Linguagem[+]

sexta-feira, 13 de julho de 2018

CANÇÃO À PENHA AOS SESSENTA ANOS DE EMANCIPAÇÃO



A minha terra faz anos - torrão do qual me ufano, sendo seu filho. Cedo  deixei seu calor. Fui ao mundo buscar luz a minha formação e me perdi no caminho de volta, não retornando ao destino para morar, por contingências da vida, mas nunca virei as costas para esse lugar, onde possuo um ranchinho às horas de lazer, em terreno que há mais de duzentos anos pertence a nossa família do lado materno. Para homenagear Penha, município que abriga minha pequenina pátria, Armação de Itapocoróy, praia de uma colônia de pescadores artesanais e ora balneária, onde tenho a pequenina casa de praia em frente ao mar, procurei fazer uns versos a ela. Dei de mim o melhor, crente de minha pequenez para enaltecer cidade tão maravilhosa, mas seguro estou que vale muito a intenção do meu coração tão grato, a compensar talento para compor os modestos versinhos.

CANÇÃO À PENHA AOS SESSENTA ANOS DE EMANCIPAÇÃO
Autor: Laerte Sílvio Tavares

Que Deus abençoe a Penha
E que o Espírito Santo
Ilumine cada canto
Desta terra! Que ela tenha
Na trajetória, em resenha,
Historicidade à glória
De sua própria memória
Já tão tradicional
Desde o tempo Imperial,
Que consta da sua história!

Penha te saúdo, então,
Pelo teu aniversário!
Consultando o calendário,
Já sessenta anos são
Idos, da emancipação
Política de Itajaí,
Porém tua história em si,
É lógico que vai além
Porque séculos já tem
E testemunha o Iriri.

Rio Iriri, que a vagar,
Segue à enseada, um espaço
Que se parece a um abraço,
Pois as pontas ao alçar
A enormidade do mar,
Forma o tal abraço amigo
Delimitando um abrigo,
Porto que o argonauta veio
Arribou, e nesse meio
Fez morada, em tempo antigo. 

Da Praia Alegre à Vigia,
Qual braço direito humano,
Tu cinges o oceano,
E dele fazes um guia
Que as tempestades desvia
A escoar no costão,
Dando total proteção
Aos nautas, lobos do mar
Com a tradição de pescar
Desde a antiga Armação!

Se o teu desenho é um abraço,
Oh Penha, tua alma pura
Forma a mais bela figura
Em teu divinal espaço
Como se fosses pedaço
Desse céu que te ilumina!
A tua imagem é divina!
Tens praias, vegetação,
Prados, montes e o costão
Encimado  por colina!

Teus filhos são descendentes
De intrépidos marinheiros
Que eram heróis verdadeiros,
Os baleeiros valentes!
São destemidos, tu sentes!
Homens forjados no mar
Que vieram a herdar
Essa veia de bravura,
Cujo mar por sepultura
Para eles é um altar.

És uma mãe generosa
De imenso coração!
Penha, teus filhos te são
Gratos! Tua alma goza
Da proteção poderosa
Do fogo e luz do Divino!
Oh Penha tens por destino
Ser luz, esplendor e brilho!
Mas aceite deste filho
Por favor, meu simples hino!


40 comentários:

  1. Eu gosto de lugares pequenos...
    Comovente homenagem ao torrão mater, hino muito belo, amoroso mesmo.

    Bj

    ResponderExcluir
  2. Ola Laerte, obrigada pelo seu comentário com uma linda poesia.
    Ficou linda a sua canção. Eu conheci a sua terra quando fui ao Beto Carrero.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom. Adorei a publicação:))

    Hoje:- Acordo, recordo-te em meu coração.

    Bjos
    Uma óptima noite

    ResponderExcluir
  4. Olá Laert, que bonita homenagem ao seu amado torrão!Gostei do trabalho.

    Votos de um feliz findi!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Excelente e muito significativa sua homenagem ao seu berço natal. Se não fisicamente, mentalmente sempre retornamos... Não há como esquecer nossas origens!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Caro Silo, a quanto ho capito, è una bellissima poesia, complimenti.
    Ciao e buon fine settimana con un forte abbraccio e un sorriso:-)
    Tomaso

    ResponderExcluir
  7. Parabéns à Penha pelo aniversário, parabéns ao amigo, pela poética homenagem. Muito boa.
    Abraço e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
  8. Laerte, é linda, linda esta sua homenagem à terra onde nasceu.
    Parabéns a si, pelos versos cheios de emoção e a Penha, pelos sessenta anos de emancipação.
    Abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia, Laerte!
    Bom a gente ter apreço à terra natal!
    Sinal de boa índole e gratidão.
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  10. A terrinha está de parabéns!
    Bom domingo :)

    ResponderExcluir
  11. Aos amigos da Leninha: quando tiverem oportunidade, por favor, façam uma visita ao seu blog (helena.blogs.sapo.pt), pois lá deixei uma postagem que diz respeito a todos os seus amigos blogueiros.
    Atenciosamente,
    Vera Lúcia

    ResponderExcluir
  12. Congratulo-me condigo pelos sexagemário de Penha e dou-lhe
    os meus parabéns pela canção com que a homenageia, onde
    brilha uma admiração e amor tocantes.
    Dias aprazíveis para si e família.
    Sem o meu habitual abraço amigo. por estar constipada...
    Saudações poéticas.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelos 60 anos de sua amada e sempre querida terra. Que viva a Penha!

    Os versos, a canção, expressam bem o que lhe vai no coração.

    Abraço, grande amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou uma pessoa tão desprovida
      de inteligência que nem para entrar
      no "Céu" eu consigo. Quero dizer,
      entrar na página da minha amiga,
      Céu. Portanto eu mando a ela um bei-
      jo, por aqui, mesmo.


      .

      Excluir
    2. Como você, há muitos que não conseguem aceder à minha página, mas desconheço o motivo. Talvez o Blogger não goste nadica de mim, mas k me importa isso, se tantos de vocês gostam (que convencida, eu sou -rs).

      O beijo, o seu beijo foi recebido, agradecido e retribuído. Depois desse, muitos se seguiram. Lembra, SA? Obrigada!

      Excluir
  14. Parabéns pela sua terra Laerte.
    Bonita tua homenagem. O poema é lindíssimo. Parabéns!
    Ótima semana!
    Abraço grande!
    Escrevinhados da Vida

    ResponderExcluir
  15. Um belíssimo hino à sua terra. Nele transpira todo o amor que lhe devota. Parabéns!
    Abraço, amigo Laerte.

    ResponderExcluir
  16. Lindíssima homenagem à terra que o viu nascer. Parabéns!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  17. Até a mim deu vontade de possuir
    um ranchinho à beira mar, perto
    de ti, poeta.

    Um abração e vivas à Penha, ter-
    ra do meu amigo Laerte.


    .

    ResponderExcluir
  18. Parabéns para Penha, que muito se deve orgulhar de o ter como "filho".
    Abraço

    ResponderExcluir
  19. Simplesmente maravilhoso! Parabéns Para a sua terra.
    =)
    Olhares e Deslumbres

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  20. Toda cidade merece um poema...não importe se pequena ou grande, nem onde fique...mas simplesmente por ser um lugar que permite que lá nasçamos e vivamos, vivendo as experiências onde Deus desejou que estivéssemos.
    Parabéns à sua Penha, por ter um representante de tanto talento literário!
    Abraços

    ResponderExcluir
  21. Hermoso homenaje y canto en versos el que le brindas a tan bello lugar...saludos

    ResponderExcluir
  22. Homenagear a terra natal com tão belo poema é um gesto digno de nota.
    Parabéns pelo poema, é excelente.
    Caro Laerte , continuação de uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  23. Linda homenagem. Que esta terra dê muitas alegrias e felicidades a você e sua família.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  24. Que homenagem mais linda!!! Em cada verso a gente sente o intenso amor que tens pela cidade na qual nascestes.
    Beijos e um domingo feliz!

    ResponderExcluir
  25. Olá Laerte, Um bonito e elegane poema em homenagem ao seu torrão, é louvável o carinho que demonstras, há pessoas que simplesmente esquece as origens. Fizeste bonito amigo!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  26. Belíssima homenagem à Penha!
    Boa semana, Laerte.

    ResponderExcluir
  27. paso a invitarte Silo a mi nuevo post de horas rotas y espero sea de tu agrado , recibe todo mis saludos y un fuerte abrazo y enhorabuena por tu esmerada labor poetica

    ResponderExcluir
  28. Tua terrinha é linda e mereceu essa bela homenagem! abraços, de volta, chica

    ResponderExcluir
  29. Oi, Laerte!
    Quanto carinho dedicado a sua terra, Penha. Me senti bem no ranchinho, experimentei o solzinho e fiquei imaginando os valentes marinheiros. Que bela homenagem à Penha!
    Abraços .

    ResponderExcluir
  30. Complimenti per le tue poesie, un tributo direi meraviglioso per una terra altrettanto meravigliosa, un immenso abbraccio!

    ResponderExcluir
  31. O bom filho à sua casa torna. Não é o que o povo diz?
    O amigo Laerte prestou uma homenagem significativa à Terra que o viu nascer: Penha.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  32. Maravilhosa homenagem, que mostra todo o seu apego, e amor, a esta terra, que creio ser lindíssima!
    Também eu, vou por estes dias, ficar um tempinho, numa terra próxima do mar... Ericeira! No meu último post, deixei um vídeo, onde dá para conhecer um pouco!
    Um grande abraço, Laerte! Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  33. O amor à terra e aos bons amigos é incondicional, o que unido à tua sensibilidade faz com que o versos fluam com metáforas plenas de nobles sentimentos.
    Que a vida vos siga proporcionando espaços no tempo plenos de vida.
    Um grande abraço para uma boa semana.

    ResponderExcluir