Linguagem[+]

quinta-feira, 29 de março de 2018

270º ANIVERSÁRIO DA COLONIZAÇÃO AÇORIANA NO LITORAL DE SANTA CATARINA

web - engenho de farinha de mandioca    

     Na obra “Os Argonautas” do último clássico grego Apolônio de Rodes, Açores figura, há duzentos e quinze anos antes de Cristo, como o último reino de um matriarcado existente em uma das ilhas.
     No século treze, os cartógrafos genoveses, maiorquinos e outros já tinham, em cartas geográficas aquelas ilhas do arquipélago açoriano. Em mil quatrocentos e quarenta os portugueses começaram a povoá-las com diversas etnias o que resultou num povo mesclado de grande valentia como exímios marinheiros, intrépidos nautas e excelentes pescadores. Foi esse povo que colonizou o litoral de Santa Catarina; e em complemento ao texto de nossa última postagem, o homenageamos no 270º aniversário da colonização, em um poema narrativo com um pouco de sua história.

             COLONIZAÇÃO AÇORIANA NO SUL DO BRASIL

Açores foi “descoberto”
Muitíssimos anos antes
Do Brasil. Eram integrantes
Nove ilhas, muito perto
Uma das outras, por certo,
Fizeram o povoamento
Tão logo o “descobrimento”.
Dom Henrique não queria
Nenhuma ilha vazia
E o gado foi um fomento.

Mandou enormes rebanhos
De gado à Santa Maria
Pois a carne supriria
Quaisquer percalços estranhos
Aos seus projetos tamanhos
Da grande povoação,
Já que as ilhas eram e são
Semelhantes em pastagens.
Depois se deram as viagens
Dos emigrantes, então.

A ânsia de habitantes
Às ilhas fez Portugal
Abrir portas, em geral.
Gente de todos quadrantes
Acorreram, pouco antes
Do grande “descobrimento”
Quando se deu o evento        
Da emigração ao Brasil,
Desse povo de perfil
Versátil ao novo intento.

Às ilhas, o contingente
Migratório foi de heróis
Idos de diversos sóis
De oriente ao ocidente,
Ou de trópico diferente.
Povos treinados à luta
Renhida pela permuta
Da terra pelo oceano,
Em que o gênero humano
Tem que ser o mais arguto.

E foram lobos do mar,
Forjados nos vãos das vagas,
Nas profundezas das plagas,
Onde se pode forjar,
Na pressão do milibar,
O perfil pétreo em penedo
Desse homem qual rochedo
Trazido do fundo abismo
Para provar o heroísmo
Destituído do medo.

Por isso o açoriano
É de uma têmpera forte.
Marujos que viram a morte
De perto, e em soberano
Respeito ao oceano,
Aprenderam a vencer
Dando linhagem a um ser
Também soberano e forte.
Vindo do Atlântico Norte,
Esse povo tão valente,
Fez parte do contingente
Que à Desterro deu suporte.

Traziam como bandeira
Um açor em voo pleno,
Na alma. Predador sereno
Dessa flâmula altaneira
Da legião estrangeira
De uma gente afeita à luta.
Porém, sem haver disputa
O anímico açor se irmana
Com uma nova massa humana 
Na paz mais absoluta.

Aqui, ele deu-se em amor,
Amizade, valentia,
Luta, lida, a ter por guia
Sempre Deus Nosso Senhor,
Católico observador,
Das leis do homem e de Deus,
Seguiu os princípios seus
Respeitando outras presenças
Locais de vidas intensas,
De culturas tão diversas,
Religiões adversas
A sua e às suas crenças.

Integrado aqui à gente
Indígena e negra, ele fez
A diferença, talvez
Com o saber experiente
 No modus faciendi corrente
Na obtenção da farinha
De mandioca, que tinha
Semelhança a de trigo
No modus faciendi antigo
Conforme lá se obtinha.

É através do engenho
Da farinha de mandioca  
Que aquele povo coloca
A massa do sobrecenho,
Com esforço e com empenho
Em prol de maior fartura
De comida à criatura
Com carência de alimento,
Modernizando um elemento
Da indígena cultura.

Foi o povo açoriano
Que deu base à imigração,
Do árabe, do alemão,
Do judeu e do italiano.
E com esforço sobre-humano
O litorâneo aguerrido
Viabilizou um sentido
Para o desenvolvimento
Do sul do Brasil, com o tento
Da noção de um povo unido.

Assim, por essa razão,
Esse colonizador
Deu bases para o labor
Da nova industrialização
Têxtil, do povo alemão
E das fábricas, demais;
Pois os verdadeiros pais
Da indústria, nessa linha,
Teve o engenho de farinha
Como o exemplo em arraiais.

Assim, a estabilidade
Econômica e financeira
Da indústria brasileira,
Foi apoiada, em verdade,
Na antiga sociedade
Entre o índio e o açoriano,
Pondo fábricas no plano
Do factível dia a dia
Do que se manufaturaria
Ao meio “manu-mecano”...   

A nós, na literatura,
Açores deu vários filhos
Preclaros de raros brilhos.
Machado de Assis, figura
Como a grande criatura
Que a cultura simboliza.
Cecília Meireles, poetisa
Da maior envergadura
Com uma obra que perdura,
Amadurece e eterniza.

Sem falar em Rui Barbosa
O grande “Águia de Haia”,
Um defensor de atalaia
Contra a “Força Poderosa”,
Ao direito que se esposa
Como a “Força do Direito”.
E há outro grande sujeito:
O seu Érico Veríssimo,
Do livro preciosíssimo
“O Arquipélago”, feito.

Nascido na nossa ilha
Conforme memória ilustra
Marcelino Antônio Dutra
Foi o “Poeta Maravilha”,
Sangue do Açores que brilha
Na história, qual deputado
Que soube dar o recado
Em mil oitocentos e cinquenta
Com oposição que sustenta
No verso bem-humorado.

Desterro, entre outras ilhas
Dos Açores, é também
Açoriana, pois tem
Semelhança as outras filhas
Portuguesas, muitas milhas
Distantes no mar sem fim.
Porque Desterro é assim  
Semelhante as demais,
Com culturas tão iguais
E de tradição afim.

Enciúma-se Faial,
Mas sua irmã, a Das Flores
Disse ser rusgas de amores
Já que Desterro é igual
As outras, e Portugal
As têm por filhas irmãs.
A Do Corvo diz ser vãs
Essas lamúrias sem-fim,
Porque Desterro é assim
Tal qual as demais, cristãs.

A Ilha de São Miguel
E São Jorge, batem palmas
Por suas singelas almas
Sem pretensões, no papel
De ser leal e fiel
A Portugal. E a Terceira
Faz-se a grande companheira
Mandando à Desterro gente,
Para neste continente
Fincar a sua bandeira.

Ilhas de Santa Maria,
A do Pico e a Graciosa
Acharam uma primorosa
Conquista, que merecia
Maior atenção por via
Em poder viabilizar
Projeto no além-mar,
Precisando de mais gente
Para consequentemente,
Dar mais vida ao lugar.

Duzentos e setenta anos
Passaram-se, e a história,
A tradição e a memória
Dos povos açorianos
Valorosos, soberanos,
Enaltecemos, então:
Salve a miscigenação!
Salve essa gente guerreira!
Salve a nação brasileira!
Salve a colonização!

76 comentários:

  1. Muito para ler e aprender. Valeu!
    Laerte, venho desejar-lhe uma Santa Páscoa. Tudo de bom, amigo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Que linda homenagem Laerte!
    os Açores recebem muitos prémios pela beleza das suas paisagens :) um casal de amigos que foram lá trouxeram grande quantidade de fotos deste tipo:

    https://www.youtube.com/watch?v=h0vkblXhbYY
    tenho pena de ainda não ter visitado o arquipélago :)

    Açores rima com Amores !
    Rodrigo Leão | As Ilhas dos Açores
    https://www.youtube.com/watch?v=6fZXXJMofm8

    Feliz Pascoa Laerte,

    Angela



    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Parabéns

    O Brincando com as palavras DESEJA-VOS: UMA SANTA E FELIZ PÁSCOA, EXTENSIVO AOS VOSSOS FAMILIARES E AMIGOS.
    .
    Bjos com carinho e estima.

    ResponderExcluir
  4. Poema bonito, com informação interessante.

    Convidamos-vos a ler o capítulo VII do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/03/voar-sem-asas-capitulo-vii.html

    Votos de Feliz Páscoa!
    Saudações literárias

    ResponderExcluir
  5. UMA SANTA E DOCE PÁSCOA, amigo Laerte!

    Grata por sua visita, há tanto esperada, e pelo seu precioso e talentoso comentário.

    Li o post, um pouco na diagonal, mas percebi a grandeza do mesmo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Que a sua Páscoa seja muito feliz.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Fascinante a sua poesia. Linda demais
    .
    * Cavalo e Amazona, a cor branca como símbolo da Paz ( Poetizando) *
    .
    Votos de uma Páscoa muito feliz,
    Repleta de amêndoas e amor
    ..

    ResponderExcluir
  8. Pedaços de História que valem ouro.
    Parabéns, Laerte.
    Páscoa Feliz


    Abraço
    SOL

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Laerte,
    Gostei do poema cheio de informações!
    Ricos fragmentos da história.
    Feliz e abençoada Páscoa!

    ResponderExcluir
  10. Caro Laerte, ti ho messo nel mio blog roll così potrò vedere i tuoi post.
    Tanti auguri di una buona Pasqua con tutto il cuore.
    Caro Laerte, un grazie infinite della gradita visita! Auguri di una buona Pasqua con tutto il cuore.
    Ciao e buona vigilia della santa Pasqua con un forte abbraccio.
    Tomaso

    ResponderExcluir
  11. Amigo, boa tarde!
    Seu blog é poesia e é cultura! parabéns pelo magnífico post repleto de importantes informações. Amei!
    Grata pela visita e a poesia que deixou sobre a Páscoa! páscoa é amor, renovação, vida... Tenha uma abençoada e feliz páscoa! Abraços

    ResponderExcluir
  12. Buonasera Laerte.
    Mi aggiungo molto volentieri in questo tuo bel luogo che trovo molto interessante, ti seguirò molto volentieri.
    Grazie mille di essere passato da me e rinnovo gli auguri di una Pasqua bellissima. Ciao!

    ResponderExcluir
  13. Boa Passagem Laerte! Boa Páscoa!Aleluia!

    ResponderExcluir
  14. Olá Laerte, que maravilha, mais que um poema uma história da Colonização Açoriana que grandemente deu sua contribuição em prol da industria brasileira.És uma Enciclopédia ambulante, tão bom conhecer mais da história do mundo Português.]Agradecida pelo soneto deixado em meu blog.]votos de uma abençoada Páscoa pra vc e os seus.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Uma publicação bastante interessante!

    r: Uma ótima Páscoa, para si e para os seus

    ResponderExcluir
  16. Caro Laerte

    Apreciei com grande admiração a história do povo açoriano mesclado com os povos dessas bandas. Cada vez me convenço mais de que nada sei da História do Brasil e é privilégio segui-lo e poder tomar contacto com essa realidade.
    Será que Marcelino Antônio Dutra, "O Poeta Maravilha" é da família da nossa amiga Majo?

    Desejo-lhe uma Santa Páscoa e muito obrigada pelos lindos versos que me deixou lá no Xaile.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estimada Olinda, para recordares, coloca
      no local de busca do meu blogue, 'DUTRAS'.
      Beijo
      ~~~

      Excluir
  17. Uma brilhante homenagem aos Açores e à gente do Arquipélago!
    Por 50% do meu ADN, muito obrigado...
    E parabéns pela qualidade da pesquisa e do texto poético.
    Admirável!
    O que eles fizeram na agricultura, também é digno de aplausos,
    especialmente, a cultura de vinha na ilha do Pico...
    As ilhas não eram cobertas de prados... A vegetação natural
    era um mato cerrado a que chamavam 'mistérios'.
    Não existiam nem motoserras,nem tratores...
    Foi uma leitura muito agradável, que agradeço.
    Mais uma vez, desejo-lhe um excelente e feliz convívio
    com familiares e amigos, neste Domingo de Páscoa.
    Abraço festivo
    ~~~~
    ~Ps~ Vou responder à Olinda. (Não se zangue...)

    ResponderExcluir
  18. Que maravilha mestre, contar historia com poesia tão bem definida e informativa. Você se supera nesta reconstrução da historia de seu pedaço.Belo trabalho Laerte.
    Uma Pascoa feliz para todos os seus com paz e muito amor.
    Abraços
    Grato sempre pela atenção com poesia em interação.

    ResponderExcluir
  19. Caro amigo,

    Apreciei muito a leitura desta
    sua arte na excelência de sempre.

    Grata pela sua gentil visita e comentário
    valoroso.

    Meus votos de uma Feliz e abençoada Páscoa
    para você e família!
    Abraço de Paz.

    ResponderExcluir
  20. O que se aprende por aqui :) obrigada pela partilha desse conhecimento que eu desconhecia.
    Feliz domingo, abraço.

    ResponderExcluir
  21. Boa partilha
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  22. Que você tenha junto com sua família, uma abençoada Páscoa. Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Informação preciosa; adorei conhecer mais.
    Obrigada pelo belo poema lá na casa.
    Tenhas uma boa páscoa e um bom começo de abril.
    PAZ E BEM.

    ResponderExcluir
  24. Lindo! Gosto muito dos Açores, onde moram alguns dos meus Ramos.

    Uma feliz e Santa Páscoa, Aleluia!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  25. Voltarei, amigo...
    Hoje venho deixar um bjinho docinho e votos de um bonito domingo de Páscoa.

    ResponderExcluir
  26. Passando para agradecer a sua gentil visita
    “Jesus Cristo Ressuscitou, por isso celebramos. Páscoa Feliz cheia do amor de Deus!”
    Abraços

    ResponderExcluir
  27. Aprender história por meio da literatura é bem mais prazerosa e relevante.
    Vim também, lhe retribuir os votos de feliz Páscoa, que o Jesus ressuscitado continue a lhe abençoar com amor, felicidade, muita inspiração para sempre nos brindar com belos, culturais e emocionantes poesias.
    Beijos cheios de ternura!

    ResponderExcluir
  28. Boa noite e Boas Festas. Que Cristo Ressuscitado nos fortaleça na Fé, Esperança e Caridade.
    Agradeço a visita a Madrugadas.
    Gostei de passar aqui e voltarei.

    ResponderExcluir
  29. Fantástico esse poema, Laerte. :)
    Votos de Páscoa Feliz.

    ResponderExcluir
  30. Laerte, nas duas postagens tratando da IMIGRAÇÃO AÇORIANA, você apresentou uma importante parte da história, a partir das situações dos imigrantes que buscaram melhores situações de vida, mas que nem todos se depararam com “comida de grátis”, como se diz. Açorianos como falamos aqui, que se utilizaram da matéria-prima existente e da troca de experiência com locais, e fizeram a diferença, servindo de exemplo aos que imigraram mais tarde. Na mesma linha, você tratou das gerações que brilharam, principalmente na literatura brasileira. Parabéns por se dispor a contar parte da história, propícia à reflexão, pois as diversidades nas interpretações sempre variaram.

    ResponderExcluir
  31. Amiga querida.
    Fiquei super triste sem PC justo quando dava inicio
    as visitas de Pascoa.
    Obrigada pelo seu carinho e amizade..
    Que a Pascoa esteja em nossos corações,
    que o amor de Cristo nos abençoe todos
    os dias das nossas vidas.
    Te abraço com carinho.

    Evanir.

    ResponderExcluir
  32. Uma descrição poética do povo Açoriano no Brasil bastante interessante.
    Excelente trabalho meu amigo e aproveito para desejar uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  33. Um trabalho poético lindíssimo e homenagem ao povo açoriano
    gostei muito de ler.
    obrigada pela visita
    boa semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  34. Deseo que esta Pascua de Resurrección cada día aumente tu brillante inteligencia.

    Recibe un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  35. Olá Silo, estou a te seguir, parabéns aos seus manuscritos

    ResponderExcluir
  36. Lindo! Cheio de cuidado e pesquisa. A colonização teve o seu lado ruim mas também um lado bom. Libertou muita gente da miséria em que vivia e permitiu que novos horizontes fossem ultrapassados.
    Beijos

    ResponderExcluir
  37. Ah, Laerte, conforme ia descendo, ia-se apertando o coração, lembrando o Pe António Vieira, esse Homem grande e tão actual! Mas eis que me deslumbra com uma poesia- hino, feita de rigor e Sabedoria.
    Muitos Parabéns e obrigada por esta portugalidade. Afinal, uma medalha tem verso e reverso!
    Bji grande!

    ResponderExcluir
  38. Dicen que las Azores tienen una enorme belleza y me gustaría algún día, poder comprobarlo con mis propios ojos.

    Te agradezco tu visita y comentario en mi blog.

    Besos

    ResponderExcluir
  39. abraço

    grato pelo poema
    e pela presença

    ResponderExcluir
  40. Magnifico trabalho poético, Laerte, que tão bem sintetizou, a história que ligou os nossos países... e os laços que perduram até hoje, ainda em tantas vertentes...
    Grata pela sua amável e inspirada presença, lá no meu canto, Laerte! Virei com mais tempo nos próximos dias, apreciar por aqui outros posts, que me terão escapado, nos últimos tempos... em que tenho andado também um pouco ausente da net, por motivos de saúde de uma pessoa de família, que tem requerido algum acompanhamento...
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderExcluir
  41. É bastante interessante ler História em poesia :). Uma excelente quinta-feira!

    ResponderExcluir
  42. Parabéns pelo seu excelente trabalho histórico/poético.
    E obrigado por ter aprendido mais alguns pormenores históricos que não sabia...
    Continuação de boa semana, caro Laerte.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  43. querido amigo Silo desde tu hermosa bahia das alegria y poesia en tus textos que compartimos todos ,te invito a mi nuevo post de horas rotas , espero sea de tu agrado . jr.

    ResponderExcluir
  44. Ora aqui está um blog que não deixa que, quem aprecie a qualidade, o leia em diagonal.
    Voltarei, com tempo, para o visitar com a atenção que merece.

    Obrigada pela partilha.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  45. O saber não ocupa lugar e aqui mergulhamos nele da forma mais intensa possível!
    Grato pela sua sabedoria e sensibilidade para a escrita que partilha com o mundo!
    Abraço

    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  46. Que bom é passar por aqui...

    Convidamos a ler o capítulo VIII do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/04/voar-sem-asas-capitulo-viii.html

    Saudações literárias!

    ResponderExcluir
  47. Nos Açores existem paisgens deslumbrantes. Gostei do que li. Cumprimentos e feliz fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  48. Excelente poema histórico....un placer pasar a saludarte y leer .

    ResponderExcluir
  49. ¡Hola, mi Gran Poeta!

    ¡Agradecida estoy siempre de ver tu preciosa hulla en mi puerto marinero! Y veo con gran honor y admiración, ese exquisito -completo -fantástico poema que has dedicado a esos pobladores-colonizadores de ciudades hermosísimas donde también dejaron sus huellas y sus raíces, es como un canto y encanto homenaje a esos pueblos valerosos guerreros soberanos que hicieron historia siendo memoria que perdura en el tiempo.

    Bueno, precioso es poco este poema grandioso. Mi felicitación.

    Perdona mi demora, he estado de viaje y ahora voy poco a poco visitando mis blogs amigos.
    Un abrazo, mi gratitud y admiración siempre.
    Se muy, muy feliz



    ResponderExcluir
  50. Muy interesante y muy buena la poesía.

    Muchos besos.

    ResponderExcluir
  51. Estamos mesmo sempre a aprender.

    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  52. Gracias por los bellos poemas que dejas en mi humilde rincón de letras....Saludos

    ResponderExcluir
  53. wundervoll geschrieben!!!! bin hin und weg wie ein Dichter
    Und Dankeschön für Deinen lieben Kommentar bei mir:)
    ich war sehr begeistert
    Ganz liebe Grüße
    Karina

    ResponderExcluir
  54. Me ha encantado la poesía en homenaje a Santa Caterina.
    Disculpa que no haya correspondido a tu visita antes, he estado un poco mal y no me he puesto en el ordenador para nada.
    Gracias por la bonita poesía que me has dejado.
    Un abrazo, feliz semana.

    ResponderExcluir
  55. Considero as ilhas dos Açores paradisíacas. É preciso caminharmos entre as hortênsias no Faial, debruçarmo-nos nas pontas de S. Miguel, sobrevoar a ilha do pico ...
    Laerte, também é preciso conhecer a sua história em poesia como tão bem escreveste.
    Grata pela partilha.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  56. Gosto tanto dos Açores...
    Que beleza de poder vir aqui ler algo tão interessante,bem construído e denunciando uma cultura clássica que muito aprecio.
    Beijo

    ResponderExcluir
  57. Obrigada Laerte pela bela poesia que nos fez descobrir um pouco mais de sua terra.
    boa noite mariella

    ResponderExcluir
  58. Gracias por tus palabras y poemas. Besitos.

    ResponderExcluir
  59. Excelente trabalho poético carregado de feitos históricos.
    Muito fizeram os açorianos. Não será por acaso que chegaram que ninguém à América! Não descarto essa possibilidade.

    Obrigado amigo pela tua passagem por Amigos de Portugal, mas o teu comentario ficou noutra postagem.

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  60. Caro amigo, já estive no sul do Brasil e soube da importância da emigração açoriana, mas, infelizmente ainda não fui aos Açores Tenciono ir, pois faz parte do meu pais e é muito bonito, Fiquei encantada com tantas informações que aqui nos deixas nestes últimos posts e que muito agradeço. Um beijinho, amigo e tudo de bom,, principalmente saúde e força para aguentar os graves problemas que o Brasil enfrenta . Tenhamos confiança na justiça que começa a fazer um trabalhi nunca visto antes. Esperemos que o STF consiga seguir em frente com as medidas que são as corretas. Até...
    Emilia

    ResponderExcluir
  61. Olá, Laerte, que aula, amigo! Ficou linda essa narração histórica de nossa colonização no sul, contada em forma poética, leve, séria e ritmada. Bela e agradável leitura! Parabéns pela bela e trabalhosa postagem.
    Grande abraço e um ótimo fim de semana que está chegando!

    ResponderExcluir
  62. Tanta coisa que eu não sabia dos Açores! E que lindas ilhas que são.
    Um bom fim-de-semana!
    :)

    ResponderExcluir
  63. Amigo, agradecido quedo, mas não fazia falta tanta atenção, sei do teu nobre e elegante proceder, e este tipo de equívocos são mais bem frequentes.
    Abraços de vida

    ResponderExcluir
  64. El poema tiene un espíritu épico. Los azorianos buscando el mundo desde sus islas, buscando por el Atlántico nuevas tierras, hasta dar con Brasil.
    Un abrazo. Carlos


    ResponderExcluir
  65. Passando a fim de conferir mais uma excelente publicação.
    O poema reflecte uma imaginação divina.
    .
    *Mulher; Flores e Borboletas, em sintonia poética (Poetizando) *
    .
    Votos de um dia feliz.

    ResponderExcluir
  66. Devemos agradecer a coragem
    de quantos por aqui aportaram
    e em seus exemplos deixaram
    a fé e o amor por bagagem
    Sem temer o mar tempestuoso
    ou as sereias da descrença
    trouxeram com sua presença
    o futuro mais auspicioso.

    Um feliz domingo ao poeta!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  67. Amigo Laerte
    Um excelente poema que é também uma lição de História!
    É sempre um prazer lê-lo.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  68. Vim reler a Poesia e reaprender a História. Trecho soberbo. Parabéns.

    Abraço
    SOL

    ResponderExcluir
  69. Maravilhoso poema! Dando-nos a conhecer um pouco as lindas ilha de Portugal.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  70. Aprendo da sua man cousas que non sabía das Açores e do seu vínculo con Santa Caterina, lugar onde pasei unhos días, en Navegantes, e polo val europeo no que se encontra. Obrigado pola información tan ben poetizada como se fose a historia en poema. Moitos parabéms!!!!

    ResponderExcluir