Linguagem[+]

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

ÁTILA ALCIDES RAMOS - O ARTISTA


Este espaço literário está no momento, a guinar em direção à cultura da Ilha d’ídílios, por oportunidade dos ventos favoráveis a tantos interesses de resgates da nossa rica História. Referi-me ao Rodigo de Haro e ora referir-me-ei a outro grande artista de nossa terra, o engenheiro e historiador ilhéu Átila Alcides Ramos, meu amigo fraterno, que além do mais, é pintor. Átila estuda quatro vertentes específicas da história da Ilha de Santa Catarina – Cinema, Saneamento Básico, Carnaval e Vida Marinheira dos Habitantes.
Em seu livro CINEMA DE FLORIANÓPOLIS, narra que no dia 28 de dezembro 1895, no Salon des Indiens do Grand Café, no Boulevard des Capucines, em Paris, acontecia a primeira apresentação pública oficial do cinematógrafo. E na Ilha de Santa Catarina em 21 de julho de 1900 houve a primeira apresentação dessa arte (da internet à caravela há distância...) e em 1908 inauguram o primeiro cine com exibição de Figarot da ópera de Rossini O Barbeiro de Sevilha. Após isso o cinematógrafo torna-se familiar na Capital Catarinense.
Ora decorreremos sobre vocação marítima da Ilha e o seu desenvolvimento  pela navegação, pois “quem puxa aos seus não degenera” – dizia minha mãe que “nasceu analfabeta”, e se alfabetizou. E assim a ilha dos silvícolas marinheiros que ganhou o reforço dos marujos portugueses não poderia ter destino mais glorioso que o mar e portos de grandes e famosos navegadores antigos.
Ao empreendedorismo moderno, recebemos o sangue alemão de  Brandemburgo, na pessoa de Carl Franz Albert Hoepcke que chegou a Blumenau 1863, e evoluindo comercial e economicamente se estabeleceu em Florianópolis onde constituiu um império terrestre e marítimo. Quando o mundo começou a usar a máquina a vapor, nossa ilha também a usava nos navios do senhor Hoepcke que armou uma extraordinária frota de navios mercantes e de passageiros.
Átila reproduziu essas embarcações em acrílico sobre tela e os descreve com maestria, cujas fotografias das obras que os representam, aqui postamos para ilustrar o quanto esta ilha sempre foi pujante.
E para não afastarmos o lado literário, vai aqui um pequeno poema: 

MAR D’IDÍLIOS 

Tu que nasceste no mar,
Oh ilha, és marinheira,
Mas lembra: estás à beira
Do continente, o teu lar!

A terra foi teu lugar
De construção – na carreira
Do estaleiro, à maneira   
Destinada a navegar.

E sendo de almas iguais
Teus povos; com ideais
Afins à navegação,

Silvícolas e portugueses
Fizeram o mar, muitas vezes,
De pátria, pois dele, são.

LIVRO DO ARTISTA ÁTILA

ÁTILA RAMOS - NAVIO CARL HOEPCKE  

ÁTILA RAMOS - NAVIO ANA - NA CARREIRA DO ESTALEIRO ARATACA 

ÁTILA RAMOS - NAVIO ANA - NA CARREIRA DO ESTALEIRO ARATACA

ÁTILA RAMOS -
NAVIO META SINGRANDO EM PARANAGUÁ - PARANÁ

ÁTILA RAMOS - NAVIO MAX - EM LAGUNA / SANTA CATARINA

FOTO DO CAIS E ESTALEIRO ARATACA DE PROPRIEDADE DA HOEPCKE 

FOTO DE CARL FRANNZ ALBERT HOEPCKE  

FOTO DO NAVIO CARL HOEPCKE  

 EIS O ARTISTA - ÁTILA  RAMOS

Átila Ramos junto a pintura de sua autoria. Foto de CrissMelo


45 comentários:


  1. Tão lindas, as fotos e o poema, até traduzidos pelo Google! 😊


    ResponderExcluir
  2. Uma postagem de luxo!
    Uma resenha histórica excelente, um soneto glorificante
    e fotos de belas pinturas documentativas.
    Todo o esplendor a Santa Catarina!
    Ótima homenagem, Laerte.
    O meu abraço
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  3. Tudo lindo e vale sempre resgatar essas imagens e mnomentos,abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Olá Laerte,
    Mais uma vez brinda-nos com esta dose de cultura, ao mais alto nível.
    Magnífico pintor!
    Um pequeno poema, enorme em sabedoria, parabéns, adorei!!!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Laerte. que bela homenagem, bem sentida e com espírito poético como é habitual nas suas publicações ! vou ver com mais pormenores todas essa historia da navegação de Santa Catarina,
    navegar, navegar ..
    https://www.youtube.com/watch?v=2GmZPtd3ylo&list=RD2GmZPtd3ylo&start_radio=1&t=18&t=18

    encontrei que o barão ou visconde de Mauá era dessa região do sul! Irineu Evangelista de Sousa, Visconde de Mauá, foi um comerciante, armador, industrial e banqueiro brasileiro. Ao longo de sua vida foi merecedor, por contribuição à industrialização do Brasil no período do Império, dos títulos nobiliárquicos primeiro de barão e depois de Visconde de Mauá. Wikipédia
    sua família mudou-se dos Açores para o sul do Brasil para criar animais no século XVIII :)

    ResponderExcluir
  6. É sempre enriquecedor conhecer artistas que nos são estranhos.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia o artista, mas gostei das suas pinturas! :) Também adorei ler esse belo poema. :)
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  8. Caro Laerte

    Tenho a agradecer-lhe o facto de nos dar a conhecer as influências que marcaram Santa Catarina e que tão as soube aproveitar, inserindo-as no precioso leque da sua cultura.

    Com efeito, estive a ler e a admirar a arte de Átila Ramos, além de Engenheiro e Historiador, todo o percurso do Cinematógrafo desde Paris até Santa Catarina, do senhor Hoepcke, o empreendedorismo, a evolução comercial e económico, dele recebido.

    E o seu poema, homenageando a Ilha D'Idílios.

    Gostei muito, Laerte.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  9. Oi Silo
    Obrigada pelo carinho da sua visita.
    O meu garoto é adotivo, estava quase morto e eu e minha cunhada quase morremos para salvá-lo
    Hoje é um homenzarrão carismático pela mulheres e carinhoso comigo e seu 2º pai, pois o primeiro morreu e eu levando numa corrida espantoso para um grande o Hospital e disse pra mim: não judie do meu menino.
    Tinha dois anos quando seu pai morreu.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  10. Eu não digo que estamos sempre a aprender??!!
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  11. Oi Laerte! Quanto de vida há em uma ilha, lindas telas de navios, ilustrações, fotos...devem ser preservadas e valorizadas.
    O poema também é lindo!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Siempre es bueno recordar los logros del pasado.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  13. Revelar os valores culturais de uma região é sempre uma atitude louvável, já que dá oportunidade aos seus leitores de os conhecerem.
    E o Átila Ramos, pelo que vi e li, merece o destaque.
    Caro Laerte, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Coisa boa falar sobre a cultura e resgatá-la da forma com estás fazendo! Isso mantém a arte e as histórias vivas!

    Quanto ao poema! Que delicadeza de versos!
    Traga mais histórias para nós! Está lindo demais! =)

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde., Adorei esta publicação. Muito enriquecedora :))

    Do nosso Poeta - Gil António-:-Luz de amor e vida

    Bjos
    Votos de uma óptima Sexta- Feira :))

    ResponderExcluir
  16. Aqui estamos sempre a aprender.
    Adorei as pinturas de Átila Ramos e o seu belo soneto.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  17. Belo registo de um verdadeiro ARTISTA (com letra grande).
    A marca de Átila Ramos ficará por memória perpétua.
    Obrigado pelo desvendares este pedaço de História.


    Abraço
    SOL

    ResponderExcluir
  18. Um post bastante cultural. Gostei de ver as fotos... Um poema muito bonito!
    Bom domingo e boa semana...
    Abç

    ResponderExcluir
  19. Adorei a reportagem cultural. Lindas pinturas de Ávila Ramos. Obrigado por mais uma lição de história
    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Obrigado, linda poesia dedicada ao meu bule dedal.
    Abraço, uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  21. Tenho uma sedução enorme pelas tradições e pela cultura brasileira do princípio do século XX, pós-independência.
    O seu blogue é um manancial!
    Linda a poesia.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  22. A cultura de um povo permanece através de resgates históricos ,somso um país de dimensões continentais e como é rica e vasta a cultura de cada estado com suas peculiaridades e seus personagens ilustre! Linda a elegia poética . OBRIGADA , pela visita e comentários la no Blog.

    ResponderExcluir
  23. Muito interessante, mais esta pincelada histórica atinente a Santa Catarina e aos homens que lhe deram estatuto e papel, como é o caso de Átila Ramos.
    Um abraço, amigo Laerte, e boa semana.

    ResponderExcluir

  24. Laerte, com desculpas pelo atraso, venho agradecer o lindo poema que deixou no meu blogue! gostei muito :)
    tenho andado ocupada a ajudar os meninos da família com a matéria dos testes, mas não esqueço os amigos da internet que também existem e onde o longe se faz perto!!!
    um grande abraço, boa semana,
    Angela

    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Oi Laerte
    Adoro Floripa, já fui passar férias três vezes lá.
    Povo bonito, culto e trabalhador.
    Tenho muitas fotos de lá.
    Aconteceu algo lá: Sou morena e adotei com dez dias um bebê que estava quase morto, entrei no restaurante com meu garoto, todos ficaram encantado com a beleza do menino, pele escura não negra, mas quase, olhos verdes: ficaram olhando tanto pra ele que fiquei até com medo, tiraram fotos. Hoje alto é o terror das mulheres, economista, contabilista e meu herdeiro e um amor de filho beijoqueiro.
    No face tem fotos dele quando pequenino nas escolinha de Santo André(nas festinhas).
    Fiquei viúva ele era pequeno e quando ele completou 9 anos ganhou outro pai e eu um ótimo marido.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  26. Um artista que não conhecia.

    Bom fim de semana!

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderExcluir
  27. Bom dia Laerte

    Que beleza de post. Sou f´ardorosa de Floripa e principalmente de BBalneário Camboriú onde sempre vou visitr as amigas, a Dorli tem azão , povo bonito , educado e acolhedor.
    Amei as telas das embarcações, não conhecia sobre o artista, vbelo trabalho.

    Agradeço a linda poesia deixada em meu blog, posso postar como interação? Amei e amo seus poemas, sou fã de carteirinha.

    Bom fini com as graças do pai.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  28. Grandiosa a tua descrição da Terra e do Homem.
    O "tal Santos Oliveira" te honra com a admiração que o SOL da Esteva te vota pela excelência dos teus Sonetos oportunos e apropriados que deixaste lá no Sítio.

    Abraço
    SOL

    ResponderExcluir
  29. Meu querido amigo
    É com enorme orgulho que o tenho entre os meus seguidores.O comentário que me deixa é sempre de uma enorme beleza poética: bem haja.
    Hoje gostei particularmente dos seus textos, pois além de nos brindar com a sua poesia, deu-me a conhecer alguém. Estou sempre a aprender com o meu amigo.
    Bom fim de semana.
    Um grande abraço
    Beatriz

    ResponderExcluir
  30. Gosto muito de conhecer a história e de saber essas curiosidades acerca desta ilha que parece ser maravilhosa!

    Um beijinho dos Açores

    ResponderExcluir
  31. Notável homenagem a um artista que eu desconhecia!
    Adorei ficar um pouco mais por dentro da sua obra, graças a esta sua belíssima publicação, Laerte!
    É sempre profundamente enriquecedor passar por aqui!...
    Um grande abraço! Votos de um feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  32. Um excelente artigo e uma bela homenagem meu amigo a um artista que desconhecia.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  33. Bela postagem e homenagem. Parabéns. Um noite maravilhosa

    ResponderExcluir
  34. Queria muito saber escrever versos, como não sei venho ler os seus.

    ResponderExcluir
  35. gostei das fotos

    https://juliamodelodemodelo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  36. Despois de moito tempo que non entraba no seu blog, fagoo agora e sorpréndeme con este post tan interesante e o poema que nos lembra a historia das orixes deses lugares que eu frecuentei unha vez, Florianápolis, Santa Catarina.... Moitos parabems.

    ResponderExcluir
  37. Agradezer sua visita e reler o seu post para comprehende melhor. Gosto das pinturas das embarcacions e de tudo canto aconteceu na ilha. Un saudo ao Val Europeo que tive a sorte de visitar.

    ResponderExcluir
  38. O meu caro amigo Laerte, poeta e membro da Academia Catarinense de Letras, cumpre à risca o seu papel de divulgador da cultura do Estado de Santa Catarina, além do tempo que dedica à escrita de seus poemas, poeta de talento que é, como se vê nestes versos, que integram esta postagem, MAR D’IDÍLIOS:

    “Tu que nasceste no mar,
    Oh ilha, és marinheira,
    Mas lembra: estás à beira
    Do continente, o teu lar!”

    Não conhecia, Laerte, o pintor catarinense Átila Ramos, que é por ti homenageado nesta edição. Pelo que li, o livro escrito por Átila Ramos deve ser de grande valor artístico e cultural, já que escreve sobre Florianópolis (e no seu segundo livro, como tu diz, Átila escreve sobre o cinema, mais uma arte sobre a Ilha).
    Parabéns pelo teu excelente trabalho, meu amigo Laerte.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  39. Olá, Laerte, belíssima essas Marinhas do artista Átila Ramos. Teu amor à terra, a essa maravilhosa ilha exposta com frequência em tuas postagens, onde trazes sua gente, seus escritores, seus livros, pintores, eventos mostrando a dimensão da cultura de Florianópolis, é ótimo. Gostei muito do texto e sensibilidade do poema.
    Grande abraço, um bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  40. Como já fiz o meu comentário nesta tua postagem, caro amigo Laerte, volto para dizer que deixei uma resposta ao teu comentário na minha postagem (“Desencanto”), onde deixei também o meu agradecimento pelo teu poema/comentário.
    Um bom domingo para toda a família, amigo Laerte.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  41. Olá, Laerte!

    Você é tão orgulhoso e "vaidoso" com sua amada ilha de Santa Catarina! E é bom ser, desse jeito, meu amigo!

    Uma breve resenha história com imensa qualidade da Ilha dos Silvícolas, não esquecendo os Portugueses e até os alemães. Aqui, tudo tem encanto, forte génese e grandiosidade.

    Interessantes pinturas de Átila Ramos. Gostei, especialmente, da última da lista, onde se encontra o cinema Odeon. Esse cinema existiu tb em Portugal no tempo de meus pais e creio que foi demolido já eu era crescidinha.

    O soneto, como sempre, fala dos seus sentimentos por sua Ilha. Gostei mto de ler.

    Um mega post. Parabéns!

    Abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir