Linguagem[+]

sexta-feira, 24 de junho de 2022

VIVA O DIA DE SÃO JOÀO E A FLORBELA ESPANCA


    Fã que sou de Florbela Espanca e devoto por sua arte em composições de sonetos, fiz uns versinhos à memória de tão extraordinária poeta na precisão de seus versos, revelando ao mundo mais um grande talento luso, consagrado e que, por outros, se vai consagrando em Camões, Bocage, Sá de Miranda, Florbela, Fernando Pessoa e tantos outros que há e que hão de vir, pois Portugal é berço e silo de profusões dos artistas da poesia. O meu lado ibérico-português cancioneiro e por ancestralidades da cidade do Porto e dos Açores buzinam ou latejam em minha memória com décimas; trovas; quadrinhas ao gosto popular; despiques; prosas poéticas portuguesas e até mesmo com músicas do folguedo folclórico tradicional português que me são evocados pela alma, jogando-me à fogueira de São João ao ouvir músicas juninas agora, em seu dia e que me fazem mais humano e saudosista. Amo Portugal e a sua cultura, da qual herdei um pouquinho e dou testemunho sem contributo por minha enorme pequenez como versejador que faz este arremedo de soneto:



FLORBELA ESPANCA
Autor: Laerte Tavares

Das belas flores foi a flor mais bela
E mais sublime, do luso jardim
Que floresceu sem ser rosa ou jasmim
Por transcendente, augusta e tão singela.

Nasceu mítica espécie sendo ela
Planta trazida por um querubim
Que veio à Terra e a transplantou assim
Segundo dogma que Deus lhe chancela.

De um sacrossanto caule fez-se a flor
Magnífica, tanto em brilho ou cor,
Que Apolo a elege como a predileta.

Mas quando a flor se fez em luz e amor,
Desceu dos céus um anjo de esplendor
E colheu Florbela, a Deus, nossa poeta.

37 comentários:

  1. Creo que no había mejor metáfora para referirla en su quehacer poético brillante desde el soneto, que este metáfora de flor. Ya la estuve buscando porque no la conocía, y me encuentro con la sorpresa de que además de poeta, fue una gran líder feminista, por no decir la precursora de esta lid, en Portugal; y además me tropecé con este soneto suyo, que define al poeta,:
    er poeta es ser más alto, es ser mayor
    De lo que son los hombres! ¡Morder como quien besa!
    ¡Es ser mendigo y dar como quien es
    Rey del Reino de Más Acá y Más allá del Dolor!

    ¡Es tener de mil deseos el esplendor
    Y no saber siquiera qué se desea!
    ¡Es tener aquí dentro un astro que flamea,
    Y tener garras y alas de cóndor!

    ¡Es tener hambre, es tener sed de Infinito!
    Por yelmo, las mañanas de oro y de satén…
    ¡Es condensar el mundo en un solo grito!

    Y es amarte, así, perdidamente…

    Un abrazo. carlos

    ResponderExcluir
  2. Olá Laerte, que linda homenagem à nossa poetisa acarinhada:) adorei mesmo, a poesia
    que tem um ritmo musical inspirado e inspirador!
    vou deixar-lhe belas imagens de uma procissão do norte
    veja que coisa linda! em Vila Mou, também é poesia, apesar do céu nublado,
    https://
    www.youtube.com/watch?v=N-3AhzFv9-0
    as procissões felizmente saem à rua este ano por todo o país,
    abraço

    ResponderExcluir
  3. Maravilhosa poesia e homenagem,Laerte!
    Adorei ler! abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Me gusta mucho tu poema el cual espero no tires a la hoguera de San Juan del próximo año.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  5. Uma bonita e merecida homenagem a Florbela Espanca através de um soneto bem inspirado.
    Abraço poético.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  6. Olá amigo Laerte
    Quão bela e peculiar esta exuberante homenagem à grande poetisa Florbela.Os meus efusivos aplausos meu amigo
    Um ótimo domingo
    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Aqui não foi festejado por causa da pandemia.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  8. O património poético português é notável.
    Mas o brasileiro não lhe fica atrás...
    A Florbela é mesmo a precisão da palavra. Os seus sonetos parecem feitos por uma deusa de sapiência infinita.
    Boa semana, caro Laerte.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Florbela Espanca reflejada en tus palabras versos emotivos y que das a tu estructura fé de vida propia al mover cada ritma entre ellos un bello conjunto y ofrecernoslo con gran lirismo , cálido homenaje que ha sido un placer leerlo ...Silo Lirico recibe un fuerte abrazo y feliz semana querido amigo . jr.

    ResponderExcluir
  10. Gratisssima pelo seu amor à cultura portuguesa!

    Também aprecio muito Florbela Espanca, de vida tão sofrida e tão fora do seu tempo.

    Parabéns pelo soneto.

    Abraço, meu amigo, boa semana.

    ResponderExcluir
  11. -
    Boa tarde Laerte
    Gostei de saber do seu amor à cultura portuguesa.
    Eu digo que também admiro e gosto da cultura do vosso País.
    Esta homenagem que fez à Florbela Espanca é muito bela e o soneto está muito bom.
    Gostei muito desta partilha.
    Desejo um boa semana com muita saúde e alegria.
    Um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  12. Meu Caro Laerte
    Além de mais "coisas", ambos nos identificamos com a Florbela de boa Memória. Também eu, desde criança, a estabeleci por Musa.
    Apreciei o gesto sublime de a trazeres aqui para que saibamos da tua comunhão Poética.
    Te agradeço e te dou os meus Parabéns por este gesto.

    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  13. Eu tambén gosto do popular e da festividade em torno ao São Joàm, que em Galiza tem parecido com Portugal tocante aos ritos, tradições, cantos...
    Issa Florbela eu não sei a qual flor se refere. Nos aquí temos as herbas de São Joam, e flores típicas dista época que se poem em portas e janelas para que não entre mal nas casas.
    Gostei do soneto.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Grane Florbela, que a todos encanta! Uma rica homenagem habita seus versos. Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Teve uma primeira infância muito complicada que a marcou para toda a vida...
    À frente do seu tempo, ousou expressar-se sem peias, ao lado dos seus pares masculinos e, por isso, foi desprezada. Os senhores católicos da ditadura, falsos e hipócritas, quiseram apagá-la da história da literatura portuguesa. Foi salva por poetas, homens cultos, modernistas conceituados e de fortes convicções.
    A sua vida nunca foi um mar de rosas...
    Também apreciadora de sonetos, fico orgulhosa desta homenagem.
    Em despedida, deixo-lhe, um abraço de amizade.
    ~~~~~~~

    ResponderExcluir
  16. Bom dia de toda paz, amigo Siro!
    Venho agradecer pelos belos comentários Poéticos e lhe dizer que você está Aqui:
    https://flordocampo3.blogspot.com/2022/07/flores-virtuais.html
    Tenha um dia abençoado!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  17. Renovada gratidão por um sentimento comum exposto de forma singular.
    Obrigado, Amigo Laerte.

    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  18. Oi, Laerte, vim aqui agradecer o seu poema na minha postagem sobre o haicai. Vi aqui ao lado que você tem um livro de haicais.
    E que postagem interessante sobre essa poeta portuguesa de quem gosto bastante, mas ultimamente nem tenho lido. São tantos autores para ler, tanta coisa para escrever, que não dá para ler todos os escritores. Um grande abraço e apareça.

    ResponderExcluir
  19. Simplesmente maravilhoso este soneto a Florbela, de quem sou fã sem a mínima dúvida.
    Lê-la, ouvi-la declamada pela voz de João Villaret, ou cantada, por exemplo por Isabel de Noronha... é sempre um elevar de alma!
    Obrigada pela partilha. Adorei!!!

    Uma semana feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  20. Quero aproveitar este espaço para dar os parabéns ao amigo Laerte pela espontânea e profunda resposta-comentário ao poema Memórias de Isadora, no blog da Graça Pires.
    Abraço de amizade.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  21. Adoro a poesia de Florbela Espanca...e a sua não é menos bela! Obrigado por seu carinho em nosso blog. P.S.: Bíndi é menina, Ghost é menino, mas a inspiração nos leva a sonhar alto com um mundo onde podemos vivenciar os sentimentos uns dos outros...Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Caro Laerte
    Creio já ter passado por aqui e ter comentado este seu lindo post.
    Mas o meu comentário pode não ter entrado, tendo em conta os problemas que a plataforma está a ter.
    Gostei muito da sua referência às festas de São João que por cá
    também se comemoram com festa rija, no Porto, especialmente.
    Florbela Espanca é grande no seu lirismo e enfrentou o seu tempo
    com coragem. O poema que lhe dedica é belíssimo, Fiquei encantada com a sua leitura.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  23. Uma saudação amiga. Um abraço fraterno, Laerte.
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  24. Uma merecida homenagem a Florbela Espanca, mulher desconcertante, inteligente, e muito à frente do seu tempo, que escrevia com paixão avassaladora.
    O poema é belo.
    Brisas doces **

    ResponderExcluir
  25. Maravilhoso poema, que tão bem traduziu toda a sensibilidade e profundidade emocional do fascinante universo poético de Florbela!
    Grande homenagem, a Florbela... e à cultura portuguesa, Laerte!
    Um grande abraço! Votos de uma feliz e inspirada semana, com saúde, para si e todos os seus! Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  26. Ola´Silo. Que maravilha são suas postagens ! Seu versar tem grandes e extensas raízes meu amigo. Parabéns! Deixo aqui meu soneto preferido de autoria da Florbela espanca.
    "Fanatismo"

    Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
    Meus olhos andam cegos de te ver!
    Não és sequer razão de meu viver,
    Pois que tu és já toda a minha vida!

    Não vejo nada assim enlouquecida...
    Passo no mundo, meu Amor, a ler
    No misterioso livro do teu ser
    A mesma história tantas vezes lida!

    Tudo no mundo é frágil, tudo passa...
    Quando me dizem isto, toda a graça
    Duma boca divina fala em mim!

    E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
    "Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
    Que tu és como Deus: princípio e fim!..."
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  27. Laerte, agradeço os votos de boas férias que me desejou no início de julho e convido-o a colaborar na minha atual celebração da Amizade.
    O meu abraço cordial.
    ~~~~~~~

    ResponderExcluir
  28. Olá, Laerte, que linda homenagem! A poesia de Florbela sempre me tocou bastante, pelo seu sofrimento, pela sua sensibilidade, pela sua tristeza. É uma de minhas poetisas preferidas pela beleza de seus versos e por ter deixado tantas verdades suas.
    E que lindo ficou teu poema!
    Aplausos, sempre!
    Uma feliz semana junto aos teus queridos.
    Abraços e beijos a todos.

    ResponderExcluir
  29. Costumo chama-la de Fernando Pessoa de saias, meus preferidos da lusitana e universal poesia. Dois Clássicos e São João, dispensa apresentação. Boa noite, meu amigo.

    ResponderExcluir
  30. Boa noite Laerte
    Muito obrigada por amar Portugal e a sua cultura.
    Magnífico o seu poema sobre Florbela Espanca.
    Ela foi e continua a ser Enorme.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  31. Que lindíssima homenagem fez aqui em seu poema, amigo Laerte, tens um dom que admiro demais, sempre fizestes e faz comentários em versos rimados e sensíveis, a alma fala e quando se consegue ouvir e tornar isso em lindos poemas se pode dizer que tens também o mesmo valor dos que admiras!
    Parabéns e que alegria ter você como meu amigo virtual, pois aqui sempre tenho imenso prazer de te ler!
    Florbela Espanca, imortal!
    Abraços apertados sempre, com agradecimento pelo carinho de sua sempre amável visita em meu espaço!

    ResponderExcluir
  32. Realmente uma linda homenagem, uma feliz lembrança. Florbela é magnífica, fez das suas dores, mágoas, decepções e afeto , uma poesia intensa.. Parabéns pelo seu poema..

    ResponderExcluir
  33. Silo Lirico es mi deseo invitarte al otro blog de Aula De paz , dónde en cinco partes expreso un resumen de mi labor en la sociedad , esperando sea de tu agrado ,recibe un fuerte abrazo querido amigo .jr.

    ResponderExcluir
  34. Caro amigo Laerte, como não concordar contigo sobre os grandes poetas portugueses, que mencionas?
    Ainda hoje, tive a oportunidade de ver e ouvir Lauro Moreira declamar o excelente poema "Tabacaria", do maior poeta da língua portuguesa do século XX, Fernando Pessoa.
    Por outro lado não posso esquecer do talento da poeta Florbela Espanca, bem como de sua trágica vida ( suicidou-se no dia 8 de dezembro quando completou 36 anos de idade).
    Bela homenagem, amigo!
    Grande abraço e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  35. Florbela, onde quer que esteja, ficou lisonjeada e feliz com tão bela homenagem, assim como todos nós que a admiramos para todo o sempre!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  36. Aproveitando que passei por aqui, espreitando se alguma novidade recentemente se me teria escapado, deixo um grande abraço e votos de continuação de um excelente mês de Agosto!
    Ana

    ResponderExcluir