Linguagem[+]

quinta-feira, 30 de março de 2017

DUCENTÉSIMA QUINQUAGÉSIMA PRIMEIRA PROCISSÃO


Música: Maestro José Ribeiro (Zezinho) - Stagium10
Letra: Laerte Tavares.
   Feita uma elegia ou nênia de um poema narrativo encenado, eis no dia dois de abril, domingo, a nossa ducentésima quinquagésima primeira procissão da Imagem do Senhor Jesus dos Passos, escultura mítica, mística e milagrosa esculpida em meados do século XVIII pelo grande santeiro baiano Francisco Chagas (-“o Cabra, como à atribuição de hoje, - “o cara” – gênio). Essa procissão, com títulos de Bem Cultural do município e de Patrimônio Cultural do Estado, está para auferir, no ano em curso,  o título de Patrimônio Imaterial do Brasil, outorgada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
    Colaborei com obra, que ainda se encontra no prelo, narrando em versos a viagem marítima da imagem do Senhor, tendo destino diverso e que por acaso ou desígnio divino, ficou  em nossa antiga Vila do Desterro, cujas pesquisas históricas estão a contribuir à láurea da insigne celebração que será auferida à Procissão secular em seus duzentos e cinquenta e um anos de existência.
   Ressalto, que a referida procissão é mantida pelo povo em uníssono com a Irmandade do Senhor Jesus dos Passos, da qual sou um dos irmãos, dentre os mais de mil membros, que além desse patrimônio, administram também o Imperial Hospital de Caridade, um dos maiores complexos hospitalares da Capital Catarinense, tendo uma das melhores UTIs coronarianas do sul do país. Para tanto, os recursos que o mantém, advém de doações espontâneas de irmãos; entidades beneficentes; instituições filantrópicas nacionais e internacionais; empresas privadas e públicas; de governos; do povo e sociedade em geral.
   Nosso serviço voluntário é amplo, geral e irrestrito. Há membros a trabalhar em setores das mais diversas atividades, que ajudam ao equilíbrio financeiro e a garantir o atendimento à demanda exigida para o atendimento de qualidade ao cidadão. Tem quem colabore na fabricação de velas, até ao atendimento ambulatorial e visitas aos pacientes, bem como um padre capelão só a esse fim. Há equipe de senhoras leigas da sociedade que se dispõem a confeccionar paramentas ao culto ou vestuários para doações, – isso para exemplificar a intensa e imensa gama de atribuições específicas.
    Houve um tempo, em que no âmbito do complexo criavam-se porcos e galinhas para a alimentação dos pacientes, funcionários e corpo clínico. Prática essa que se perdeu ao passar dos anos por questão sanitária e posteriormente por razões do modus vivendi.
   Isso posto, convidamos aos amigos e leitores a se fazerem presentes a este grande evento e a conhecerem um pouco do excelente trabalho realizado neste importante espaço.
   Veja programação no site do Imperial Hospital de Caridade:
IMPERIAL HOSPITAL DE CARIDADE

Laerte.











Capa do livro referido, no prelo, cuja renda será totalmente revertida à Irmandade do Senhor Jesus dos Passos.

quinta-feira, 23 de março de 2017

SAÚDE PAZ E AMOR


Hoje cedo levantei e à janela olhei o mar, lembrando ser aniversário da minha cidade que deveria chamar-se ondina, a ninfa das águas e chama-se Florianópolis em homenagem à figura déspota, segundo algumas opiniões de cidadãos daqui. A cidade denominou-se inicialmente, Póvoa de Santa Catarina, por estar situada à Ilha de Santa Catarina. Depois Póvoa de Nossa Senhora do Desterro. Posteriormente, Vila do Desterro, e finalmente o nome atual.

Ao meu gosto, seria Ondina, nome de mulher, deusa, como realmente ela é – divina, maravilhosa e adorável. Não poderia deixar de homenageá-la com um poeminha à musa e deusa de meus sonhos, neste dia.

Ilha, ao teu aniversário,
Eu te saúdo e devoto
O mais extraordinário
Amor, de tempo ignoto!

Saúde!... Contigo eu brindo,
Erguendo alto esta taça!
Peço a Deus a luz e graça
Ao teu futuro, bem-vindo,
Oh Ilha!... Que seja lindo
Teu porvir, amor de Ilha!

Tu és estrela, és a filha
Da luz, posta ao oceano
Com o destino soberano
De uma estrela que brilha.

Só quero paz, a esta Ilha!
Extrema paz sem ser morte.
Quero a única quadrilha
Que tiver que ter, por sorte,
Seja a de festa junina
Sob proteção divina.

Mais paz, e muita alegria
A esta Ilha de idílios,
Terra de luz e magia!
Que acima do supercilio
De quem na Ilha pensar,
Pense no bem do lugar!

Meu amor, por ti, Amor,
É amor sem dimensão,
Intenso qual explosão
Do meu ser interior
A expandir seu clamor
A torto e a direito, a torto...
Desde que fundeei no porto
À tua beira e fiquei
Morando por gosto – lei.
Zarpar? Só depois de morto!... Talvez...





quarta-feira, 8 de março de 2017

MULHER

BENZEDEIRA DA ILHA DE SANTA CATARINA- FLORIANÓPOLIS SC

Hoje eu quero mandar flores
A todos os meus amores, 
À Rainha de Sabá,
À dama de Calcutá,
Para a minha mãe também
Que me vela do além.
À minha mulher amada,
Já a trouxe à luz da alvorada,
A eleita rosa encarnada.
Flores para Gioconda
Que tanto me olha e sonda.
Flores para Salomé,
À Virgem de Nazaré,
Àquela linda menina,
Sheherazade, Messalina...
Flores para a matriarca,
Às súditas e à monarca.
Flores à índia guerreira,
Para a mulher benzedeira.
Flores, flor, flores e flor
Com muito afeto e amor
Neste dia da mulher
Que a homenagem é mister.
Dia de consagração
Por tamanha devoção
Que devoto ao ser querido.
Mulher faz todo o sentido
Da minha vida e  destino.
Mulher é o ente divino
Que tanto me faz sonhar...
Viva o seu dia! E um altar...