Linguagem[+]

quarta-feira, 1 de março de 2017

FIM DE CARNAVAL




Terminou o Carnaval,
E do meu ser, o descanso.
Agora faço um balanço
Desse grande festival,
Bem como do ritual
Do corpo meu e da alma,
Analisando com calma,
Feito o dono da folia
Que não entrou na orgia
E só no fim bate palma.

Havia dentro de mim
Um palhaço que não ria
Pelo cansaço da orgia.
Existia um Arlequim
Que rompeu com a Colombina.
E tinha um poeta triste
Que até ao momento insiste
A sorrir às gargalhadas,
Aos passos e às palhaçadas,
Com o indicador em riste.

Aos sonhos, viro palhaço
Que é minha alma encantada
A não ligar a mais nada
Do corpo meu com um traço
Alegre e, já, a ensaiar um passo
De samba, desajeitado,
Mas cumpre da alma o fado
De ser festeira, e meu ser,
Num êxtase de prazer,
Gargalha como um tarado.

Dizem que o Ano Gregoriano do Brasil tem início apenas depois do Carnaval. Vamos, pois, à luta, afinal moro numa ilha ligada àquele país por três pontes... Nós cá, não iremos iniciar o ano agora, não! – Só na segunda-feira, aliás: ninguém é de ferro! Porém eu, particularmente, me obrigo ao batente. Afinal, meu filho reinicia as aulas amanhã e vou ajudá-lo nos deveres de casa...
Mas a festa continua. Esta Ilha, dizem ser a décima ilha dos Açores, dada a uma maciça colonização com gente de lá e ao espírito festeiro ou festivo desse povo. Hoje deu-se o encontro dos foliões com as beatas. Uns ao fim da orgia matinal e outras no início do período matutino e do “ano litúrgico” à missa de cinzas. Uns não olharam às outras e vice-versa.

De meu balanço, o que acho mais engraçado, são os cacófatos de nomes que denominam certos Blocos Carnavalescos, a começar pelo “PASSANDO A PONTE A PÉ”. Depois vem o “O BAIACU DE ALGUÉM”,  “ESQUENTA, BACO!” e mais uma infinidade deles. Houve até interferência eclesiástica a solicitar que certos nomes fossem abolidos e o Bispo Diocesano pediu, os foliões atenderam. Sei que o “AMANHECE, BOM JESUS!” persistiu uns tempos, mas “A POMBA DIVINA”  foi retirado antes de pensar entrar na folia. Há outros nomes engraçados, como o “NAVEGAY”, “O MARISCO DA MARIA”,  “O NÔ DI” (eu não dei), “AS ÁGUAS VÃO ROLAR” (funcionários da Empresa de Saneamento) e "O BLOCO DO ALZHEIMER" (...é com este que eu vou).
É!... E até ao próximo Carnaval!


31 comentários:

  1. Aqui dou vivas que o carnaval acabou.Não gosto dele! Viva Março e o retorno à normalidade dos dias! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Tô com a Chica!! rss E como a moda agora é fundar blocoas com os mais diversos nomes, vamos fundar nosso bloco que se chamará Eu, fora!. Só terá um artigo: nunca comparecer! Estás convidado, Laerte!!

    Belo poema!
    Deixo um abraço e o carinho do já fundado Eu, fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. corrigindo, ... a moda agora é fundar BLOCOS.

      Excluir
  3. Também não curto o carnaval mas há quem goste
    Então cada um com seus amores. A quarta de cinzas e o mês de março beija a porta e entra, que seja bem vindo estraga paz e amor ❤️
    Belo texto poeta.

    Abraço 🤗

    ResponderExcluir
  4. Desculpa quis de dizer que traga paz e amor ❤️

    ResponderExcluir
  5. Estou como o Chico (poema transcrito) quanto a carnaval chegar só tenho desejo dele passar, por isso estou a aguardar outro ano, outro cantar.
    A coisa está feia... à que inventar.
    Gostei da sua visita e do comentário poético. Fiquei seguidor e aqui estou.
    Também gosto do seu poema e das notas em roda-pé.
    E o máximo foi terminar com humor:
    ""O BLOCO DO ALZHEIMER" (...é com este que eu vou)."
    Um abraço.

    "Quando o Carnaval Chegar
    Chico Buarque

    Quem me vê sempre parado,
    Distante garante que eu não sei sambar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    Eu tô só vendo, sabendo,
    Sentindo, escutando e não posso falar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

    Eu vejo as pernas de louça
    Da moça que passa e não posso pegar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    Há quanto tempo desejo seu beijo
    Molhado de maracujá...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

    E quem me ofende, humilhando, pisando,
    Pensando que eu vou aturar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    E quem me vê apanhando da vida,
    Duvida que eu vá revidar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

    Eu vejo a barra do dia surgindo,
    Pedindo pra gente cantar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    Eu tenho tanta alegria, adiada,
    Abafada, quem dera gritar...
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar

    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
    Tô me guardando pra quando o carnaval chegar..."

    ResponderExcluir
  6. Sempre vejo o Carnaval chegar e partir, gosto de alegria e não de desgraças, só falho se estiver doente!
    Até para o ano com alegria.

    ResponderExcluir
  7. Um belo Poema e
    muitas verdades.
    Gosto do seu blog.
    Estou tentando seguir aqui
    mas não estou conseguindo.
    Aguardo sua visita no meu
    Blog Espelhando.
    Bjins
    Catiaho Alc.

    ResponderExcluir
  8. Um balanço a pedir descanso mas a querer mais para o ano ! rsrs
    E realmente engraçadíssimos e "marotos" os cacófatos de nomes dos Blocos Carnavaleiros ! rsrsrs

    Abraço :)

    ResponderExcluir
  9. Um bonito poema, e um bom apontamento sobre os grupos.
    Giros os nomes.
    Um abraço e um sereno e feliz mês de Março

    ResponderExcluir
  10. Nunca gostei de carnaval, mas baile bom orquestrado não perdia um. Hoje tudo mudou e só nos resta os livros para ler e os filmes.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  11. Diverti-me imenso, estimado amigo.
    Valha-nos o humor, porque o Carnaval já não tem aquela ingenuidade encantadora da nossa juventude...
    Por aqui, fico indignada ao ver jovens despidas - imitando as cariocas - tiritando de frio e em condições de apanhar uma pneumonia! E espalhou-se a moda! Em todas as nossas cidades que comemoram o Carnaval aparecem sempre meninas destas ''esbraseadas''...
    Amigos brasileiros contam-me que o Carnaval de blocos virou grande bagunça...
    Encanta-me admirar a criatividade dos desfiles do Sambódromo, todo o trabalho artístico e organizacional e lamento muito oa exageros incrementados pelos magnatas do turismo, sem respeito pela dignidade feminina...
    Por aqui, o dia de cinzas, foi um dia lindo e ameno, com sol de inverno...
    Saudações poéticas...
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  12. Respondi a suas
    indagações lá no Espelhando,
    abaixo de seu comentário.
    Bom dia
    Catiaho Alc.

    ResponderExcluir
  13. O Carnaval passou e agora é retornar a rotina da vida. Para quem gosta é só esperar o próximo ano . Para quem não aprecia tem um ano inteiro sem nele precisar pensar.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  14. Que nomes mais giros :-) É Laerte o carnaval passou e para mim ficou a lembrança de dias bem passados em uma rede :-) Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. Espero que tenha tido um excelente Carnaval.

    ResponderExcluir
  16. Gosto de ver o carnaval mas em casa na televisão.
    Adorei o poema.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  17. O ser palhaço é um alegrar-se com sorrisos. QUando criança eu queria ser uma palhacinha para fazerem as pessoas rirem, rs. Adoro palhaços!

    Beijo

    ResponderExcluir
  18. Oi amigo,
    O seu poema é lindo e para quem gosta de carnaval fica a nostalgia e a espera do ano que vem.
    Não sou muito de Carnaval, mas quando morava em Santo André, ia a todos os carnavais no Palace Hotel de São Bernardo. O lugar era pequeno e aconchegante, todos os parentes iam par por as fofocas em dia.
    Em cima eram as mesinhas e embaixo o carnaval pegava fogo, Adorava assistir, mas brincar não. Mas quando na minha cidade vinha algum artista, estava o casalzinho lá dançando.Belos tempos de outrora.
    Peguei uma doença que nem o capeta conhece: queima a sola dos meus pés, então fui tentar opera um pé e o dito não sara e meu melhor alimento são os remédios fortíssimos para dores e são caríssimos.
    Escreva aí no seu livro: Idade vencida.kkkk
    Beijos
    Dorli

    ResponderExcluir
  19. Não gosto muito do Carnaval... Principalmente porque estava frio e chuva... Mas a alegria deve viver sempre em nós...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  20. um poema melodioso e muito agradável de ler.
    um texto alegre e os nomes originais.
    mas como é (era) Carnaval ninguém leva a mal.
    também não gosto muito do Carnaval.
    bom fim de semana.
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  21. Embora não goste de Carnaval, mas gostei do seu poema, expressa a verdadeira realidade da alegria momesca que se desfaz com as cinzas.
    Grata pela visita,]]Saudações amigo!

    ResponderExcluir
  22. Oxi pra mim estava falando Brasil! Não temos como negar nossas origens, rs. E obrigado pela visita e seu comentário inspirador, tava precisando saber daquilo, muito confortante. Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Bom dia, Laerte

    Muito obrigada pela sua visita e pelas palavras que lá me deixou.
    Estive a tentar inserir o item para seguidores mas só me apareceu o Google+ que eu não aprecio. Vou aguardar, até ter aqui em casa alguém para me ver isso.
    Do Carnaval gosto das vestes e da folia, embora prefira vê-la ao longe. Mas um baile de Carnaval com gente amiga aí eu alinho.

    Voltarei.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  24. Gracias Silo por hacerte seguidor de mi blog, yo también me he quedado por aquí. Un abrazo

    ResponderExcluir
  25. Boa tarde, o texto informativo é perfeito, assim como, o poema é belo.
    AG

    ResponderExcluir
  26. Olá Laerte,

    Gostei dos versos.
    Adorava o carnaval. Aproveitei demais quando morava no interior, onde predominava os bailes carnavalescos. Bons tempos! Porém, as coisas vão mudando com o tempo e, atualmente, prefiro assistir à folia pela TV, o que não quer dizer que eu não entraria com prazer numa roda de samba, se tivesse oportunidade-rsrs.
    O carnaval é a festa da alegria. É tempo do povo liberar suas tensões e esquecer provisioriamente os problemas e preocupações do cotidiano. Vi uma reportagem que dizia que o povo sambava na cara da crise. E daí? Que mais se poderia fazer no carnaval? Passada a folia, aí, sim, cabe o despertar para a realidade e a luta pelos seus interesses e do país. Sou contra os excessos, claro! Muitos aproveitam o carnaval para soltar suas feras. É preciso aproveitar a festa com responsabilidade.
    De fato, há muitos blocos carnavalescos com nomes extravagantes, divertidos e até sem noção-rsrs.

    Que venha o próximo! rsrs.

    Abraço. (Bom domingo!)

    ResponderExcluir
  27. Prezado amigo Laerte, o carnaval terminou apenas em algumas cidades; parece-me que na Bahia a folia de Momo vai mais longe (lá, o carnaval começa duas semanas antes da data do calendário).
    Como em Florianópolis o carnaval já terminou, teve a tua mais justa homenagem com "FIM DE CARNAVAL", um poema da melhor qualidade, digna do poeta Laerte Tavares.
    Também gostei do texto que vem depois do teu poema, falando ainda do carnaval, e também dos nomes engraçados dos blocos de foliões. Parabéns.
    Um grande abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  28. Também não aprecio o Carnaval, mas gostei bastante do seu poema.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. Estive no Sambódromo e nada fazia adivinhar que aquele espaço seria palco de alegria e criatividade. Aplaudo, de pé, seu Carnaval Poético e, também, o texto que o complementa.

    Beijinho, Laerte.

    ResponderExcluir