Linguagem[+]

segunda-feira, 17 de abril de 2017

REBALDARIA


Praia do antigo porto baleeiro de Armação do Itapocoróy. 
  Na imagem, representando os filhos do lugar, Paulo Renato Freitas (D) e Emir Custódio (E).
Observem a tradição portuguesa pela Cruz de Malta em uma lancha 
baleeira e o nome do bote - Divina Providência.

  Passei a Semana Santa e Domingo de Páscoa em Armação do Itapocoróy, meu doce torrão natal onde possuo uma pequenina casa de praia bem em frente ao porto pesqueiro do antigo povoado português – a Praia da Companha (guarnição ou tripulação inativa de uma embarcação posta em prontidão – nesse caso, para quando da arpoação de uma baleia, entrar na faina e rebocar o cetáceo até a praia ao devido processamento final do óleo de baleia à exportação, destinado à iluminação).
     E lá, em conversa com pescadores, resgatei à lembrança, tradição já em desuso, daquele povo  – a Rebaldaria ou Ribaldaria. Rebaldaria seria um costume sui generis, que por mais que eu pesquisasse junto ao pessoal mais antigo, dentre descendentes de portugueses açorianos e continentais (principalmente do Porto, Braga e Nazaré), não consegui desvendar a razão do ato, e pediria ajuda a quem souber das causas ao tal hábito: costumavam, quando da Sexta-feira  Santa para o Sábado de Aleluia, à madrugada, fazer uma verdadeira baderna na rotina da paz e status quo da vida dos habitantes locais. Vários grupos de rapazes saíam às ruas, para tumultuar o transcurso rotineiro dos hábitos do pacato  sítio, provocando a desordem, a fazerem trampolinagem e arruaças, com a finalidade de surpreender a população, ao amanhecer. Entre os atos, constam obstruções de vias públicas, onde atravessavam canoas, lanchas e carroças no meio das estradas; amarravam os portões das residências com bastante cordoalhas, dificultando a abertura, pelo cidadão, na manhã seguinte; colocavam estivas, vaus ou rolos (estrados de carreiras usados para puxar as embarcações miúdas na praia) em pé, encostados nas portas para que quando fossem abri-las, caíssem para dentro de casa.
            Não se tem certeza da razão, motivos ou referências que deem lógica a esses atos. Os pescadores mais antigos supõem ser uma representação sadia, da indignação do povo contemporâneo de Cristo, por terem matado o Mestre Jesus, um inocente, e os componentes desse povo, revoltados, investiam contra todos e tudo que figurassem como responsáveis pela morte do Messias. Mas isso era praticado  na mais perfeita ordem da expectativa alheia, já ciente da possibilidade do inesperado e dos atores, filhos dos estimados compadres e amigos. 

Ah santa Rebaldaria...
Que o povo português
Tanto uso dela fez
E eu não sei por que seria,
Mas creio, por rebeldia
Contra a morte de Jesus
Crucificado na cruz
Mesmo sendo um inocente.
Por revolta, de repente,
A rebeldia faz jus.

Soltam cavalos, cabritos,
Galinhas, vacas, carneiros,
Prendem gente no terreiro
De suas casas, por ritos
Antigos, presos a mitos
Incertos da verdadeira razão
Ou o porquê dessa ação.
Como um ato marginal,
Por laços a Portugal
É feito por tradição...


47 comentários:

  1. É bom ter uma casinha num sítio assim...
    Tradições amigo, coisas do passado.
    Mas os portugueses não foram nenhuns santos.
    Um abraço amigo.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  2. Oi Silo,
    Esqueceu da lua?
    Eu vou por Rebaldaria, as outras seriam similares.kkk
    Se fosse jovem entraria na bagunça, agora deito e durmo.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  3. Tradições que vão atravessando gerações.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Uma delícia ler teu texto recheado de tradição e espírito pascal
    Bem a propósito da quadra.
    Parece-me inspirador esse torrão natal. E uma casinha em frente ao porto pesqueiro é mesmo um privilégio. Depois vem um pouquinho da história de um povo aventureiro: o português.
    Soube-me bem passar por aqui. Enriquecida com esta rebaldaria.
    Bem hajas.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Um belo texto reflexivo, o qual originou uma magnífica poesia. Ambos valorizando a tradição e a cultura de um povo. Vim com imenso prazer retribuir sua visita ao meu blog e me encantei com o que aqui encontrei. Obrigada pela visita, pelo lindo poema e por me seguir. Volte sempre ao meu ser tão poético, será bem vindo e, igual prazer irei te seguir. Beijos cheios de ternura!

    ResponderExcluir
  6. Antes de mais ... obrigada pela visita e pela excelente partilha!!!

    ResponderExcluir
  7. Antes de mais ... obrigada pela visita e pela excelente partilha!!!

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde amigo,
    Obrigada pelo seu comentário poético tão bonito no meu Canto.
    Adorei este texto muito bem escrito assim como o poema.
    É muita estranha essa forma de os portugueses se manifestarem, uma vez que actualmente em terras do Norte e do interior ainda existem manifestações de rua muito ordeiras e pacatas de religiosidade nesses dias santos e festivo. Não me recordo de alguma vez ter ouvido falar de em qualquer sitio de Portugal haver manisfestações desse género.
    Bj
    Ailime

    ResponderExcluir
  9. Que ll9indo tudo aqui,Silo.Gostei muito! E aproveito pra te agradecer o lindo carinho que deixaste lá no blog dos céus! Adorei! Estou esperando um céu teu, clicado por ti e quiseres mandar pra mim, pois tenho tantos de vários amigos! abraços,chica

    ResponderExcluir
  10. Rebaldaria é um termo popular que se usa bastante precisamente para o caos que se instala devido, sobretudo, a atos irreverentes. Até te ler, não fazia a mínima ideia de tal tradição. Há alguns rituais com algumas semelhanças mas que ocorrem em outras épocas, nunca nesta. Por tal, agradeço muito a partilha. Parabenizo-te pelo belo poema que inspirou e desejo que, essa casinha, te proporcione sempre momentos muito bons.
    Bjinho, Laerte :)

    ResponderExcluir
  11. Rebaldaria é um termo popular que se usa bastante precisamente para o caos que se instala devido, sobretudo, a atos irreverentes. Até te ler, não fazia a mínima ideia de tal tradição. Há alguns rituais com algumas semelhanças mas que ocorrem em outras épocas, nunca nesta. Por tal, agradeço muito a partilha. Parabenizo-te pelo belo poema que inspirou e desejo que, essa casinha, te proporcione sempre momentos muito bons.
    Bjinho, Laerte :)

    ResponderExcluir
  12. Silo, buenas noches, encantada de topar por este tu blog, y agradecida de tu visita a nuestra casa, mi, nuestro blog, gracias por compartir, tu tiempo en leer, y tu agradable comentario.

    Bonito puerto, bonita foto, y estupendo texto, me cuesta entender algunas palabras, pero al final creo que lo conseguí.

    Un sincero abrazo amigo, y pasare a visitarte cuando eso llamado tiempo, la mayor fortuna del que lo posee me de tregua.
    felicitaciones, amigo Silo

    ResponderExcluir
  13. OI SILO!
    TRADIÇÕES ANTIGAS QUE MUITAS VEZES NÃO ENTENDEMOS MESMO, MAS TODAS ELAS TEM UMA MOTIVAÇÃO E ESTA COMO JÁ DISSESTE, DEVE ESTAR MESMO LIGADA AO FATO DA PAIXÃO DE CRISTO.
    MUITO INTERESSANTE TEU POST.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá Silo,

    Estranha essa tradição, que de "Santa" nada tem, apesar de praticada "na mais perfeita ordem da expectativa alheia"-rsrs. Contudo, tradição é tradição. Desconhecemos, muitas vezes, a origem de determinadas tradições, mas todas elas carregam alguma motivação.
    Adorei o poema, que retrata lindamente as suas explicações feitas em prosa.

    É um privilégio ter uma casa de praia em frente a um porto pesqueiro. Aproveite-a sempre!

    Obrigada pelo lindo Soneto que você deixou lá no meu recanto.

    Feliz semana!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Silo
    uma tradição meio estranha e original.
    gostei de ler.
    agradeço a sua visita lá no meu espaço das fotos, mas, gostaria que me desse a sua opinião, ao meu ultimo poema.
    muito obrigada!
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  16. Caro amigo Laerte, nada como juntar o útil ao agradável, ou seja, poetizar a tradição histórica, ainda de quebra fazer uma homenagem interessante ao povo português. Um abração. Tenhas uma ótima quarta-feira.

    ResponderExcluir
  17. Amigo Laerte, conhecia a palavra mas não essa tradição tão original e com origem portuguesa.
    Esse local deve ser um verdadeiro paraíso.

    Excelente como sempre, o seu poema .

    Um beijinho grato

    O Toque do coração

    ResponderExcluir
  18. Para já um obrigada pela beleza de poesia que deixou, Silo!
    Fiquei um pouco admirada por nesta época fazer-se essa rebaldaria, quando em Braga - minha cidade-berço - é tudo menos isso. Mas costumes são por vezes de difícil explicação.
    Bom fim de semana!
    *

    ResponderExcluir
  19. Muchas gracias por el poema que me has regalado, un placer tu visita a mi rincón.

    Me quedó descubriendo el tuyo.


    Besos.

    ResponderExcluir
  20. Acabam de entrar lá os céus de vocês! Obrigadão! Podem ver aqui>

    http://ceuepalavras.blogspot.com.br/2017/04/ceus-do-silo-lirico.html

    abraços, chica

    ResponderExcluir
  21. Tradições, algumas vão-se perdendo no tempo mas outras continuam sempre presentes.
    Lindo poema.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  22. Caro Laerte, aqui em Portugal, "Rebaldaria", significa que algo não tem organização, foi feito sem pensar, está caótico. Utilizamos muito esta palavra. Naturalmente para classificar algo como disse de forma depreciativa. Cumprimentos.

    ResponderExcluir
  23. Felizmente, as más tradições - neste caso anárquicas - perdem-se no tempo, com exceção para as que rendem dinheiro, como a tourada ou jogos de azar...
    Gostei da leitura e agradeço o conhecimento.
    Excelente fim de semana.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  24. Laerte, te agradezco mucho el bellísimo comentario que dejaste en mi Blog! Me quedaré leyendo tu espacio que es muy bello! Gracias!

    ResponderExcluir
  25. Hola Silo que lindas huellas me dejas en mi blog bellísimo muchísimas gracias gracias bella poesía a disfrutar de ese viaje , un abrazo desde mi brillo del mar

    ResponderExcluir
  26. Vengo a conocer tu casa y darte las gracias por tu bella huella en mi isla de luz. En si mismo tu comentario es un poema que da luz a las letras desde tu sentir y hace aun mas bellos los lugares que transmites con tu latir.

    Un abraz☆ de luz a tu luz

    ResponderExcluir
  27. Muito interessante o relato, uma lição aprendida, sempre bom aprender algo novo.
    Aqui no Brasil , a tradição continua em evidência, do sábado para o domingo de Páscoa preparam um Judas cheio de trapos e saem pelas ruas arrastando, em determinado ponto realizam a " Malhação do Judas", batem até rasgá-lo, é o protesto pela morte de Jesus. Como diz o ditado bem antigo: Cada terra tem seu uso, cada roca tem seu fuso.
    Bom dia e boa sema Laerte.
    Abração

    ResponderExcluir
  28. Oi, Laerte, não conhecia essa tradição, não, original sim e um pouco rebelde (rs). Mas se for pela crucificação, pode ser válida...Há os que contestam por muito menos e são aplaudidos...
    Mas ter uma casa à beira-mar...ter para onde dar muitas fugidas no ano, é maravilhoso.
    Abraços dos pampas!

    ResponderExcluir
  29. Esqueci de falar no belo poema!
    Gostei muito! E que ritmo gostoso, agradável, nos empurra pra frente para ver o final, a apoteose!
    abraço.

    ResponderExcluir
  30. Gostei de encontrar aqui a tradição da rebaldaria, palavra muito usada ainda por cá para classificar situações de caos... Achei muito interessante o poema.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  31. Não me lembro dessa tradição (mas também cresci na cidade do Porto), vou procurar saber mais.
    uma boa semana também
    e um beijinho
    (e obrigada pelas ideias/conselhos para escrever o texto lá no dona-redonda)

    ResponderExcluir
  32. Tudo bem, Laerte?
    Dias poéticos e muito felizes.
    Saudações cordiais.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  33. Amigo Silo
    Fiquei muito satisfeita por ser meu seguidor.
    Não sabia nada sobre esta tradição, mas devo dizer-lhe que o termo ribaldaria existe e é muito utilizado, quando queremos dizer que algo está em desordem.
    Fazer tudo «à balda» significa de qualquer maneira, sem nos preocuparmos com o resultado final.
    «Baldar-se» pode ser, para os jovens, por exemplo, faltar às aulas; ou não se importar com nada.
    Gostei muito da imagem, da referência à Cruz de Malta, do texto e do seu poema.
    Parabéns.Já vou ficar seguidora.
    Continuação de uma excelente semana.
    com amizade
    beatriz

    ResponderExcluir
  34. Caro amigo
    Após várias tentativas, o Google Chrome não me deixa ser sua seguidora, mas virei aqui na mesma. Diz que há Error e acrescenta um número.Vou «baldar-me» para o Error e dizer-lhe que voltarei mais vezes.
    Beatriz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beatriz, você só está no g+ ou tem um blog também? Pelo que pesquisei você tem g+ e posta coisas diversas, é isto? Creio que quem tem conta gmail, tem condições de seguir outro de conta gmail. Seu e-Mail é gmail? Fico feliz em ver você no meu espaço, mas gostaria também de ir ao seu. Grande abraço. Laerte.

      Excluir
  35. Oi Silo,
    Cada povo com sua tradição
    E quem pode contestar?
    Ninguém...
    Abç
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  36. Meu amigo Laerte também não sei o que significa a "Baldaria", que é objeto tanto da tua crônica como do teu poema. Como se trata de novidade para mim esse costume da tua Armação do Itapocoróy e como não tive a sorte de ter vivido na tua terra natal, por pouco tempo que fosse, como aconteceu com Blumenau, em nada poderia ajudar-te para descobrir o exato significado substrato cultural.
    De qualquer forma, Laerte, pude ver o que temos que descobrir ainda de toda a cultura que foi legada por nossos antepassados de Santa Catarina, descendentes dos portugueses (mais tarde vieram povoar esse Estado e o Sul do Brasil povos oriundos da Alemanha, da Itália e da Polônia, entre outros em menor número). Parabéns.
    Um grande abraço. Pedro

    ResponderExcluir
  37. Bom dia Silo Lírico.
    Tive duas gratas surpresas. A primeira ao receber o seu tão lindo comentário-poema em meu espaço, a segunda trata da recepção tão repleta de história e arte sensível.
    Não conhecia tal costume. O poema é incrivelmente musical, parabéns!
    Seguindo, com muito gosto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  38. Olha que tradição tão interessante! E nada habitual na época de Quaresma.
    Por cá há algumas tradições assim, mas na altura do Carnaval, mesmo antes de entrar na época de recolha da Quaresma.
    Talvez o mais parecido que há por aqui, é uma tradição de uma cidade perto da minha terra, onde fazem uma "queima do Judas", que consiste num espectáculo de teatro, música, fogo de artifício e onde se aproveita para chamar à atenção de certas questões "difíceis" que tenham acontecido nesse ano.
    Continuação de boa semana :)

    ResponderExcluir
  39. Hola buen poeta, da gusto leer tus poemas y este que nos dejas tiene su encanto por estar dedicado a la tradición de un pueblo, tu pueblo que si he entendido bien, es tu pueblo natal. El cual te vio nacer y crecer, eso tiene un gran mérito, por lo menos para mí. Cada pueblo tiene sus particulares tradiciones.

    Bien, quise ponerme de seguidora, pero no me deja Google.
    Lo siento. Gracias Poeta, por tu buen hacer, por tu gran sabiduría.

    Te dejo un beso. Y se muy ,muy feliz.

    ResponderExcluir
  40. ¡Ay, Maestro! Que contenta me dejas. Mil gracias por la felicidad inmensa.

    Un abrazo. Y mi inmensa estima.
    Se muy -muy feliz.

    ResponderExcluir
  41. Olá, estimado Laerte!

    Espero k a sua Páscoa, tal como a estada em sua terra natal tenham decorrido o melhor possível.

    Esse termo "rebaldaria" ainda hoje é usado por cá, quando há confusão, tumulto, desordem, balbúrdia, enfim, tudo ao "molho e fé em Deus", como costumamos dizer por cá, mas eu creio que esse costume português na madrugada de 6ª para sábado, tanto aí, qto aqui, no tempo dos meus pais e no Alentejo, a rapaziada fazia isso, talvez de uma forma mais branda, por ficavam mto felizes com a ressurreição de Jesus Cristo, k acontecia no sábado de manhã. Agora, é no sábado à noite.

    Não sei comentar em verso, amigo, daí minha prosa.

    Um big abraço.

    ResponderExcluir
  42. Oláá! Tudo bem?
    Muito bom visitar a terra natal né? Ainda mais na Páscoa, data tão especial!
    Gostei muito de saber mais sobre a Rebaldaria, não sabia nada disso..
    E também adorei o poema!! ^^
    beeijo

    http://lecaferouge.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  43. Depois de vários comentários, recebi verbalmente do Padre Capelão da Irmandade da qual sou irmão, um relato extraordinário. Contou que em município vizinho à Armação do Itapocóy, onde os habitantes tinham a mesma tradição, um jovem, rapagão cometeu em sua rebaldaria, um exagero ao arrancar uma porteira de uma pastagem e atravessá-la na estrada. O fazendeiro que teve um plantel de gado solto, descobriu a autoria, prestou queixa na delegacia, o delegado chamou os autores e prendeu o líder. Logo depois esse moço começou a namorar com a filha do delegado e sem problemas casaram e foram felizes para sempre.
    É!...Histórias da Memória que serão História.

    Agradeço a todos e a cada um pelos comentários e informações preciosas ao memorialista que aqui me faço. Grande abraço a todos. Laerte.

    ResponderExcluir
  44. Um belo casamento este feito de prosa e poesia.
    Gostei de ler .
    Brisas doces

    ResponderExcluir