Linguagem[+]

domingo, 2 de outubro de 2016

PRIMA À VERA - PRIMAVERA

Meu sonho infantil foi com uma minha prima querida. Com os primos se aprende a amar? Prima que representava o calor da imaginação amorosa - o tesão infantil ou o imaginário na sensualidade de uma criança sem o uso da razão. E sempre que vem a primavera, relembro da prima Vera com quem namorava às veras num sonho falho infantil, numa paixão sem tamanho que mal cabia em mim. Mas essas recordações me devolvem o tal calor imaginário, me alegram a alma e o estro poético do louco que tenho um pouco do poeta que não fui e me faz feliz lá, à ocasião, onde aqui e agora também, por uma verve viva de sonhos e alegrias. E assim fiz um poemas sem pé e sem cabeça, mas com meio no meio que me envolveu e homenageio a loucura com uma cesta de flores.

Setembro chegou! – O amigo
Que nos trouxe a primavera
Do pistilo e da antera,
Da flor, que tanto bendigo,
E de órgão que não consigo
Lembrar, por falso pudor,
Mas meu ser interior
Sabia de carne e flora,
Do amor fora da hora
Em sonho parindo amor.

Primavera é a alegria
Que cobre o inverno deposto
Em setembro, após agosto,
Mês que a crendice temia
(Superstição ou  mania?)
O mês do cachorro louco
Que sem latir, uiva rouco
Parecendo um lobisomem
Ou bruxas que se consomem
No mês que não mata pouco.

Setembro é glória, é prazer,
É mês  florindo o jardim
Que faz florescer em mim
A sensação de um dever
De me divertir e crer
Ser primavera, alegria
A dar humana energia
Ao ser no acasalamento.
É tempo de casamento,
Como o maio de Maria.

Em setembro ouve-se o canto
Do sabiá que procura
Parceiro para a futura
Geração. E em cada canto
Há um canto de encanto
Como canta o sabiá,
Que quanto mais canta há
Mais percussões pelo ar,
Na alegria de cantar
Os cantos cantados já.

Cante, sabiá alegre!
Cante teu canto encantado!
Dê ao mundo o teu recado
Esperando que se integre
Ao canto novo e que regre
O cantar dos passarinhos
Contagiando os vizinhos
Levando o canto de amor.
Seja do jeito que for
Abre, ao amor, caminhos.
Autor: Laerte Sílvio Tavares

7 comentários:

  1. Olá Poeta,

    Quero agradecer pela sua visita generosa de um
    belo e singular poema de comentário.
    Também, a oportunidade com a sua visita conhecer
    este valioso espaço de arte literária de excelente
    qualidade, aqui mora a Poesia!

    Apreciei muito a leitura que fiz aqui no seu
    espaço de arte literária!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz e honrado em receber surpreendente visita e tamanho carinho. Minha gratidão, Suzete. Laerte.

      Excluir

  2. Olá, Laerte, que bela postagem onde nossas recordações, desde sempre, afloram. Afloram como tudo na primavera, as flores, os pássaros, a alegria dos animais, os amores, os dias luminosos que deixaram o inverno descansar e acenam com o calor do verão. Sem dúvida essa estação merece os mais belos versos dos poetas.
    Linda postagem.
    Abraços pra ti e pra Sandra, daqui, dos Pampas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais, muito obrigado




      Tais, muito obrigado. Vocês fazem parte da minha história. Precisamos nos ver. Já falei isto ao Pedro. Grande abraço. Laerte.


      Excluir
  3. Esse é o meu amigo Laerte, poeta e declamador (e romancista), que há tanto tempo conheço.
    Achei excelente, Laerte, este teu poema, que deste o título de “PRIMA À VERA – PRIMAVERA”. É um poema construído com inspiração e a técnica de quem domina a arte de poetar. Muito bom, amigão.
    Um grande abraço.
    Pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro, muito obrigado pelas palavras elogiosas. Aprendi muito contigo e te sou grato. Gosto de brincar com a minha cabeça e fazer versos. Agora, lembrando da minha prima Vera, lembrei da Tânia e da Vera de nossa pós adolescência... Grande abraço. Laerte.

      Excluir
  4. Vim agradecer tua visita e encontro esse belo poema para a Primavera, com uma introdução do teu amor pela tua prima Vera. Adorei! abraços, linda primavera! chica

    ResponderExcluir