Linguagem[+]

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

DIA DE NOSSA SENHORA APARECIDA - DIA DO JEJUM - DIA DA CRIANÇA



Meu Deus, acordei hoje com quatro pendências na cabeça!... Deveria escrever alguns versos à Santa, ao Jejum, às crianças e a mim, por ser um velho infantil. Depois pensei assim; Ah, eu matarei quatro lebres com duas cajadadas só - homenagearei a Virgem e o Jejum num só poema e junto às crianças, me incluirei num pequeno soneto. Porém levantei com disposição para escrever mais e postarei o que der. Vejam lá! E feliz dia a todos!

À NOSSA SENHORA

Hoje eu encaro o além
Do céu. Suplico à Maria
Graça plena neste dia
Ao meu país, para o bem!

Graças ao povo também!
Sofrido e sem garantia, 
Nem de uma vida sadia.
Proteja a Pátria! E amém!

Oh minha Nossa Senhora
Dai à Nação, sem demora
A Vossa bênção de luz!  

Fazei que o Brasil, agora
Singre o seu rumo, por fora
Das tribuzanas - seu jus!






DIA DO JEJUM

Hoje é Dia do Jejum
Ao grande povo judeu
Pelas leis que recebeu
De Deus Pai, pois há só um.

Dai-nos nosso pão comum!
Maná e mel ao ateu!
Se um ladrão se converteu
À cruz - fazei bem comum!

Olhai Pai,  nossa Nação!
Quer judaica ou do cristão,
Dai a ela o Seu Amor!

Dai ao Brasil direção
De um bom nauta ao timão
Da barca comum, Senhor!






DIA DAS CRIANÇAS

Crianças, neste seu dia,
Eu peço a Deus todo o amor,
Paz, mas seja o que for,
Peço ao Pai, muita alegria.

Triste ter a alma vazia
De sonhos e de clamor
Por sonhos, dado o vigor
Da alma e da fantasia.

Criança é tudo de bom!
E só ela tem o dom
De ser uma divindade.

Jesus falou em bom som:
Vinde as Crianças! Em tom
De tônica felicidade.







"VELHO TANSO"

Hoje é dia da criança,
Mas presto homenagem a mim
Porque sou criança assim
Como já fui, por lembrança.

Lembro tim-tim por tim-tim
De onde a mente me lança
No tempo que a alma alcança,
Para ser criança enfim!

Dentro de mim há o menino
Que fui e o próprio destino
Cunhou-me de alma inocente.

Por um processo divino,
Com a velhice eu combino
Ser o que a nossa alma sente.


14 comentários:

  1. Parabéns Laerte pelos belos poemas e pela magnífica inspiração à estas datas tão especiais. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amor, és o timoneiro de minha alma e o artífice de meus versos que os burila ou os lapida quando embrutecidos pela exacerbação de meus sonhos. Grande beijo. Laerte.

      Excluir
  2. Meu caro amigo Laerte, li com atenção esses seus quato poemas (À NOSSA SENHORA, DIA DO JEJUM, DIA DAS CRIANÇAS e "VELHO TANSO") e gostei muito de todos eles, que estão interligados, embora possam parecer distintos, sem qualquer ligação um com o outro, mas não, o poeta ligou um tema com o outro com deliberada intenção.
    Caso eu esteja enganado, Laerte, espero que me respondas.
    Parabéns, grande poeta e grande amigo.
    Pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Pedro! Eu já acordei com um ditame anímico a fazer um só tema para o dia, mas a racionalidade optava por exercitar o modus faciendi. O engenheiro construtor de versos que está dentro de mim queria que suas obras aparecessem na foto, de corpo inteiro, e pobre de mim, tive que palmilhar o caminho lógico do matemático desprovido de alma e fazer os versos que a alma me ditava. Ë por ai a minha loucura que a empunho como bandeira de vida ou de sobrevivência do amor. Muito obrigado pelas palavras elogiosas, amigo! Grande abraço. Laerte (Silo)

      Excluir
  3. Oi, Laerte!! rsss Adorei tua visita! Começamos a rir dos teus 'lances' engraçados. Que bom que gostou! Bem, mas falando daqui...
    Li todos os poemas, ótimos, de um estilo elegante! Mas sempre temos os nossos eleitos, e gostei muito do 'Nossa Senhora', pelas razões óbvias de olhar por esse pobre país, vai ter trabalho, a santinha! E o último 'Velho Tanso' pelo simples fato de que nada é melhor do que soltarmos a criança que há em nós. Deixar vir as boas lembranças. Sem ela a vida fica dura, e o bom é rirmos das nossas falhas, dos defeitos ... criança ri de tudo, até do que não deve rir - e pela própria inocência, fica engraçado.
    Ótimo, Laerte, então avante no blog!
    Parabéns dobrado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Tais! A vida é muito curta para se tomar maus vinhos e para levar a existência muito a sério. Dentro de nós há a criança que fomos e por isso, nunca deixamos de a ser. Tenho um amigo médico e poeta que é amigo de infância do Ziraldo, do interior de Minas Gerais e todos os anos os amigos comuns se reúnem lá na cidadezinha para jogar bolinha de gude como faziam na infância. Não é uma maravilha? Lindo!

      Tais, fique segura que gostei imensamente de tua crônica, pois ela é extraordinária mesmo. Linda, linda!

      Obrigado pelas palavras de carinho. Retribuo o afeto e registro minha gratidão pela recomendação que exaraste em tua página para que visitassem meu humilde espaço literário. Grande abraço fraterno. Laerte (Silo).

      Excluir
  4. E saíram 4 excelentes sonetos, qual deles o melhor.
    Parabéns pelo talento poético das suas palavras.
    Caro amigo, tem um bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo, poeta e engenheiro. Às vezes não tenho muito segurança na qualidade de meus poemas, mas vamos levando. Minha gratidão e meu abraço fraterno. Laerte (Silo).

      Excluir
  5. Silo,não sei sei este é vosso nome verdadeiro ou artístico, eu, Dilmar Gomes, diletante, fui apresentado a ti pela grande cronista Tais Luso. Aqui, de cara, percebo que vossa verve é intensa e vosso lapidar da palavra é meritório. Ia dizer que temos algo em comum, mas direi porque seria blasfêmia, já que fiquei apenas no meio do curso de engenharia civil.
    Um abraço. Tenhas um bom dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo pelas palavras de elogios. Esclareço ser meu nome Laerte Sílvio e apelidaram-me na infância, de Silo, nome de armazém graneleiro. Para não o encher de soja, eu o completo com meus versos, às vezes aleijados mas caminham. Silo Lírico dá uma interligação de palavras consonantes interessante... E eu brinco com palavras para passar o tempo. Meu abraço fraterno. Laerte (Silo).

      Excluir
  6. Silo,não sei sei este é vosso nome verdadeiro ou artístico, eu, Dilmar Gomes, diletante, fui apresentado a ti pela grande cronista Tais Luso. Aqui, de cara, percebo que vossa verve é intensa e vosso lapidar da palavra é meritório. Ia dizer que temos algo em comum, mas direi porque seria blasfêmia, já que fiquei apenas no meio do curso de engenharia civil.
    Um abraço. Tenhas um bom dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdão pela extemporaneidade. Meu apelido é Silo, nome Laerte. Grato pela visita. Estive hoje em seu blog dando explicações e publiquei naquele estapaço, isto
      Irmão, inicialmente, mea culpa! Minha máxima culpa em não ter respondido tua passagem em meu blog por um erro da extemporaneidade de postagens. Perdão! Agora devo dizer ter gostado imensamente de seu espaço literário. Parabéns! E tentando homenagear tua postagens, buscar inspiração nele e compor um poemito.

      Não somos ilha, oh amigo!
      Basta ver a relação
      Entre nós dois, meu irmão,
      Para me sentir contigo.

      Vivo em Ilha e não consigo
      Ficar ilhado. É ilusão
      Pensar que um ermitão
      Viva sozinho consigo.

      O homem é um universo
      Que dele mesmo é diverso
      Por ser um ente de Deus.

      Um pensamento adverso
      Faz eu compor um só verso
      Que verse os princípios meus.


      Excluir
  7. Grande Laerte, em tempo de combo na comunicação, devo dizer
    que conseguiu um belo combo para a data, que a ficamos a admirar.
    Projeto criança feliz, abençoada pela Santa Aparecida
    Bela inspiração amigo.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado amigo pela generosidade! Sempre tenho minhas dúvidas na qualidade de meus versos, e fico entusiasmado a compor outros quando sinto que não vou tão mal assim nesta difícil arte. Minha gratidão. Laerte.

    ResponderExcluir