Linguagem[+]

domingo, 12 de julho de 2020

O COQUEIRO DA TRAVESSA CARREIRÃO


FOTO DA PALMEIRA À TRAVESSA CARREIRÃO, TIRADA DA JANELA DO NOSSO APARTAMENTO DE ONDE ASSISTI SUA LUTA COM UM INCLEMENTE "CICLONE BOMBA"

PALMEIRA DA MESMA ESPÉCIE A DA TRAV. CARREIRÃO, SITUADA ATRÁS DE NOSSA CASA DE PRAIA.


Na pandemia, a quarentena é estressante. Além das janelas da casa e das janelas virtuais, resta-nos as dependências do lar. É um olhar ao infinito além do monte ou do mar e o se sentir junto ao lar como refúgio divino, porém por tempo contínuo, torna-se maçante e tão vago feito minúsculo espaço. Dormir demais não compensa à aridez do cotidiano entre quarto, banheiro, sala e cozinha onde o perigo tem seu reinado do vinho e de outras iguarias desafiando o marasmo psíquico que nos quer compensar pelo estômago, já que o dolce far niente torna-se cansativo e irritante. Assim, eu enxergava as coisas até a data de um “Ciclone Bomba” dar-me outro ângulo de visão. Ciclone esse, inclemente e muitos estragos provocou à nossa cidade, derrubando inúmeras árvores que interromperam o fornecimento de energia elétrica, porém, certo coqueiro permaneceu em pé, embora parcialmente despalmado.
Na minha rua está esse coqueiro, palmeira típica tropical brasileira enorme, quase centenária, que bravamente resistiu, incólume, à ventania. Palmeira essa, da mesma espécie das quais navegadores franceses, no século XVII, levaram sementes e plantaram-nas na costa do Mediterrâneo onde, até hoje, enfeitam a orla marítima, cuja palma representa a “Palma de Ouro” (Palme d'or), prêmio de maior prestígio no Festival do Cinema de Cannes.
Pois bem, a luta titânica que assisti, entre o coqueiro e o ciclone, me fez refletir, para trabalhar muito e produzir dois livros – um romance e um livreto de poemas. Assim, compus uns versos ao meu ídolo – o coqueiro da Travessa Carreirão. Eu, empenhado na produção das obras,  estou há muito tempo fora da blogosfera – perdão!


O COQUEIRO DA TRAVESSA CARREIRÃO

Na travessa Carreirão
Há um coqueiro imponente
E, igual a mim, ele sente
Que fazer esforço vão
É inútil. Toda ação
À reação é sujeita:
O coqueiro quase deita
Perante forte ciclone
E eu, na noite insone,
Tive dele uma receita.

Ventou até madrugada.
Da cama, ouvi o zunido
Do vento ao coqueiro erguido.
Da janela envidraçada,
Vi a refrega; e a cada
Palma perdida no vento,
Era um novo movimento
Que o coqueiro procedia,
Numa atmosfera fria,
Descabelado ao relento.

Estrebuchava em gemidos
E a cada perda de palma, 
Me doía dentro d'alma 
E me feria os ouvidos, 
Mesmo tendo meus sentidos
No estremecer da vidraça.
Pensava: se ela estilhaça,
Meu corpo é jogado à rua,
Como pena que flutua 
Por pouco peso da massa.

Ele, perante o perigo,
Vergava, mas quebrar não.
Arcando, quase ia ao chão
E voltava ao estado antigo.
Então, eu pensei comigo
Diante da pandemia,
Que a quarentena podia,
Feito ao coqueiro no vento,
Ser excelente momento
Para uma análise fria.

Senti que ao vento, inclemente,
O coqueiro se torcia
E, eu, ante a pandemia,
Estava em estado latente,
Condenado e impotente,
Submisso à quarentena
Com foça vã, tão pequena
Que ela me tolhia em tudo
Feito cego, surdo e mudo
Sujeito à suprema pena.

O coqueiro reagia
Em luta de vida ou morte
Contra o ciclone tão forte
E, eu em minha letargia,
Àquela briga assistia
Com vergonha do meu ser
Covarde, sem o poder
Do coqueiro lutador.
Pensei: do jeito for,
Algo vou ter que fazer.

Eu produzi duas obras
Nesta útil quarentena.
Senti que valeu a pena!
Feito veneno de cobras
Que mediante manobras
É o antiofídico soro,
Eu, sem lamento nem choro,
Tomei lição com o coqueiro
Que permanece altaneiro,
Com muito garbo e decoro.




28 comentários:

  1. Que beleza de poesia e bem merecida homenagem ao coqueiro que bravio ,em meio ao ciclone bomba, resistiu.Ainda bem. Linda foto! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Um belo poema, no relato de uma situação terrível. Enfim a natureza dá-nos grandes lições.
    Abraço, saúde e uma boa semana

    ResponderExcluir
  3. Caro Laerte,
    O poema é singelo... Já esse momento qual o Mundo passa (e pelo visto, tudo isso ainda irá longe), sendo extremamente preocupante para todos nós.
    Meu bom amigo, estamos “emoldurados nas janelas dos nossos apartamentos e casas”, apesar de alguns tantos, acreditarem que está tudo normal, dentro do anormal.
    Abraços e cuide-se!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Laerte!!! Que bom que você apareceu, sem dúvida essa quarentena está nos fazendo refletir em muitas coisas na vida, o que realmente vale a pena e muitas comparações que fazemos. Mas aí deu para trabalhar, produzir, e eu gostei muito de ler! Estão todos bem por aí? Aqui estamos presos, mas tranquilos! Também arrumando muitas coisas, lendo e escrevendo... Gostei da tua crônica sobre a briga do coqueiro ( Coqueiro bagual!) com a ventania infernal, acompanhamos tudo, Floripa ficou arrasada e aqui foi mais no interior. Horrível.
    Uma boa semana que se inicia e um beijo pra vocês!
    Cuidem-se, a maré não está pra peixe...

    ResponderExcluir
  5. E "O COQUEIRO DA TRAVESSA CARREIRÃO"...não podia ter deixado esse lindo poema de fora!!
    ADOREI!
    BJ

    ResponderExcluir
  6. Seja bem regressado!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  7. Caro Laerte, le tue poesie sono veramente molto belle.
    Ciao e buona settimana con un forte abbraccio e un sorriso:-)
    Tomaso

    ResponderExcluir
  8. Durante la cuarentena nos hizo fijar mas en lo que teníamos tan cerca que solo lo vemos por nuestras ventanas. Esas cosas en muchas ocasiones ni nos fijamos en ellas.
    En mi primera salida por la provincia pude ver que personas no conocían ciertos lugares de la provincia.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  9. Uma publicação fantástica!:) Amei 🍀
    ~~
    A Linha da Vida

    Beijo e uma excelente Semana.

    ResponderExcluir
  10. Ainda bem que conseguiu produzir literatura durante o confinamento. O coqueiro que resistiu ao temporal bem mereceu o poema porque o inspirou a ser também um resistente.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Olá lAERTE. Estive muitos meses sem passar pelo meu, assim como por outros blogs de amigos. Hoje aqui estou e vou rever parte do que perdi. Como já estou habituada, do Laerte sempre saem poemas interessantes, mas este o seu poema é também uma muito real descrição desse ocasional ciclone, interessante! Gostei de saber quão bem tem aproveitado este difícil tempo da quarentena mundial. Eu fui pintando algumas peças de porcelana e principalmente fui acompanhando por telefone e video-conferencia (oh grande invenção a do Zoom!) amigos que se sentem muito sós (talvez porque vou vivendo essa situação há 5 anos, 4 meses e 8 dias...). Agora vou tentando acompanhar melhor os blogs amigos. Boa semana, Laerte!

    ResponderExcluir
  12. Muito bom Laerte, que leitura agradável

    ResponderExcluir
  13. Olá Laerte, como esse coqueiro que luta pela sua pose temerária e bem composta, nós também temos que nos erguer e mostrar que guardamos
    em nós todas as bases do humanismo nestes tempos que desafia a nossa
    saúde física e mental!
    assim boa saúde para todos,
    gostei do texto e também perto, uma grande palmeira resistiu
    aos ataques de um bicharoco que derrubou centenas das suas irmãs!

    ResponderExcluir
  14. olhe veja qui a lenda da palma no brasão de Cannes (dá para traduzir para português):
    https://www.jaimemonpatrimoine.fr/fr/module/81/1231/le-saviez-vous-aux-origines-de-la-palme-d-or
    sempre um grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Olá Laerte,
    Magnífico poema, estou deliciada com tamanha inspiração poética, parabéns!
    Espero que esteja tudo bem consigo.
    Fique em segurança, abraço!

    ResponderExcluir
  16. Olá Laerte, lindo poema como sempre!
    Espero que esteja bem nessa pandemia!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  17. Maravilhoso poema Laerte, muito inspirador para esse momento que vivenciamos. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Uma inspirada e brilhante homenagem ao coqueiro que lutou e venceu, a força impiedosa do vento.
    Com perseverança e força também nós iremos vencer, esta terrível pandemia.
    Fique bem, um grande abraço

    ResponderExcluir
  19. Bem gosto dos coqueiros.

    Infelizmente não os há, por cá!

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  20. A natureza muito nos ensina poeta, a força e a garra da luta manteve o coqueiro em pé, e ele sem queixume apenas em seu silêncio continua a reinar dando risada pros ventos que não o conseguiram arrancar.
    Parabéns poeta, amei, que lição!

    ResponderExcluir
  21. Jaime, vim avisar que acaba de entrar tua foto por lá! Podes ver:

    https://fincandoraizes.blogspot.com/2020/07/garra.html

    Obrigadão! abraços, chica e lindo fds!

    ResponderExcluir
  22. Magnífico poema!
    Tive saudades de cá vir.
    Espero que esteja tudo bem
    Muito obrigada pelo carinho
    Um grande beijinho

    ResponderExcluir
  23. E não é que até o ciclone trouxe belos frutos, seu poema é maravilhoso e tenho certeza que os livros também são!!
    As batalhas foram significativas nesta noite!
    Parabéns, Laerte!

    ResponderExcluir
  24. Olá Laerte querido


    Fico feliz em saber que essa quarentena trouxe algo bom.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  25. Brilhante, o poema... e a profícua lição retirada de tão titânica luta!
    Votos de que suas obras sejam o maior sucesso, Laerte! Pelo menos, só a sua concretização, já produziu bons frutos: Não deixar afectar-se emocionalmente, com esta pandemia mais do que a conta... ocupando o tempo de uma forma bem produtiva!...
    E convém estarmos em boa forma para continuar a dar luta a esta pandemia... que já demonstrou ser uma maratona, por mais algum tempo, e não uma corrida de sprint... que temos de vencer!
    Um grande abraço! E votos de tudo a correr pelo melhor, aí desse lado... com saúde, tranquilidade... e resiliência!...
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir