Linguagem[+]

quarta-feira, 12 de julho de 2017

BALADA


                                         web - balada cantada ao som dos alaúdes.

Mais uma incursão literária de meu espírito atrevido, mas não insolente, no âmbito da poética – querendo ele compor uma balada, e com o amparo da razão, colocamo-nos em campo de prova.
Balada é um poema estruturado de forma fixa com vinte e oito ou vinte e nove versos distribuídos em três estrofes de oito versos (oitavas) e uma estrofe de quatro (quarteto) ou cinco (quintilha) versos. A última estrofe tem o nome de oferenda ou ofertório, porque nela, o poeta oferecia sua composição a alguém ou fazia um pedido, normalmente de relacionamento. A estrutura métrica, quase sempre, era de versos octossílabos e as rimas cruzadas. Havia no conjunto ainda, o paralelismo que seria a repetição de um mesmo conceito nos versos finais de todas as estrofes.
Essas formalidades começaram a partir do séc. XIV na França, principalmente com Villon e na Alemanha com poesias narrativas folclórica ou tradicional. Já no séc. XIX Chopin usou esse título BALADA em quatro obras suas, ao piano. Porém, bem antes, os cancioneiros da Idade Média compunham baladas em forma de canto, acompanhado de coreografia e recitações líricas ao som da lira ou alaúde, mas sem rigidez na composição.
No Brasil, a balada teve maior prestígio na poesia parnasiana, que procurou reviver as formas fixas, abandonadas pelo romantismo. Olavo Bilac compôs excelentes poemas baseados inteiramente nesse estilo literário. Depois outros poetas as compuseram, mas já de maneira livre, sem as formalidades do início, que eu, ainda não aprendi a apreciar. Modernistas, ao exemplo de Osvaldo de Andrade, as fizeram arbitrariamente também. Vinícius de Moraes, pautou suas baladas no meio termo, obedecendo parte da forma fixa, e assim compondo excelentes poemas (ao meu gosto); uma das que mais aprecio, intitula-se BALADA DAS MENINAS DE BICICLETA. 

Para testar minha verve anã e pachorra gigante, compus um arremedo de balada dentro das formalidades, mas evidentemente com erros que meu saber não alcançou para corrigi-los. Espero que esse exemplo, mesmo sem poesia, sirva para elucidar os leitores ao exemplo do tema, e confesso que a empreitada me serviu de exercício “anti-alzheimer”. Portanto: Dever cumprido!... Por favor, não quero molestar ninguém – espero que gostem.

BALADA À CAROLINA  

Enxerguei a Colombina
Em trajes preto e amarelo,
Com certo olhar de grã-fina,
Mas de um sorriso tão belo
Que a sua aura ilumina
Este Arlequim sonhador,
Prende-se a minha retina
E à alma, plena de amor.

Nós dançamos. Por rotina,
Dançou ela. Em paralelo
Eu namorava a menina
Com a paixão que revelo
Ter pensado até ser sina,
Pois seu olhar sedutor
Misturou-se à serpentina
E incendiou-me de amor.

Sem a máscara malina
Vi a flor, cujo labelo
Em lábios se descortina
Como os de um anjo singelo,
Dando o nome, Carolina,
Feita uma mulher em flor
Ou flor humana e divina
Qual ramalhete de amor.

Carolina, por favor,
No carnaval és a amada,
Sê amante! A rigor,
Tu és a minha alvorada!
São teus, meus raios de amor!

34 comentários:

  1. O que eu aprendi com este post...
    Para além de apreciar o magnífico exercício poético da balada à Carolina.
    Laerte, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Laerte!

    Maravilha de aula e que exemplo!
    Poesia, poesia, sim! A sequência, delícia de versos!

    Beijos! =)

    ResponderExcluir
  3. Olá, Laerte!
    Obrigada pelo seu comentário.

    Gostei muito da sua balada , da sua grande musicalidade.

    beijo
    Nina

    ResponderExcluir
  4. O saber não ocupa lugar e daqui levamos cultura!
    Maravilhoso meu amigo, grato pela sua sublime delicadeza para com as palavras.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Olá amigo poeta, primeiramente grata pela visita e o comentário que deixou lá no meu blog, serás sempre bem vindo.
    Quanto ao seu poema e a introdução, devo dizer que nada mais é do que uma linda pérola de um grande poeta. Seu espírito não é atrevido, é poético. parabéns!
    Amigo lhe convido a conhecer meu outro blog e se gostar seguir, será um prazer.
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. linda balada! Beleza! abraços praianos, chica

    ResponderExcluir
  7. Uma bela balada, parabéns! :) Bom fim de semana.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  8. Ola,
    Aprendi bastante com esse post.
    Adorei a sua Balada.
    Bom final de semana
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Gostei demais de recuperar o conceito de balada, Meu caro Laerte. Sobretudo da Balada à Carolina. Um belo exercício poético.
    Sem querer confundir uma balada que não é balada no sentido aqui trabalhado, trouxe um poema que leva o título de Balada de Antonio Brasileiro:

    Balada da Paixão

    Enquanto os cavalos pastam
    a lua se despenteia.

    A águas do lago plácidas
    refletem suas ancas cheias.

    Lançam-se os cavalos à água
    a lua trêmula alteia.

    Crinas equídeas cavalgam
    as ondas - mortas na areia.

    Forte abraço, meu caro Laerte!

    ResponderExcluir
  10. Um post muito instrutivo. Eu não sabia nada de de sobre a composição de baladas.
    E gostei de ler a balada.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  11. hahaha, que ideia ótima dessa postagem, Laerte! Como não aprender?
    Achei sua balada muito interessante, fui acompanhando os compassos, o ritmo. Qualquer Carolina que por aqui aparecer vai amar sua balada!
    Grande abraço, meu amigo! Ótimo!!

    ResponderExcluir
  12. Olha que boa aprendizagem! E que bela balada!
    Abraço amigo Laerte!
    http://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  13. Gosto de baladas, e até diria que gostei sempre.
    agora posso dizer que fiquei a saber bastante mais daquilo que intuía saber.
    Agradecido quedo por isso.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  14. Confesso que baladas não fazem bem o meu estilo!
    Gostei de conhecer o blog!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  15. Devo ter aprendido na escola, mas já não me lembrava da definição de balada e gostei desta balada
    um beijinho e uma boa semana

    ResponderExcluir
  16. Bem criativo e educativo o seu espaço...adorei!
    Abraços meus nesse começo de semana.

    ResponderExcluir
  17. Olá, Laerte

    Não sabia nada sobre a feitura de baladas.
    Reconheço que é um exercício que requer arte
    e talento.Resultado: Gostei muitíssimo.

    Muito obrigada, meu Amigo.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  18. Laerte, obrigada pelo seu adorável comentário.
    Pela primeira vez na vida me oferecem um soneto. A sensação é gloriosa.
    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Bom dia amigo Laerte, grata pela partilha, eu nunca havia lido sobre a forma de compor "Balada". Em tudo que há metrificação sinto um travamento brutal da inspiração.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Muita criatividade. Gostei da balada a Carolina.
    Continuação de boa semana Laerte.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Meu amigo Laerte, ao teu excelente poema, "Balada", antecede um texto importante para quem é estudioso da poesia em todas as suas épocas, e de modo especial para quem se prepara para o vestibular de Letras ou outros, onde é exigido dos concorrentes conhecimento da poesia, no período Colonial, em que é uma das expressões Gregório de Matos, a técnica da escrita da poesia com métrica literária, em soneto e versos em que também a rima é obrigatória juntamente com outras figuras poéticas, dentre elas a metáfora, até a Semana da Arte Moderna, em 1922, em São Paulo, que possibilitou "o verso livre" e tornando rima facultativa. Parabéns pelo texto e pelo poema.
    Um grande abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  22. Encantada com essa postagem! A introdução nos revela grandes e preciosos conhecimentos sobre a estrutura e composição da balada e a sua Balada à Carolina é lindíssima! Em cada verso vejo e sinto a poesia pulsando forte. Beijos carinhosos, Lúcia Silva!

    ResponderExcluir
  23. Regressado de férias passo para deixar um abraço

    ResponderExcluir
  24. Voltei, meu caro Laerte, para degustar mais uma sábia lição (nova). Reli sobre a balada e aproveito para deixar um abraço,

    ResponderExcluir
  25. Cultural e poético.
    Maravilhosa balada.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  26. Feliz de quem
    pode levar os raios
    de amor
    a alguém que é
    ao mesmo tempo
    a sua alvorada...

    Abraço Laerte...
    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  27. Olá, estimado amigo Laerte!

    Já tinha pensado em você, mas estou em semi pausa bloguística, mas a partida aos 32 anos de nossa querida amiga Leninha, me fez voltar ao blog para uma merecidíssima homenagem. Agradeço tuas carinhosas palavras lá no blog.

    Gostei mto de ler a História da Balada, através dos tempos, pesquisada por ti. Tenho formação académica superior em História, e portanto fiquei que "nem peixe na água", como vulgarmente se diz.

    Sabes que gostei mto da Balada, que construíste? É mesmo Balada, sem tirar nem pôr, e como não poderia deixar de ser fala de amor. Ah, a bela Carolina será, sempre, uma amante a rigor, e não só no Carnaval, não. Agora, só falta musicá-la. Lamento não saber musicar letras, mas até parece que estou ouvindo já a música, os acordes, para tua excelente composição e tenho certeza que Alzheimer, se pensou vir, algum dia, te visitar, já desistiu.

    Beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
  28. Gostei de conhecer e sua Balada é belíssima.

    Bjs

    ResponderExcluir
  29. Laerte
    uma postagem muito instrutiva e a sua balada é melodiosa e você tem muito talento.
    deixo um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  30. Um belo trabalho, para despertar a curiosidade (a quem é curioso).
    Quanto à balada, está feita a contento, amigo Laerte. Falta puxar do violão e ir, à noite, cantá-la à janela certa.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  31. Olá Laerte, obrigada por sua visita no meu cantinho!
    Tornei-me tua seguidora, adorei seus posts, Literatura é comigo mesmo hehehe...
    Linda tua balada, parabéns!
    Abraços bom fim de semana! Larissa

    ResponderExcluir
  32. A empreitada a que te propuseste não ficou nada mal!!! Como dizes, é muito importante exercitar o cérebro para composições formais, faço isso, de vez em quando.
    Bjinho

    ResponderExcluir
  33. Vim de poema em poema e sempre aprendendo ou recordando. Explicas e exercitas. O teu blogue tem mesmo muito interesse, caro Laerte.

    Beijinho e bem hajas.

    ResponderExcluir