Linguagem[+]

domingo, 10 de maio de 2020

HOMENAGEM ÀS MÃES




Diferente de outros países, o dia das mães, no Brasil é comemorado no segundo domingo de maio, mês dedicado à Maria Santíssima, Nossa Senhora. E nada mais sublime que a comparação de mãe com essa santa mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, para homenagear esse ser augusto – A MÃE em seu dia. Então no DIA DAS MÃES, externo a todas as mães os meus cumprimentos, votos de felicidades e grande amor.

 MÃE!

Mãe, que não rima com nada,
Era de rimar com tudo
O que até na boca de mudo
Sinto-a pronunciada.

Palavrinha idolatrada
Pequena/enorme, e contudo,
Mais forte que um escudo,
Mais fraca que água parada.

Mãe, mamãe ou mãezinha,
O nome é uma ladainha
Repetida o tempo inteiro.

Eu, como perdi a minha,
A lembrança que eu a tinha
Encontro-a no travesseiro.


Dia das Mães é um dia que se passa /
No mês de maio, sagrado à Maria, /
A mãe de Deus. Que as mães neste dia /
Recebam dela a consagrada graça /
De luz e bênção, a luz que se enlaça /
Ao filial amor, do qual me ufano /
Por ser amor de Deus Pai Soberano. /
Então, que o dia seja só de amor! /
O amor que traz amor, e aonde for /
Dará a luz que dá à luz ao ser humano.

MÃE

Quando Deus criou o mundo
Sentiu um vazio profundo
Por não haver poesia.
E para existir tal arte
Faz o homem, dele cria
A mulher musa e reparte
Com ela, luz que procria.

E surge  a mãe criadora
Que é poesia e que fora
Concebida como um ente
A ser extensão de Deus, 
Perpetuando a semente
Em humanos filhos Seus
 Por amor e eternamente.

Ser mãe é ser luz eterna
Qual pequenina lanterna
A iluminar com fulgor
Enorme, e sua luz irradia
Com raios de muito amor,
Esperança e poesia,
De raríssimo esplendor.

Dia das Mães é de luz,
Maior que outros, e  induz
O amor n’alma e coração
De filho reconhecido
Para a tal consagração
Do mortal ser, no sentido
Da luz à procriação.







.

36 comentários:

  1. Lindos poemas.Obrigad'ao pela minha parte! Valeu a homenagem! abra;os, chica

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente maravilhoso. Li e reli puramente fascinado com tão delicioso poema dedicado às mães. Emocionante mesmo.
    .
    Um domingo de amor, paz e bem
    Cuide-se

    ResponderExcluir
  3. nos é no fim de mes de maio que poema tao bonito parabens bjs

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Laerte
    Uma carinhosa e comovente homenagem em poemas tão plenos de amor
    Emocionada meu caro amigo
    De minha parte obrigada
    Um domingo coroado de amor
    Beijinhos e sorrisos

    ResponderExcluir
  5. Oi Laerte, certamente teve uma mãe dedicada ao fazer tão lindos poemas em homenagem a elas, querida mães!
    Tenha as melhores lembranças, abraço!

    ResponderExcluir
  6. Caro Laerte,
    Tem uma frase minha que diz:

    “Ser mãe é uma missão que cem homens não realizam. É amar de maneira incontida. Ser mãe é ser completa... Bonita. É saber se fazer entender no lar, no amar, na vida. Eu não nasci para ter Pátria... Eu tenho MÁTRIA!”

    Bela essa tua homenagem!
    Um abraço! E cuide-se!!!

    ResponderExcluir
  7. Caro Laerte, non finiremo mai di elogiare le nostre cari mamme.
    Ciao e buona settimana con un forte abbraccio e un sorriso:-)
    Tomaso

    ResponderExcluir
  8. Divino... Divino!!🌹🌹🌹🌹
    -
    O que diz o meu olhar ...

    Beijo e uma excelente noite.

    ResponderExcluir
  9. Lindíssima homenagem!
    Mãe não rima com nada mesmo dizendo tudo que o amor diz. Por meio de inúmeras linguagens.
    Obrigada por esta postagem.
    Até breve

    ResponderExcluir
  10. Que lindo, Laerte, poema terno, tantos elogios às mães, recebo e penso na minha mãe que está lá em cima, brilhando talvez como uma estrelinha. Muitas saudades!
    Muito obrigada, amigo, um beijo também à Sandra, felicidades sempre!
    bjs.

    ResponderExcluir
  11. Festejou-se aqui com muito sol e muito calor.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  12. Un hermoso y tierno poema que me ha encantado leer. Gracias por la parte que me toca como madre. Un bello homenaje.
    Aquí en España es el primer domingo de mayo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  13. Belíssima homenagem à Mãe! Simplesmente maravilhoso!
    Espero que esteja tudo bem com o Laerte.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Olá Laerte, amei a homenagem às mães e a Nossa Senhora.
    Elas merecem, parabéns!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Olá amigo Laerte, tudo bem?
    Que linda homenagem para o dia das mães, realmente elas merecem toda a nossa reverência e carinho. São as guerreiras que batalham a vida toda para ver os seus filhos felizes e encaminhados. Adorei os poemas, retratam todo o amor pelas mães.
    Um abraço e se cuide!

    ResponderExcluir
  16. Bela homenagem.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    Sigam no Instagram
    @donahilariadagraca

    ResponderExcluir
  17. Gostei desta sua homenagem às mães tão cheia de poesia.
    Um bom fim de semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Gosto desta sua homenagem às mães que só hoje li, mas como eu sempre digo, mãe é profissão sem aposentadoria e todos os dias são dias da mãe.
    E como mãe agradeço a homenagem.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  19. Olá amigo Laerte.
    Sua homenagem reflecte a sua sensibilidade.
    E a sua mestria.
    Um abraço poético.
    Megy Maia🌈

    ResponderExcluir
  20. Estimado Laerte.
    Ao tempo!
    Estive por esta altura em pausa, pelo que, nem reparei
    neste belíssimo 'post' poético que dedicou às mães.
    Uma maravilha que agradeço, enquanto mãe.
    Encontrei-o na página do Pedro de Macau e vim à sua procura,
    pensei que tinha ido para a sua casa de praia.
    Desejo-lho tudo pelo melhor, fintando o tal Covid-19...
    O meu cordial abraço.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  21. Aqui o dia da MÃE foi no primeiro domingo de Maio, mas, como me sinto luso brasileira, aceitei com muito gosto esta tua bela homenagem as Mães, Muito obrigada, querido Amigo! Infelizmente, perdi a minha no dia 16 de Fevereiro; mora aí no Brasil ( para mim continua viva ) e decidiu que seria melhor festejar os 90 anos( a 16 de Março) junto do seu amado que já partiu há três
    também com 89 . É assim...a vida manda e escolhe a data da nossa partida. Beijinhos, Amigo e mais uma vez, obrigada! Espero que estejam todos bem aí em casa
    Emilia

    ResponderExcluir
  22. Não interessa o dia, até porque todos os dias são bons para homenagear as mães.
    Abraço

    ResponderExcluir
  23. Pois é, meu amigo Laerte Tavares (amigo de meu pai – e da mãe - amigo meu certamente também és). Aliás, o nome Laerte eu ouvi dezenas de vezes repetidos, quando morava com meus pais. Contavam eles muitas histórias engraçadas, tendo o Laerte como personagem, e uma delas diz respeito à suposta briga em Itajaí. Um dos brigões fez menção de tirar uma navalha do bolso da calça, quando um dos que se deliciavam com a contenda disse ao outro brigão: “Vai que é pente.” Pior é que não era pente, e deu no que deu. Acho que o pai exagerava um pouco sobre as tuas histórias. Sem falar na União Blumenauense de Estudantes, que vocês integraram. Até hoje o pai diz, no jeito dele: não te esquece que fui presidente da UBE!
    Parabéns Laerte pela tua aclamação como um dos escritores integrantes da Academia Catarinense de Letras. Certamente, um orgulho para parentes, amigos e conterrâneos.
    Parabéns também pelo excelente poema MÃE em homenagem às mães do Brasil.
    Um grande abraço Laerte (e também à Sandra, tua esposa, que me viu primeiro no teu blog).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Alexandre! Aquela história da briga na faixa do cais é verdadeira e me marca até hoje, do tempo de ginásio com treze ou quatorze anos de idade, por ter sido voz corrente no meio estudantil e levada por gozação. Mas foi, os marinheiros usavam muito a navalha de barbear como arma e tinham habilidades incríveis com ela - chegavam a lançá-la aberta (amarrada por um barbante na haste onde a abre) na garganta do oponente, puxá-la pelo barbante que a fechava para o reencontro com sua mão. E o tal Pipi era um valentão da faixa do cais que quiz bater o pano de um marinheiro franzino. Quando o marinheirinho se coçou no bolso de trás para apanhar a navalha, o tal de Altino, comparsa do valentão, que observava à distância, sentenciou: "Vai Pipi, vai que é um pente!" - como se o outro estivesse a blefar, pois também se usava o pente nesse bolso da calça para assentar a brilhantina oleosa no cabelo. E quando o tal Pipi quiz se aproximar para empurrar o oponente, recebeu uma navalhada no rosto, com uma rateira de imediato, se estatelando no chão, sangrando. Daí começou a piada ao se ver que alguém está à iminência de embarcar em alguma fria: Vai, vai Pipi, é um pente!...
      Abraço cordial! Laerte.

      Excluir
  24. Laerte, gostei muito dos teus poemas em homenagem à Mãe. Estão juntos nos poemas o talento do poeta e o sentimento mais puro do filho. A Mãe pode não estar presente no seu dia, para receber as merecidas homenagens dos diletos filhos, mas mesmo ausente, por estar em outro Plano, o filho sentirá o seu doce toque, o som suave de sua voz; também na sua lembrança o filho estará sentado à mesa, na hora do almoço, esperando que a Mãe retire das panelas o que preparou para aquela hora sagrada, em que ouve a Mãe dizendo: !Come filhinho, para crescer forte, como teu pai e teu avô.

    Parabéns ao Poeta e amigo!

    Grande abraço Laerte.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  25. Uma tocante e sentida homenagem, Laerte, que muito me sensibilizou... as mães são um universo de amor... expresso numa palavra que não rima com nada realmente, (nunca me tinha apercebido de tal, ainda)... e que contudo, nos revelam o mundo, em pequenos exemplos, gestos e atenções... e por isso quando nos faltam... sentimos que nos falta tudo...
    Uma publicação notável e admirável, Laerte! Adorei cada palavra!
    Um grande abraço! Votos de uma excelente semana, e estimando que tudo esteja bem, aí desse lado... dada a preocupante fase, que este nosso mundo atravessa!...
    Ana

    ResponderExcluir
  26. Uma belíssima homenagem! Grata e parabéns!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  27. E sabe porquê?

    Porque mãe só há uma!...

    Uma boa semana, para si!

    ResponderExcluir
  28. A quem na vida se cria,
    Encontra em quem procria
    Desvelos, amor e bem,
    Cuidados que só se têm
    Por se ter a melhor mãe.

    Homenagear as mães que o sabem ser é sempre uma forma de respeitar a vida.
    Saudações poéticas.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  29. Madre no hay sino una. Tu poema exalta a la madre, como fuente de vida, de amor. Siempre habrá una razón para recordar amorosamente a la madre, así no sea en su día. Un abrazo, Silo. Carlos

    ResponderExcluir
  30. Aproveitando que passei por aqui, espreitando se acaso teria perdido alguma novidade, entretanto... deixo um abraço, e votos de um excelente fim de semana, com saúde, e tudo a correr pelo melhor, aí desse lado!...
    Ana

    ResponderExcluir
  31. Olá, Laerte!

    Espero que você e família se encontrem bem de saúde e bem longe da Pandemia.

    Tenho estranhado você na blogosfera, e agora reparei que desde o dia 10 de maio, que não posta. Espero que seja trabalho ou algo do género.

    Que big e terno post dedicado à Mãe, palavra que não tem rima, mas que rima sempre com amor, coração e doação.

    Gostei de todos os seus poemas. Mãe, de facto, há só uma.

    Abraços e bom domingo. Cuide-se!

    ResponderExcluir
  32. Boa noite de paz, Laerte!
    Só agora me deparo com uma formosura em torno da palavra mágica que é mãe.
    Estranhando sua ausência, vim lhe procurar, e por sorte, pude ler uma postagem que não havia passado, desculpe-me.
    Tenha dias abençoados e cuidados como sempre.
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  33. Olá, Laerte!

    Felizmente que você já está melhorando. Escrever muito é no que dá. Por vezes, também tenho dores no cotovelo, mas ligeiras.

    Tem de prosseguir devagar para bem de seus braços e antebraços.

    Sucesso e saúde!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  34. Deve estranhar, caro amigo Laerte, tão longa
    ausência (a cometar).
    Pois, me desculpe, mas estas coisas
    de contas google têm segredos que nem
    os deuses há-de deslindar.

    Finalmente posso faze-lo directamente - o erro da minha conta google esta' ok.

    Do poema "Mãe",
    Este ultimo que aqui tem,
    veio em Maio
    Veio para lembrar
    Que a nossa Mãe
    E' o nosso maior Bem.

    E' já tempo de saber como esta'
    Como e' viver neste tempo
    Novo
    De perigo, medo retido
    E se a saúde consigo
    Esta' instalada
    Para ficar
    Fugindo ao vírus
    Ate' o mesmo se cansar.

    (dele só queria aprender como e' sobreviver)

    Um forte e grande abraço, Amigo
    ('a distância, como convém)

    ResponderExcluir
  35. Estou passando para ler e para desejar um feliz dia de domingo.

    ResponderExcluir