Linguagem[+]

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

PROVA DE VIDA...

web 

Recebo uma pequena importância numerária da previdência social pública, tendo ela por lei, descontado de meus salários quando em atividade em empresa pública que me contratou como engenheiro logo que me formei. E não poderia recolher menos que certo percentual sobre o valor de vinte salários mínimos vigentes à época. O tempo passou, as coisas mudaram e percebo muitíssimo menos do que a promessa com base em vinte salários. Mas no segundo ano decorrido de minha aposentadoria houve uns meses que não me pagaram. Procurei saber o porquê e fui informado que eu não havia feito a PROVA DE VIDA e portanto me cortaram. Pensei: me deram por morto. Preenchi formulário, dois meses depois vieram os atrasados e aprendi a lição: todos os anos tenho que dar prova de estar vivo. E para não deixar passar o prazo, recomendaram-me que o fizesse no mês de meu aniversário.
Como sou leonino, acabei de chegar da instituição financeira que me paga, provando que estou vivo. Pensei: tenho um poema sobre o incerto, a incerteza, a inexorabilidade do tempo ou o fim da corrente de um rio que ante o mar se apavora. Vou postar isso no meu blog literário e o faço, pois: 


VELHICE
Autor: Laerte Tavares

Lembro que um dia alguém disse
Sendo, eu, ainda menino
Ingênuo e com pouco tino,
Que era uma “eme”, a velhice.
Hoje, eu velho, a rabugice
Faz-me ver bem ao contrário!
Velhice é o sedentário
Estágio do rio corrente
Que somos e quando, à frente,
Forma um grande estuário.

O mar, para o rio é a morte,
Mas o estuário é a largura
Maior de sua estrutura
A dar-lhe um enorme porte
Espraiado, intenso e forte,
No estágio em que teme o mar.
E assim, dá de comparar
O rio, com a vida da gente:
Estuamos de repente
Vendo o fim se aproximar.

Então, o homem maduro
Torna-se equilibrado
Por ter um enorme passado,
Um presente mais seguro
E um insondável futuro
Que dá medo do porvir
E faz ele refletir 
Diante de um fim incerto
Comparado ao mar aberto
Prenunciando o engolir.  

Sou velho, mas bem vivido
E preso a profundos laços,
Eu me extravaso em abraços
Dando à vida mais sentido
A mim e ao ente querido
Que eu abrace com calor
Por qualquer razão que for.
Isso faz a criatura
Sentir na alma mais ternura
E no coração mais amor. 

Quando eu for lançado ao mar,
Daí sim: será a “eme”!
Não sei se eu terei leme,
Bússola, sonda ou sonar,
Âncora para ancorar,
Nem se sextante e timão
Em minhas mãos estarão
Ou singrarei a deriva
Em embarcação primitiva
Sem remo e sem guarnição. 

Ao mar? Só depois de morto.
Onde eu me farei às velas?
Em águas calmas, procelas?
Singrarei em rumo torto?
Chegarei em algum porto?
Encontrarei a concórdia 
Ou abalroarei à mixórdia?
Só sei que o cais de atracada
Será um cais onde há o nada
Ou o cais da misericórdia!

Na vida, há rumo, há um norte!
Porém, eu, depois de morto
Não saberei em que porto
A minha nau de transporte
Levar-me-á pós a morte!
Por isso, em vida eu bem vivo!
Velho, mas tenho motivo
Para viver bem feliz:
Achei o amor que me quis
E o amor é o meu lenitivo! 

45 comentários:

  1. Essa tal de prova de vida é um saco! E a contribuição sobre 20 salários que depois na hora H vira uma merreca. Isso sim é uma "eme",rs...Poesia linda, muito linda e verdadeira...Enquanto estivermos dispostos, de bem com a vida, estamos bem! Depois é depois! abraoçs,chica

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente, a prova de vida é necessária em um país no qual algumas pessoas são tão "espertas..." Mas valeu pelo poema, que ficou muito bacana!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Laerte, pois é, a 'Prova Viva' de não estarmos mortos! Que coisa...mas, emfim, eles têm seus motivos, somos um povo muito 'criativo'...e uns pagam pelos outros.
    Mas esse assunto para uma coisa valeu: o poema ficou belíssimo, triste sim, mas na tristeza há muita beleza, as emoções nos tocam muito, vai profundo. Mas, mesmo assim o otimismo aí está em alta!! Gostei!
    Grande abraço, Laerte, uma boa semana.

    ResponderExcluir
  4. Essa prova de vida, que existe em Macau e em Portugal, apesar de necessária e compreensível, é profundamente ridícula.
    Olá, era só para dizer que estou vivo :)))))
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  5. Caro Silo, che bello questo tuo racconto, qui abbiamo imparato a conoscerti meglio.
    Per finire poi, la bellissima poesia che la ho letta con molto piacere.
    Ciao e buon ferragosto con un forte abbraccio e un sorriso:-)
    Tomaso

    ResponderExcluir
  6. Recebo uma pequena importância numerária da previdência social pública...
    Olá, Laerte
    também recebo uma miséria...injusta
    mas, não preciso de fazer "Prova de Vida"

    O problema é sempre o mesmo, uns mais espertos abusam
    e depois...
    uns pagam pelos outros.

    Obrigada pela partilha do seu belíssimo poema

    Como é leonino, está de Parabéns!
    Feliz aniversário.

    mando-lhe os links de 2 blogues que têm artigos recentes,
    é só clicar e ir ver:
    já tinha experimentado há 5 anos, em Agosto de 2014, alugar um "TeePee" neste Parque de Campismo, onde todos os anos, o filho e netos vão acampar e conviver com amigos!
    Este ano pensei nisso em Maio e fiz logo a reserva de 2 noites para Agosto...

    http://meusmomentosimples.blogspot.com/

    http://tempolivremundo.blogspot.com/

    Abracinho da Tulipa

    ResponderExcluir
  7. Pois! A dita "prova de vida", é por assim dizer um mal necessário, face à maldosa esperteza dalguns que, caso contrário, ficariam a receber indevida e indefinidamente o pertencente a outros, já não existentes _ enfim coisas humanas e por isso não raro absurdas! ;-)
    Quanto ao poema, é fantástico, a meu ver e sentir é necessário ser-se suficiente conhecedor de marinhagem, necessariamente de literatura e em resumo da própria vida, sem esquecer o talento natural.
    Com votos de parabéns e duma excelente Sexta-feira
    Abraço
    VB

    ResponderExcluir
  8. Eis aí, meu amigo Laerte, uma excelente postagem, na qual inicias contando o que a Previdência Social fez contigo após a aposentadoria: os vinte salários-mínimos reduzidos e a necessidade de provar que estás vivo, sem o que nada receberás.
    Mas tudo o que contas aí no teu texto é também a preparação do leitor para o poema que a seguir vem, com o título Velhice. Aqui o poeta se desdobra com o canto da vida e do que após ela virá, sendo que na verdade o poeta não sabe muito dessa fase após a vida. Vê-se que não há trégua, em razão da velhice, a vida espraia-se diante dele, que no final conta o seu segredo: O AMOR. Sim, o poeta não está só, tem o seu amor, a sua razão de viver, não importa em que idade.
    Gostei muito do teu poema, Laerte. Desnecessário falar mais, pois a beleza está no poema, não no meu comentário. Parabéns!
    Meu grande abraço, Laerte. Pedro

    ResponderExcluir
  9. Que lindeza de poema a tal prova de vida o inspirou, amigo, Laerte, maravilhoso!!
    Com tanta tecnologia é ridículo a prova presencial, é muito sofrimento para muitos, poucos idosos não tem limitações físicas, minha vó faleceu com 103 e muitas vezes foi desumano, mesmo tendo procuradora, precisava levá-la p renovar a procuração no cartório...Em tempos que se faz live até do banho do pet, não poderia fazer essa prova por vídeo ao vivo?!

    Velhice...Velhice é muito subjetivo e TOTALMENTE pessoal, cada um tem suas rugas e risos para ser/sentir-se mais ou menos jovens. Conheço velhos jovens e jovens muito velhos.
    Eu, aos 57 sinto-me uma anciã fisicamente e uma menina de alma.
    Adorei o post e reflexão, abração!

    ResponderExcluir
  10. Vim agradecer a linda poesia deic=xada lá! Adorei! Obrigadão! Ótima semana,abraços, chica

    ResponderExcluir
  11. Cuánto hay de filosófico y existencial en estos versos, que tienen de vida y de muerte, más de preguntas la última, y de certezas la primera. Infiero, que hay que vivir la que llamo vejentud. Cuánto sentimos que no hemos pasado en balde la existencia. Un abrazo. Carlos

    ResponderExcluir
  12. Bom dia...
    Hoje, de uma forma mais rápida, de maneira a chegar a todos. Espero a compreensão de todos. Cheguei com:- Entregas-me uma rosa num ávido beijo. {Poetizando e Encantando}

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda-Feira.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia amigo.
    Muito bom conhecer um blog daqui da nossa ilha.
    Abraços e sucesso

    ResponderExcluir
  14. Tempos virão em que a segurança social e a ADSE tornar-se-ão insustentáveis e absurdamente injustaa para quem ainda está no activo.

    Um Abraço

    ResponderExcluir
  15. Oi Laerte, td bem?
    Que belo texto, meus parabéns! Precisamos falar sobre a velhice, principalmente em tempos de reforma da previdência!
    Abs

    ResponderExcluir
  16. Vivo e bem vivo, meu amigo poeta.
    Abraço

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Laerte,
    Muito obrigada pelo lindo poema que deixou no meu blogue. Um imenso privilégio.
    Muito injusto o que fizeram e estão fazendo com você, pagando abaixo do valor previsto e tendo de fazer prova de vida. Difícil entender!
    Terminou com um belíssimo poema.
    Na verdade, na vida, o mais importante é mesmo o Amor. Ele prevalece acima de tudo.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderExcluir
  18. 0 importante é estar vivo e vontade de viver com alegria e saúde, escrever belos poemas como este que me deliciei a ler.
    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Que aventura rs...
    Aqui no Brasil só Deus sabe como ficará a questão de aposentadoria, tem gente morta recebendo e vivo sem ver um centavo. Vai entender rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  20. Pagar impostos anualmente... já deveria ser prova de vida suficiente...
    Enfim... enchem-nos de burocracias... creio... para ver se nos matam... esta é a minha teoria, muito particular...
    Belíssima poesia, Laerte, que expressa muitíssimo bem, o que lhe vai na alma, em termos da previdência daí... com um "eme" bem grande... :-)) bem no género, ao que temos também por aqui...
    Beijinho! Até breve!
    Ana

    ResponderExcluir
  21. Caro Laerte

    Texto e Poema a dizer, e muito bem, das contingências da vida, que exige "Prova de Vida" para se provar que não se está morto, quando há mil e uma maneiras, hoje em dia, de isso ser tão claro como água.

    Tanta tecnologia para quê? Por cá também a "velhice" incomoda e com a esperança de vida a aumentar, ela incomoda ainda mais...

    O seu Poema é um Hino à Vida e enquanto estamos vivos é vivê-la em pleno, com os nossos entes queridos e amigos à nossa volta.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  22. Laerte,
    Adoro essa alegria de
    constatar que a poesia
    está sempre junto a nós
    em todas as situações.
    Mas em fim se temos que
    provar estar vivos
    que seja com poesia,
    não é mesmo?
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir

  23. Olá Laerte, passando e saboreando o poema repleto de experiência vivida ! assim mesmo para os outros temos de fazer prova de vida, para nós será prova de amor, porque isso diz tudo, e aqui está tudo dito :
    "...Por isso, em vida eu bem vivo!
    Velho, mas tenho motivo
    Para viver bem feliz:
    Achei o amor que me quis
    E o amor é o meu lenitivo!"

    nem mais, assim me pareceu que foi dito por F Pessoa/
    [Quando vier a primavera,], Alberto Caeiro - Pedro Lamares
    a realidade não precisa de nós !
    https://www.youtube.com/watch?v=ZNWEmKLLFWA&t=35s
    e onde o Tejo se afunda no mar:
    https://www.youtube.com/watch?v=qhTEoBDErqQ
    abraço grande
    Angela

    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Olá, Laerte!
    Muito curiosa, esta sua publicação; repleta de imagens tão subtis quanto fortes, prenhes de alcance filosófico.
    Um abraço e um tranquilo fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  25. Oi, amigo!

    Não sei responder ao seu completo e magnífico post com poema, soneto ou não, como você faz com seus amigos comentaristas, mas sei lhe dizer k você escreve mto bem e encadeia suas ideia, magnificamente.

    Gostei mto de teus versos, pke estão repletos de positividade. Velho, que nada! Tem o amor como âncora e lenitivo. Então, de k mais precisa você?

    Na 6ª linha do seu texto inicial, você escreveu percebo. É percebo ou recebo?

    Prova de vida é fundamental. Eu acho k em Portugal, os aposentados tb têm ou tinham de fazer.

    Abraços e felizes dais.

    ResponderExcluir
  26. Muito bacana.
    Mas o rio talvez nao morra no mar, se integra a sua grandiosidade.
    Um abraço meu amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado amigo Volney,
      Se o rio não morre no mar,
      Então tens que concordar
      Que após à morte eu irei

      Para um mar em que a lei,
      Tal ao teu rio, me integrar
      A algum estranho lugar,
      Cujo “o que seja”, eu não sei.

      Por isso, o questionamento:
      Se às velas, por qual vento?
      Ou singrarei à deriva...

      Atracarei em cais bento
      Ou infernal? Ou assento
      Em nada ou em luz cativa?

      Excluir
  27. É bem mais fácil seguir a caminhada da vida com amor no coração.
    Um poema espectacular.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  28. Hola
    muito obrigado pela sua contribuição e visão
    seus ingressos são sempre lindos e interessantes


    Besos

    ResponderExcluir
  29. Laerte,
    O poema é muito bom, mas, a tal "Prova de Vida" no meu ponto de vista é um desrespeito para com os idosos. O governo deveria encontrar uma outra maneira de se comprovar isso.
    Sou Rotariano e meu clube do Rotary encaminhou uma proposta sugestiva - em (março/2019), a Secretaria de Previdência/Ministério da Economia, para que os recenseadores do IBGE fizessem um levantamento dos idosos junto ao INSS e os próprios recenseadores do IBGE passariam a ir a casa dos idosos (pelo menos daqueles que ficaram comprovados na pesquisa), estarem acamados e/ou sem condições motoras de se direcionarem a uma agência bancária, para fazer a tal "Prova de Vida", que no Brasil, por muitas vezes se torna então e somente em "prova de sobrevivência".

    Não vou me alongar mais sobre esse assunto, pois, me revolta muito o descaso com que os idosos são tratados no Brasil. Tive o prazer de residir alguns anos no Japão e lá, os idosos são tratados com dignidade. Empresas contratam funcionários seniores para cargos de consultores (e não fazem isso por caridade) e sim, por acreditarem no potencial das opiniões contidas na existência de sabedoria de cada um deles.

    Obrigado pela visita ao DOUG BLOG.
    Um forte abraço!
    Até a próxima, pois, estou seguindo o blog do amigo!!!

    ResponderExcluir
  30. A prova de vida em Portugal foi extinta há mais de 20 anos (com as novas tecnologias creio que recorrem a processos automáticos de verificação). Apenas se mantém para quem tem pensões provenientes de outro país.
    O seu poema, muito a propósito, é excelente. Gostei imenso, parabéns.
    Caro Laerte, uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  31. Olá amigo Laerte, tudo bem?
    Estou visitando os blogs dos amigos pra ver as atualizações e deixar comentários. Assim que possível passe no meu blog, tem post novo.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  32. Caro Laerte, agradeço sua visita.
    Em poesia não pequena, tão comum nos blogs, discorre sobre a idade. Gosto disso, e posso dizer que tem minha aprovação, embora isso não seja absolutamente necessário. Tem meu aplauso. Tem minha solidariedade com o que foi dito. E o meu aval; não sou novo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  33. Caro Laerte, passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu magnífico poema.
    Tenha uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  34. Como um tema que nos machuca e mói pode dar um poema fantástico! É de vida que se trata, nosso bem maior.

    Parabéns, amigo Laerte.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  35. Um poema forte sobre a idade e como a velhice é tratada....
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  36. Ja estou te seguindo.
    Obrigada por sua visita.

    juliamodelodemodelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  37. Passei para ver as novidades e não para fazer prova de vida... rsrsrs...
    Caro amigo Laerte, tenha um bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  38. Querido Laerte, aqui em Portugal acabou essa exigência, felizmente, pois haverá com certeza outras fomas de se certificarem que as aposentadorias vão para a pessoa certa. Há idosos que têm muitas dificuldades e ter de se deslocar para fazer a tal prova acarreta esforço, não só fisico, mas também financeiro, pois muitos teriam de pagar transporte para essa deslocação. Gostei muito do poema a propósito desse assunto e achei muito engraçado o texto sobre o " caviar brasileiro " Nunca tinha ouvido falar desse " petisco ", apesar de ter vivido no Brasil e de ter ido há anos a Sta Catarina e Florianopolis. Gostei de saber! Muito obrigada, amigo! Boa noite. Um abraço
    Emilia

    ResponderExcluir
  39. Kalinka
    15 de agosto de 2019 12:17
    estive cá, já quase há 1 mês
    tenho estado muito deprimida daí as minhas ausências

    Querido Laerte
    diz a Emilia que...
    aqui em Portugal acabou essa exigência, felizmente, haverá com certeza outras fomas de se certificarem que as aposentadorias vão para a pessoa certa. 

    Pois eu digo-lhe que esta notícia saiu em Fevereiro deste ano:
    Auditoria.
    Segurança Social pagou pensões a beneficiários mortos durante mais de 10 anos
    27/2/2019, 23:59 - Auditoria detetou cerca de 200 casos de pensões pagas após a morte dos beneficiários. Alguns pagamentos indevidos duraram mais de 10 anos. Tribunal de Contas aponta para 4 milhões pagos a mais.

    Como eles deitam dinheiro ao "Lixo" e eu com uma miséria de reforma!
    Enfim, é o que temos!

    Aqui tem posts novos
    http://meusmomentosimples.blogspot.com/ 

    e, aqui tb:
    http://tempolivremundo.blogspot.com/

    Bom fim de semana
    Abracinho da Tulipa 

    ResponderExcluir