Linguagem[+]

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

O POETA


  1.  
  2. O POETA É UM VIDENTE

Autor: Laerte Tavares

 

O poeta é um vidente que procura o belo em tudo,

Revirando o conteúdo do que enxerga ou que sente

E a beleza, então, ausente a muitos, ele a evidencia

Como em fotografia ou desenho iluminado

E o belo é revelado com clareza e maestria.

 

Não será clarividência o dom que o poeta tem

Por ir da aparência além e encontrar sua essência

Do que não tinha evidência e com o seu dom se revela?

Por uma visão singela o leigo não a vê nem sente

Mas o poeta vidente ilumina a visão bela.

 

Dizem que o poeta é santo, sendo um profano ser.

Pois pode até parecer, por descobrir o encanto

Do belo e canta em seu canto com harmonia e intensidade

Pelo seu dom que invade a essência do que existe

Fazendo alegre o triste e dando, ao belo, identidade.

 

 

Como vil versejador, lendo sonetos de Bocage, Florbela, e de um brasileiro pouco conhecido que reverencio, Bastos Tigre, senti-me muito pequeno e resolvi partilhar esse soneto do Tigrão com vocês para sentirem o quanto o poeta é poeta. Apontem-me defeitos de forma, concepção, ritmo, mensagem, sentimento... pois, eu não encontro. O cara teve a pachorra de intercalar versos heroicos com sáficos nos dois primeiros quartetos (isso é: versos com acentos nas sextas e décimas sílabas com versos acentuados nas quartas, oitavas e décimas sílabas). Ele foi bastante feliz nessa composição. Sintam. 

 

ENVELHECER
Autor: Bastos Tigre

 

Entra pela velhice com cuidado, 

Pé ante pé, sem provocar rumores 

Que despertem lembranças do passado,

Sonhos de glórias, ilusões de amores.

 

Do que tiveres no pomar plantado,

Apanha os frutos e recolhe as flores;

Mas lavra, ainda, e planta o teu eirado,

Que outros virão colher quando te fores.

 

Não te seja a velhice enfermidade.

Alimenta no espírito a saúde,

Luta contra as tibiezas da vontade.

 

Que a neve caia, o teu ardor não mude.

Mantém-te jovem, pouco importa a idade;

Tem cada idade a sua juventude!...


14 comentários:

  1. Ambas poesias muito lindas! E eu não sou capaz de apontar erros em poesias, pois apenas as sei sentir.Isso basta! Adorei também ler Bastos Tigre, ou o Tigrão para ti,rs
    Linda semana! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Muito belo, tudo! Gostei da poesia que nos mostra, de Bastos Tigre. Mas da sua gostei ainda mais. O amigo Laerte tem um dom grande para poetar.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Hermoso tu poema definiendo lo que es un poeta, y precioso el poema del poeta Bastos Tigre, donde le da a la vejez alas para salir de su cuerpo envejecido y tener un espíritu joven. Es muy alentador el último verso que me ha encantado: ¡Cada época tiene su propia juventud!...
    Estupendos los dos poemas.
    Un abrazo y buen día.

    ResponderExcluir
  4. Dos poemas de una gran belleza y como nos dice el primero quizás no todos podemos apreciar.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia Obra de Bastos Tigre, que aqui nos é demonstrado como um GRANDE da Poesia.
    Os sentimentos de são revelados e destacados na verdades e na beleza.
    Amei!
    Te agradeço a escolha e os destaques, Laerte


    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  6. É sem dúvida um soneto bem conseguido, da mesma forma que o texto do Laerte vale pela evidência que revela das qualidades do poeta.
    Não conhecia Bastos Tigre. Parabéns aos dois.
    Abraço de amizade.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  7. Dos poemas necesarios. El uno para recuperar la imagen del poeta, el tuyo el otro para apostolado la vejez en su dignidad. Un abrazo. Carlos

    ResponderExcluir
  8. Laerte

    Gostei muito do seu poema em que enaltece o Poeta de uma maneira sublime.
    Não conhecia Bastos Tigre mas também gostei bastante do soneto.
    Dois trabalhos poéticos de muita qualidade.
    Boa semana com muita saúde.
    Um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  9. Eu nasci sem dom poético, mas gosto de ler poesia e sinto-a.
    Acredite que gostei de ler o seu poema e o do Bastos Tigre, poeta que não conhecia.
    E gostei também, de o saber leitor de dois grandes poetas portugueses: Bocage e Florbela.
    Obrigada, meu amigo, pelos belos poemas deixados no Pétalas.
    Beijo. Muita saúde.

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito de ler os poemas, inclusive o seu. Desconhecia a obra de Bastos Tigre, gosto dos sonetos de Florbela e Bocage.
    Obrigado pelo simpático poema no meu blog.
    Continuação de boa semana

    ResponderExcluir
  11. Caro amigo Laerte,
    Poetas desse calibre só podemos venerar e ser influenciado pelos seus belos poemas. Poetas são videntes, são loucos, são apaixonados, são tristes e são alegres, conseguem ver a vida por outros ângulos.
    Parabéns pelas postagens, gostei bastante dos poemas!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Olá, Laerte!

    Gostei muito da sua "homenagem" ao Poeta!
    Também aprecio os grandes Bocage e Florbela!
    Consegui perceber e sentir o soneto do seu ídolo.

    Abraço
    Liliana
    Ideias Recicladas e... não só!

    ResponderExcluir
  13. Olá, amigo Laerte!
    Bela homenagem ao poeta. Com excelentes poemas aqui partilhados, incluindo naturalmente o teu.
    Gostei muito dessa perspectiva do poeta.
    Grato pela visita, e gentil comentário no meu cantinho.
    Votos de um feliz fim de semana, com muita saúde e paz.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir