livrinho com hinos, incluindo a Canção do Expedicionário.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Magnífica descrição Histórica que não conhecia e que muito me comove.
    A Honra e a Glória para todos os Expedicionários de todas as Guerras; os sacrifícios não são coisas vãs, embora a memória das gentes seja "coisa" fraca.
    A minha Homenagem pessoal de Expedicionário noutra Guerra.

    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  15. Que lindo texto amei de coração💗💚 um beijinho😘 feliz domingo.

    ResponderExcluir
  16. Amigo Laerte.
    Obrigada por esta lição de História, que confesso desconhecia.
    A bravura e o heroísmo, deve ser assinalada com orgulho.
    Adorei, o histórico vídeo também !
    Finalizando com o seu brilhante poema, que me deixou emocionada.

    Receba o meu abraço, grato e amigo.

    ResponderExcluir
  17. Caro Laerte, que importante memória histórica!
    Abraço, boa semana!

    ResponderExcluir
  18. É bom celebrar sempre quem lutou pela liberdade. A memória de um País não é para ser esquecida. Parabéns pelo seu post.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Amigo Laertes, es portuno hacer memoria de las gestas y los personajes heróicos, que lucharon para emancipar a los pueblos de las coyundas de sistemas opresores. Relevantes como es usual en tus entradas, la prosa, y el poema como remate del post. Un abrazo.
    NOTA BENE: gracias por tu comentario solidario con las protestas sociales, que el gobierno ha buscado silenciar con la violencia policial. Un abrazo. Carlos.

    ResponderExcluir
  20. Desconhecia por completo os factos que aborda neste post. Foi uma lição de História para mim.
    E gostei muito do seu poema, alusivo ao expedicionário.
    Continuação de boa semana, caro amigo Laerte.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Desconhecia tb este belo episódio da história brasileira.
    Gostei da forma como é descrita

    ResponderExcluir
  22. Essa homenagem ficou muito bela, sim Laerte
    é inspirador para a juventude que não sejam esquecidos os atos de coragem que tiveram como objetivo a defesa e a partilha da liberdade
    Eu já tinha lido algumas coisas sobre a participação dos brasileiros na segunda guerra mundial, mas vou tentar saber um pouco mais!
    abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  23. Obrigado pela publicação da história dos heróis espanhóis que podem contribuir para minha visão. Publicação interessante.
    Saudações de amizade da Indonésia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações brasileiras. Gostaria e tomo a liberdade de corrigir o lapso de meu querido amigo indonésio: onde lê-se "heróis espanhóis", entenda-se heróis brasileiros. Escusas! Gratidão! Laerte Tavares.

      Excluir
  24. Dignidade, Honra e Glória.

    Abraço, Laerte
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  25. Gostei muito de ler, amigo Laerte, tão ignorante que estava destes factos.
    Apenas sabia que os brasileiros pertenceram aos Aliados e que tinham penetrado na Europa pela Itália... É justo que o Brasil não deixe morrer os seus heróis...

    A luta dos heróis de hoje tem sido e imensa resistência no perpétuo socorro às pessoas asfixiadas pelo covid 19 e afins...
    Há muitos genes de bravura no sangue dos brasileiros.
    Dias bons e agradáveis, na medida do possível. Um abraço, meu amigo.
    ~~~~~

    ResponderExcluir
  26. Belíssima publicação, Laerte, muita emoção.
    A canção do Expedicionário é linda, um orgulho.
    Parabéns pela postagem tão brasileira, tão nossa, tão rica!
    Grande abraço, amigo, uma feliz semana!
    Beijos a todos aí.

    ResponderExcluir
  27. Caro Laerte, eu pensei que conhecia a história do expedicionário, porém sua publicação mexeu com minhas emoções, saber mais sobre este homem de brio, homem que tem o Brasil desenhado no coração.O heroi, que devemos homenagear sempre.Sinto grande comoção ao cantar ou ouvir o nosso hino nacional, portanto o sentimento foi semelhante com tão rica letra da "Canção do Expedicionário".Parabéns, e obrigada por tão valiosa partilha. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  28. Não sabia conheço muito pouco da 2ª Guerra Mundial e da 1ª - na 1ª o meu avô paterno com 19 anos teve de se alistar e esteve em França - por cá perdeu a noiva que se casou com outro e quando regressou casou com a irmã mais nova dela, a minha avó paterna.

    ResponderExcluir
  29. Pois é, meu amigo Laerte, a comemoração do Dia do Expedicionário, 5 de Maio, tem sido um pouco negligenciado, pois o que devia acontecer há muitos anos, a comemoração nas escolas, em todo o país, infelizmente não tem ocorrido. De 10 anos para cá, tive a sorte de encontrar um vídeo no YouTube, sobre a tomada de Monte Castelo, e depois disso vejo com frequência filmes por esse canal sobre os Expedicionários brasileiros, em linha de frente ou então no Brasil, onde moram os Pracinhas ou onde eles comemoram a data, nos encontros que fazem, muitas vezes em Brasília, os poucos que ainda estão vivos, e que continuam contando suas histórias de heroísmo. Daí, Laerte, ter sido oportuna essa tua bela postagem, com esse excelente relato e com teu belo poema. Felizmente, agora, podemos rever a história desses heróis, vendo muitos filmes do YouTube, com histórias de grande valia para nós.
    Parabéns pelo meritório trabalho.
    Um grande abraço, soldado Laerte!

    ResponderExcluir
  30. "Você sabe de onde eu venho? [...]"

    Venho dum tempo passado
    Sem da Guerra ter cuidado
    Por ter nascido ela finado
    Mas meu já grande existir
    Deu para aprender e aqui vir
    Aprender uma lição: Liberdade
    De quem em coragem na flor da idade
    Me deu o maior bem: lutando pela Verdade.
    Esse sou eu, sei d'onde vim
    Para onde vou, não sei. Talvez um bom fim.

    Parabéns, Amigo Laerte, por esta página de Glória e sentida homenagem a Homens e Mulheres que, longe da sua Pátria, foram lutar por uma Causa tão justa, como premente. Estava em causa um Mundo de Sombras e Terror, o Caos e a Destruição.
    Foi mau demais...e a seguir, nasci eu.

    Um grande abraço e saúde

    Viva o Povo Brasileiro e o Brasil, Justo, Democrático e Próspero.

    ResponderExcluir
  31. Interessante e histórico.
    Uma sentida e bela homenagem.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  32. Muito interessante este pedaço da vossa história.
    Gostei muito da Canção do Expedicionário.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  33. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu excelente poema.
    Bom fim de semana, caro Laerte.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  34. Lembrar feitos heróicos que, muitas vezes, a História deixa esvair na sombra dos tempos, é um Acto muito digno, louvável, precioso...
    Obrigado, Laerte. Mantém os mais jovens acordados para o que a Pátria lhes legou.


    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  35. Nunca é demais, lembrar estes heróis... e foram tantos e desconhecidos, quer na Primeira Guerra, quer na Segunda... que pagaram com a vida, a possibilidade de outros, terem uma vida bem melhor, num mundo bem mais democrático e justo!...
    Que nunca se percam os valores da democracia, pelos quais estes heróis tanto lutaram... é o mínimo que todos lhes devemos... prosseguir as suas batalhas... até porque a democracia, é uma conquista diária... e mais que nunca, numa fase de crise mundial, como esta pandemia... muitos perigos à sua continuidade sempre espreitam...
    Magnifica homenagem, Laerte! Deixo um enorme abraço e votos de um excelente fim de semana, estimando que se encontre de saúde, assim como todos os seus! Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  36. Agradeço a partilha, pois fiquei a conhecer um pouco mais da história brasileira, que desconhecia.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  37. Olá poeta, passando aqui pra te deixar o endereço do SEMENTES

    https://opoetanomeiaoleitorincendeia.blogspot.com/

    Estou te esperando por lá ....Vem...

    ResponderExcluir
  38. Apesar dos males que a guerra compreende, há várias histórias de soldados inspiradoras e que mostram a beleza do ser humano seja pela coragem ou mesmo por procurarem a paz. Gostei de ler.

    ResponderExcluir