Linguagem[+]

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O DIA DO POETA


Ontem foi dia do poeta e recebi cumprimentos sem o ser e não prestei homenagens por esquecer. Creio, contudo, que está em tempo ainda. Homenagens póstumas aos grandes, seriam impossíveis a tantos ilustres, então, na figura de Fernando, meu irmãozinho do peito, homenageio os demais. E para os vivos, homenageio os demais na pessoa de Rodrigo de Haro, o poeta multifacetado, pintor emérito e muralista extraordinário que será homenageado neste ano - "Durante os dias 12 e 16 de outubro, acontecerá a primeira edição do Festival Literário Internacional Catarinense – FLIC, na cidade de Pedra Branca. O evento vai reunir mais de 50 escritores nacionais e 7 internacionais.
O festival será realizado na Praça Central e no Auditório do Atrium Offices, na Cidade Criativa de Pedra Branca, em Palhoça. O Festival também vai homenagear Rodrigo de Haro. No caso, Rodrigo irá realizar um recital de poesias no primeiro dia, 12, a partir das 19h30." "Também a galerista Helena Fretta, comemora a confirmação da exposição dos Arquétipos – O Poder da Imagem, mostra individual do artista catarinense Rodrigo de Haro (D), agendada para 7 de outubro. A expo segue até 5 de novembro, com entrada gratuita. Na programação, lançamento de catálogo e conversa com o artista e com Fabrício Peixoto, curador da exposição. "
Vão aqui uns versinhos meus talvez bem compostos, porém, é possível que com pouca poesia por eu não ser poeta, mas um engenheiro construtor de versos, para homenagear os poetas:

DIA DO POETA


Poeta, neste teu dia
Aonde andaste, poeta?
Trilhaste sem rumo ou meta
O caminho da magia?

A tua alma queria
Ver em ti o puro esteta
Para uma versão seleta
Da mais pura poesia?

Mas tudo é parte de parte
Da poesia que é arte
Da parte que a alma é.

E a alma do ser, destarte,
A própria arte é aparte
Esteticamente, até.

5 comentários:

  1. Obrigado pela sua visita ao meu blogue e comentário.
    Gostei do que vi por aqui, mas tenho que ler com mais tempo.
    Voltarei, por isso.
    Mas já vi que a sua poesia é muito boa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado poeta Jaime Portela, obrigado pela honrosa visita a este humilde espaço deserto onde divago em versos. Exulto com suas palavras elogiosas e o júbilo maior é crer no seu interesse em ler algo mais de meus poemas. Julgo-me um engenheiro construtor de versos e não poeta por faltar-me a alma daquele que equilibra sobre o fio tênue do estro ou verve para pinçar em escolhas certas, palavras que cheguem a alma do leitor. Pois creio que poesia é de fundo filosófico uma relação entre o subjetivo do indivíduo (poeta) e o exterior onde se encontra seu interlocutor oculto que assimilará o belo a compatibilizar-se com sua noção de beleza ou não. Fernando Pessoa foi um anjo capaz de abranger a muitos com a mesma mensagem. Estou como aprendiz, me lançado à arte e a quantos mais agradar, mais feliz serei por dar ao mundo um pouco de carinho. Grande abraço fraterno e minha gratidão. Laerte (Silo).

      Excluir
    2. Obrigado pela atenção da resposta.
      Acrescento apenas que também sou engenheiro...
      Um abraço.

      Excluir
  2. Que beleza de homenagem aos poetas com este soneto de pura arte bela da poesia.
    Uma indicação do Grande Pedro Luso sabia que entraria numa casa edificada de poesia.
    Abraços Laerte e vamos passear por esta casa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Toninho, honrado estou estou com sua visita e a indicação de meu nobre amigo Pedro Luso a este espaço ainda meio insipiente (não de grosseiro, mas de falta de matéria). Meu blog é jovem e pouco produzi a ele, mas creio que com incentivo de vocês poderei robustecê-lo. E vamos pois em sua homenagem postar um poemito: Prezado amigo Toninho, Eu agradeço ao amigo Por elogios que os bendigo Em não me sentir sozinho. Quando se tem um bom vinho, A melhor adega ou abrigo, É a memória consigo, Guardando-o em mente e sozinho. Um bom poema, algum dia Será eterno, se havia Nele um toque genial. Agradeço a honraria. Saber-se-á da valia Do meu num ponto final... Minha gratidão. Laerte.

      Excluir