Linguagem[+]

sexta-feira, 4 de junho de 2021

FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

    

imagens ajustadas a esta plataforma de: Leandro Foto


    Uma das festas essencialmente comunitária em minha terra natal, Penha, Santa Catarina, acontece há 185 anos. É a Festa do Divino Espírito Santo, evento de tradição portuguesa trazida pelos portugueses que colonizaram a região litorânea.
    Coroado o Imperador daquele ano, sorteia-se, entre doze inscritos, o nome do imperador do ano seguinte que, eleito, a partir desse instante começa com as tratativas para os festejos do evento vindouro. Dalí, desencadeia-se o início dos preparativos, com os convites aos festeiros e recebimento das doações do povo em geral, em espécie (dinheiro) e bens materiais ao imperador responsável em promover uma grande festa com comida farta à comunidade e aos convidados de fora. Mais tarde, “visitas da bandeira do Divino” pelo cortejo, até às vésperas da novena do evento principal, aos fiéis convidados como o Trinchante, Alferes, Empregados de Vela, Empregados de Bandeira, Espadins e demais representantes.
    Meu avô paterno foi um dos Imperadores e depois meu pai, em 1950. Lembro-me, ainda muito jovem, dos detalhes e preparativos. (Tão jovem eu era, que quando adulto queria saber o que seria Pai do Espadim, que minha família tanto falava e, finalmente, descobri que eram: Pajens e Espadins). Papai, comerciante local, abriu uma conta bancária somente para os depósitos de doações recebidas – crescente a cada dia. Antecipava-se a encomenda de tecidos e acertos com alfaiates e costureiras às confecções de alfaias; encomenda ao artesão de fogos de artifício, dos foguetes para os eventos principais e principalmente à grande queima de fogos da noite de véspera da Festa; contratos com os foliões – músicos responsáveis pelas cantorias; construção de chiqueiros à criação de leitões especiais; doações de novilhas e de cordeiros para engorda que ficavam sob cuidados de vizinhos e parentes. Tudo era às expensas dos fiéis, embora papai despendesse também.
    Com a aproximação da data começavam as doações em gêneros alimentícios de consumo oportuno; de criações vivas como patos, marrecos, perus, faisões e outros galináceos, que de tão abundantes foi preciso improvisar um enorme cercado com galinheiros. Quase às vésperas, chegavam produtos como trigo, farinha de mandioca, açúcar, feijão, arroz, macarrão.
    Já na semana da festa, formavam-se os mutirões para o corte de palmeiras (palmiteiras) na mata, as quais eram afixadas a ladear as vias do percurso próximo à igreja, onde aconteceria a celebração, e de nossa casa, local em que seria servido o almoço. Nos espaçamentos entre palmeiras, pendiam linhas munidas de bandeirolas multicoloridas a trepidar ao vento, enquanto o pavimento era alcatifado com flores e folhagens em desenhos sugestivos ao evento.
    Eram erguidas armações com cobertura de lonas em forma de grandes barracas à proteção de mesas e bancos improvisados sobre estacas cravadas no solo com madeiramento encimando feito assento e tablados a formarem tabuleiros de mesas às refeições. Talheres e louças chegavam por empréstimos da vizinhança. Por fim, no dia, todos se fartavam com as iguarias que se costumava oferecer aos convivas. E por mais um ou dois dias, a comilança permanecia com as sobras e complementos de cocção de suplementares acompanhamentos, a terminar as bebidas. (xarope de groselha, capilé, consertada, refrigerantes, vinhos, cervejas, vinhos frisantes...).
    Ao passar do tempo, diversas mudanças operaram-se ao ritual da festa, mas o louvor ao Divino continua, e com o mesmo cortejo que segue ao som da viola tocada pelo mestre folião, (em primeira voz), da rabeca tocada pelo contra voz e do tambor pelo batuqueiro na terceira voz, popularmente alcunhada de tripa.
A fé ao Divino Espírito Santo representado sob o símbolo de uma pomba, conforme o Novo Testamento, mantém-se forte.
    
“É a fé, é a esperança, é a paz, é o amor. / É assim nossa bandeira,  por todo lugar que for. / Essa é a nossa festa, nossa gente já chegou / trazendo a imperatriz e o senhor imperador. / O imperador agradece sua valiosa oferta, / transformando em alimento no dia da grande festa. / Se Deus quiser, o ano que vem,  a nossa bandeira volta / com o outro imperador entrando em sua porta”.
Recitado pelo mestre folião da Festa do Divino José Olavo Coelho.


Coroação do Imperador 

Abaixo, fotos da festa do ano de 2021, que teve como Imperador o Senhor Romualdo Waltrick e a sua esposa Márcia Zimmer Waltrick representando a Imperatriz.


Guião com a Pomba do Divino Espírito Santo que vai à frente do cortejo


Imperador e Imperatriz na 185ª Festa do Divino em Penha


Imperador com a senhora Imperatriz ao cortejo, cercados
pelo quadro de varas enfeitadas que os 4 Empregados de 
Vara as sustentam à altura dos quadris.  


Foliões da Festa 



Meninas dos Sete Dons do Divino Espírito Santo


Coroa e o cetro sobre a salva (todos em prata). 


Imperador e Imperatriz com as meninas

Vista parcial do interior da Igreja Nossa Senhora da Penha 


Os pães bentos


Curiosidade - mini-candeeiro português (popularmente - pomboca, cadeia, lamparina) alimentado a óleo de peixe ou a querosene (atualmente). Ele estampa a pombinha com os sete dons do Divino Espírito Santo (em alto-relevo).


39 comentários:

  1. Essas festas são tradicionais e ainda que os tempos mudem e passem, a fé continua firme! Ainda bem! abraços, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. São festas do Povo, sempre muito concorridas e bonitas.
    Este ano se calhar não serão realizadas. A Pandemia espreita a cada canto.
    .
    Votos de um dia feliz
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  3. Las fiestas populares, como esta que traes a colación, son las que afirman el sentido de pertenencia por la tierra. Qué fasto y boato. Me encanta eso de la contratación de los juerguistas. Sin música las fiestas no son coloridas, Un abrazo. carlos

    ResponderExcluir
  4. Aunque con el tiempo este tipo de fiestas suelen cambiar un poco pero su esencia no cambian.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  5. Tradições e costumes. Maravilhosos Divinos!
    -
    Um excelente fim de semana.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Adorei saber que no Brasil as Festas do Espírito Santo continuam.

    Pensei que só os Açores tivessem esses festejos.Afinal, os açorianos levaram-nos para o Brasil.

    Nos Açores têm também os Impérios, alguns são lindissimos.Principalmente na Terceira.


    Grato abraço pelo aumento dos meus conhecimentos.

    Alegre Junho.

    ResponderExcluir
  7. O Divino Espírito Santo que de Divino perdeu tudo, demasiado consumista e mão dada com as elites (nobreza). Pobre povo enganado...
    Lamento amigo, não comungar do mesmo sentimento, pela mesma entidade.

    Fiquemos com os últimos chuviscos de Maio, fechando a primavera que aí o nosso Verão. E que aconteçam menos incêndios. Tem sido um drama devastador, para o ser humano, animais e para o ambiente.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Senhora Lígia Casaca, sinto muito se a ideologização de um pais e sua Nação (povo) possa atingir crenças de poucos habitantes. Nós cá, acreditamos até no deus Sol, na deusa lua e nos rituais atávicos de cada tribo. Deus seja louvado! Abraço cordial. Obs. no Brasil é inverno, o fogo da Amazônia Brasileira eis extinto, pode reinar, ainda, nas almas de um povo ardente que pulsa vida. Laerte Tavares.

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante as Festas do Espírito Santo que aqui tão bem descreveu amigo Laerte.
    Manter as tradições é uma forma de preservar a cultura e os valores espirituais.
    Tudo muito bem organizado.
    Fiquei sem dúvida mais enriquecida culturalmente.

    Grande abraço e obrigada!

    ResponderExcluir
  10. Tão bonito vir sempre a este blog e conhecer tradições de uma enorme nação

    ResponderExcluir
  11. Laerte,
    Acho maravilhosas estas Festas
    que são manisfestações de Fé e
    Cultura Histórica.
    Amo seu Estado, conheço
    Florianópolis e Tijucas.
    Aqui no lugar que vivo
    o ES, temos a maravilhosa
    Festa da Penha.Muito obrigada
    pelo comentário generoso
    lá no Delas&Deles.
    Bjins de boa nova semana.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  12. Que postagem magnífica dessa festa que é tradição em vários Estados brasileiros.
    Nunca tive a oportunidade de assistir ao vivo e a cores. Já vi em reportagens na TV, e nos Cinemas.
    Parabéns amigo, pela publicação muito linda.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Acontecem um pouco por todo o Portugal.
    Sobretudo nesta altura.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  14. parabéns por tanta beleza ímpar. conteúdo incomparável. Receba minhas simples palavras de quem ama a poesia

    ResponderExcluir
  15. Olá, amigo Laerte!

    Que post tão completo e interessante!
    Foi levada pelos Portugueses para aí e eu disso me orgulho.
    Adorei as suas descrições e as fotos que dão beleza à postagem.
    Que se continue fazendo nos anos vindouros para vossa alegria e fé.

    Muito obrigada pelo seu maravilhoso e poético comentário deixado no meu blog.

    Um grande abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  16. Embora eu não seja crente, respeito todas as religiões.
    Gostei de ler e ver as fotografias desta interessante publicação.
    Abraço sob o céu de Düsseldorf.

    ResponderExcluir
  17. Gostei de ler sobre a festa do Divino Espírito Santo, uma tradição antiga com rituais em que seu avô e se pai participaram. As fotografias documentam muito bem a importância dessa bonita festividade.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Olá Silo Lírico.
    Sempre bom se ter informações, histórias.
    Não conhecia essa festa, parece ser muito bonita.
    Só observei um fato, em tempos de pandemia.
    Mas sua informação sim, é deveras importante.
    Gratidão por suas palavras em meu blog.
    Poeta é assim, de uma poesia, transforma e faz crescer outra poesia.
    Feliz semana!

    ResponderExcluir
  19. Obrigada por compartilhar essa linda festa connosco! Adorei!
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderExcluir
  20. Uma descrição a preceito para tão sentida e participada tradição.
    Que tão nobre tradição se perpetue e que o Espírito Santo esteja sempre convosco, meu caro.

    Abraço

    ResponderExcluir
  21. A evocação que faz é bem o símbolo da forte religiosidade do povo brasileiro.
    Também em Portugal, nos Açores, a festa Divino Espírito Santo é celebrada com grande pompa e fé.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  22. Olá, meu caro Laerte, que prazer ler esta brilhante descrição da festa centenária do Divino Espírito Santo! É fantástico como o povo mantém viva a chama da sua religiosidade e faz questão de cumprir todos os itens que lhe são inerentes, ano após ano. Gostei muito. Por sinal assisti , há uns anos, a uma festa idêntica, na Ilha de São Miguel, nos Acores, que me deslumbrou.
    Muito obrigada pela gentil visita ao Barlavento, fiquei em êxtase com o dom que tem para a poesia repentina, sempre excelente!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Olá Laerte Tavares ...
    Meu carinho e gratidão por compartilhar está linda festa ,gostei muito do seu blog ...
    Com carinho feliz semana de muita luz !
    Bjinhos🙏💝💐

    ResponderExcluir
  24. Boa postagem. Bom vim no seu cantinho. Abraços

    ResponderExcluir
  25. Muita elegância nessa festa.
    Muita saúde para aí.
    Abraço

    ResponderExcluir
  26. Olá, amigo Laerte!
    Muito Obrigado, pela visita e gentil comentário.

    Festa magnifica, sem qualquer dúvida. Espero que tenha corrido tudo bem.

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  27. ~~~
    Gratíssima pelos ótimos momentos de leitura...

    O essencial do espírito da Festa conserva-se e depois há uma aculturação ao clima e cultura local.
    Na ilha de S Jorge, algumas crianças vão coroadas na procissão, o que aconteceu à minha filha, então presente na ilha, de férias.
    Excelente publicação, Laerte.

    Hoje estou comemorando o Dia de Portugal, com um pouco do grande Camões...
    Vai gostar. Abraço, Amigo
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  28. Uma festa com muita tradição, mas onde a Fé impera!
    Gostei de ler a sua narrativa sobre a mesma.
    Fotos lindíssimas.
    Um beijinho e obrigada pela sua visita ao meu blogue.
    Ailime

    ResponderExcluir
  29. Obrigada por publicar. A festa foi perfeita e muito bonita.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

  30. Obrigada por publicar. A festa foi perfeita e muito bonita.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consigo teu link para te escrever. Quando puderes, posta-o em meu espaço para eu entrar em teu blog. Abraço. Laerte.

      Excluir
  31. Una fiesta muy bonita. A la distancia leo y disfruto de lo que no conozco. Saludos.

    ResponderExcluir
  32. Excelente e bonita tradição de um país divinal como é o Brasil

    ResponderExcluir
  33. Provavelmente a festa foi levada pelos açorianos.
    A capela, que era o centro das festividades, também era chamada de império, daí o nome de imperador, que não sei se nos Açores era atribuído ao responsável principal pelos festejos.
    Magnífica crónica, onde os usos e costumes são relembrados.
    Bom fim de semana, caro Laerte.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  34. A Tradição mantém-se em Glória; bom que as Tradições não se percam na modernidade dos tempos.
    Magnífica Crónica a merecer aplauso.

    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  35. Adorei ficar a conhecer esta celebração tão significativa... e que bom verificar que as tradições, mesmo com uma ou outra alteração, continuam a ser mantidas!
    Grata pelas fantásticas imagens, e pelo notável suporte informativo, que tão bem nos deu a conhecer o espírito e as raízes desta Festa Tradicional...
    Um grande abraço, estimando que tudo esteja bem, aí desse lado!
    Um bom fim de semana, com saúde, para si e todos os seus!
    Ana

    ResponderExcluir
  36. Que interessante! Linda festa!
    Acho muito importante manter as tradições.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  37. Pois é, caro amigo Laerte, nós, que somos catarinenses, conhecemos muito bem a tradição religiosa das mais elevadas, que é a Festa do Divino Espírito Santo, quando as cidades dedicam-se as preparativos bem como a decoração da igreja, dos salões onde se reúnem famílias e amigos. Lembro-me bem dessas festividades, quando era criança, em São Joaquim, minha cidade Natal. Depois, já na adolescência, destas festividades na cidade em que passei a morar, Lages, a Princesa da Serra. Depois disso participei também das destas, na cidade de Blumenau, que mantinha essa tradição, embora seja ela a cidade brasileira com o maior número de descendentes alemães no Brasil. Mais tarde, vi que tais festividades ocorriam com a mesma fé na cidade de Porto Alegre, onde passei a morar, o que não podia ser diferente, já que a tradição veio também para cá trazida pelos Açorianos.
    Parabéns pela significativa postagem.
    Uma excelente semana.
    Um abraço do teu fraterno amigo.

    ResponderExcluir